Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Feliz Ano Novo

Por Eduardo Louro

 

Não vale a pena esperar muito deste novo ano, como não valeu a penas esperar muito destes últimos. Mas os últimos dias deste que está acabar deixaram-me a estranha sensação de que já acomodamos a crise, que com ela encontramos formas de convivência. 

Acredito que isso nos possa deixar mais confortados, e que até os votos de feliz ano novo façam algum sentido...

As últimas imagens e um desenho

Por Eduardo Louro

 Nacional-Benfica: «águias» voltam à ilha (AO VIVO)

 

São sempre as últimas imagens que prevalecem. Não fosse isso e poderíamos dizer que este último Benfica deste aziago 2013 estava a melhorar, e a prometer um melhor 2014.

Assim… Assim, se calhar continuamos a olhar para o ano novo com alguma desconfiança. E a lembrarmo-nos daquele toque fantástico daquele jovem luso-angolano (pensava que já não havia disso) ... que merecia dar golo.

Na primeira parte o Benfica foi melhor que o Nacional, jogou muito mais, e melhor, que o adversário. Não criou muitas oportunidades de golo – nem muitas mais que o adversário, que teve apenas uma - e foi até feliz na forma como chegou ao golo, mas foi claramente superior e ninguém poderá negar a bem aceitável qualidade do futebol apresentado. Que deu até para iludir os pontos fortes da equipa do Funchal, em particular a sua capacidade física.

A equipa do Nacional dispõe de grandes argumentos físicos, e sabe usá-los. Há jogadores que parecem autênticos bulldozers - levam tudo à frente!

Na segunda parte isso veio ao de cima, e os seus jogadores pressionaram muito, e muito em cima, roubando bola e espaços ao Benfica. O jogo passou para uma dimensão física que até aí não conhecera e o Nacional apostou naquilo que em futebolês se chama partir o jogo. Partido, o jogo favorecia essa dimensão física que convinha à equipa da Madeira. No passado, nos últimos três anos, nessas condições o Benfica partia para a goleada e só parava nos quatro, cinco ou seis… Aconteceu até com este mesmo Nacional de Manuel Machado. Agora corre a vestir o fato de macaco, e prepara-se para sofrer!

Entretanto lembrei-me que, já que o Jesus ainda não conseguiu perceber que o Markovic não é um ala, e que por lá o vai deixando apodrecer, o melhor é fazer-lhe um desenho. Como ultimamente o Pacheco Pereira ganhou por aí fama na arte do desenho, resolvi pedir-lhe, a ele que nem gosta nem percebe nada de futebol, que lhe fizesse um. Vamos a ver se resulta!

Força campeão!

Por Eduardo Louro

 

 

Depois de mais de 20 anos a disputar e ganhar corridas de fórmula 1. Depois de milhares de quilómetros a velocidades superiores a 300 km/hora, de ultrapassagens arrepiantes e controversas, sempre no fio da navalha, parecendo submeter a própria vida - e muitas vezes a dos adversários – à vontade de ganhar, acaba por ser na tranquilidade da neve que o mais titulado piloto da especialidade máxima do automobilismo se vai cruzar mais do perto com a morte. A vida tem destas ironias…

 

Jogo grande deu grande jogo

Por Eduardo Louro

 

O jogo grande da Taça da Liga não precisou de jogo ter golos para ser um grande jogo. Às vezes é assim, mesmo sem golos, saem grandes jogos!

Não foi o Chelsea – Liverpool, nem nunca o poderia ser. Mas foi um belo jogo de futebol, onde os lagartos foram muito, mas muito melhores que os andrades. Valeu-lhes um guarda-redes grande, que me parece um grande guarda-redes…

Vistos gold - um sucesso!

Por Eduardo Louro

 

 

Paulo Portas – lá estou eu a voltar a Paulo Portas – está encantado com o sucesso dos “seus” vistos gold, que já traz dos seus tempos de MNE, na era AI (antes do irrevogável).

Ao abrigo do programa – que, diz Portas, excedeu largamente os objectivos – foram concedidos perto de 500 vistos – dourados, pois claro – que se traduziram em mais de 300 milhões de euros investidos na compra de casas, que animaram o segmento de luxo do imobiliário.

Isso deixou-o entusiasmado, e bem sabemos do que é capaz um Portas entusiasmado. É até capaz de dizer que “é um sinal muito prático de que Portugal está de volta ao 'GPS' dos países em que é interessante investir"…

E eu que achava que isto é simplesmente um sinal de que o país se transformou numa república das bananas, que o quer é dinheiro, venha ele donde vier. E eu que pensava que isto é um sinal que o dinheiro tudo compra. Que venha quem vier é bem-vindo, desde que tenha dinheiro, evidentemente. E eu que era tentado a admitir que isto é sinal que este é um país onde é fácil lavar dinheiro. E eu que até já pensava que este é um país que mandou os valores às ortigas …

Estava enganado… E fico contente, tão contente como Paulo Portas, por estar enganado! 

Coitado do Paulo Portas

Por Eduardo Louro

 

A notícia é de ontem, mas por falta de disponibilidade só hoje lhe pego. Foi trazida à estampa pelo Diário Económico e dá conta que a rábula da irreversível demissão de Portas, no princípio de Julho, e a crise política que lhe sucedeu, custou ao país 2,3 mil milhões de euros em agravamento de juros.  

Não é exactamente novidade, há muito que corria por aí. Há muito que se atribui a mais esta brincadeira de Portas o momento de viragem no comportamento dos mercados, e de inversão do sentido descendente das taxas de juro. Sempre que se tem falado da saída directa da Irlanda do programa de resgate da troika comparam-se as suas taxas de juro com as portuguesas, e logo vêm à conversa as culpas de Portas.

Não é, evidentemente, aquela que foi apenas mais uma brincadeira de Paulo Portas que tem responsabilidades nisto. É mesmo injusto acusar Paulo Portas de mais esta malfeitoria, quando ele já tem tantas outras .

E não estou a defendê-lo. Até porque não seria fácil!

Quero apenas tentar pôr as coisas no seu lugar, separar o essencial do acessório. A crise política do final do primeiro semestre é da responsabilidade de Portas, isso é indiscutível. Mas surgiu na sequência de uma demissão a sério, realmente irrevogável, daquela que era a primeira e principal figura do governo: a decisiva demissão do decisivo Vítor Gaspar. Decisiva porque era exactamente quem tutelava o governo, e na verdade o representante da troika e dos credores no governo. Mas ainda mais decisivo porque, podendo simplesmente ter-se demitido, optou por explicar claramente porque o fazia: porque ele próprio falhara em toda a linha, mas também porque falhara a política em que tinha acreditado. Disse com todas as letras que a receita estava errada, e que por isso falhara!

Foi isto que foi determinante para os mercados – atenção que mercados e credores não são a mesma coisa - perceberem que o programa não funcionava e que, com ele, o país apenas se afundava cada vez mais. Foi esta declaração pública de falência do programa da troika, pela voz mais autorizada para o fazer, que fez com que as taxas de juros subissem e não mais descessem. E não as rábulas de Portas!

Só que a política se manteve e, pese embora as declarações de negação das cúpulas, especialmente do FMI, o programa da troika e do governo seguiu inalterável o seu rumo, como se Vítor Gaspar não tivesse dito nada do que disse. Era preciso fazer de conta que tudo estava a correr bem e esconder depressa as palavras do Gaspar. Por isso nada melhor que culpar Portas pelo arrepiar de caminho das taxas de juro.

Não é estranho que os comentadores do regime o tenham sacrificado para construir esta história. Estranho é que toda a comunicação social a tenha seguido! 

A decisão da não decisão

Por Eduardo Louro

 

O presidente decidiu não enviar o Orçamento de Estado para o Tribunal Constitucional, para fiscalização preventiva.

Nada de estranho. Já assim foi no passado, e sabemos que Cavaco nada fará que crie dificuldades ao seu governo. Como sabemos que dá importância máxima à entrada em vigor do orçamento a 1 de Janeiro, e importância mínima à alteração dos normativos que fixam prazos absurdos – alguém entenderá por que é que o Orçamento passa mais de um mês no Parlamento? - todos eles cumpridos até ao último dia. Mesmo por ele!

Nem se estranha que o presidente tenha transformado esta decisão numa não decisão, tão avesso que é a tomar decisões: "A Presidência não comenta, uma vez que não há nenhuma decisão presidencial". O problema é que, se não é uma decisão, é um lapso. Um esquecimento. E então o comentário teria de ser: “A Presidência lamenta e pede desculpa mas, sem se aperceber, e porque gosta de esgotar todos os prazos até ao fim – os prazos, mais que para serem cumpridos, fizeram-se para serem usados - deixou escapar o último dia do prazo para enviar o Orçamento para fiscalização preventiva do Tribunal Constitucional”!

Pág. 1/6

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

JORNAIS

AFINIDADES

BENFICA

OUTROS QUE NÃO SE CALAM

FUTEBOLÊS

TROIKAS

FUNCIONALIDADES

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics