Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

OS PERDEORES

Por Eduardo Louro

 

O país votou e, mais uma vez, uma boa parte não votou: não está para isso, não acha que valha de alguma coisa, não quer saber ou acha que eles são todos iguais.

São cerca de 40%, muita coisa, dizem os números. Tenho dúvidas! Esta abstenção parte de uma base eleitoral de cerca de 9,6 milhões de portugueses: acho portugueses a mais! Porque, se assim for, temos apenas um milhão de portugueses com menos de 18 anos. Não me parece! Por isso acharia interessante que se desse uma volta aos cadernos eleitorais e que, em tempo de simplex, de empresas na hora e do Magalhães se resolvesse um tão pequenino e tão simples problema quanto este: um interface entre as Conservatórias do Registo Civil e as bases de dados eleitorais do Ministério da Administração Interna. Asseguro que não é nada de complicado. Bom, e quando vemos que qualquer cidadão eleitor pode aceder a essas bases de dados através de um IPad e ficar a saber exactamente onde vota, rapidamente percebemos que é muito mais fácil descarregar lá uma certidão de óbito entregue no Registo Civil.

Porque isto de andarmos sempre a dizer que a abstenção é esta ou aquela começa a cheirar ao mesmo do empate técnico das sondagens. Todos nós percebíamos que os resultados do PS anunciados pelas sondagens não batiam certo. Era fácil: no meu círculo do dia-a-dia só encontrava gente que se queria ver livre de Sócrates. Saía de fora do meu círculo para entrar no de outros e o resultado era o mesmo! Não dava para perceber: ou as pessoas mentiam para as sondagens ou mentiam para mim!

As eleições permitiram-me perceber que a dicotomia era outra: ou as pessoas mentiam para as sondagens ou as sondagens mentiam para nós?

Porque, evidentemente, a malta queria mesmo era ver-se livre de Sócrates. Quanto mais não fosse para lhe ouvir um discurso a soar a música aos ouvidos da maior parte de nós: um discurso aplaudido por toda a gente como uma das boas coisas da noite eleitoral, mesmo que sem um mea-culpa, sem um erro, nem sequer um equívoco. E, como não somos de rancores, ficamos contentes de saber que ele vai agora ser feliz, mesmo sabendo que nos deixou a nossa felicidade bem adiada!

E, como rei morto rei posto, logo surgiu António José Seguro. Saído de trás do arbusto onde tem andado escondido – agora bem disfarçado de elevador do Altis – lá veio ele dizer que existia, que a máquina bem sabia onde ele andava e do que era capaz e que, claro, não podia deixar ali aquela nesga de terreno por marcar. Nem que para isso tivesse que lançar mão de uns truques da politiquice: mandar avisar os jornalistas para, depois, lhes dizer que eles é que estavam ali, quais paparazi, à sua espera! Começa bem, sim senhor!

Mais perdedor que o PS de Sócrates foi o Bloco de Louçã. Que nem se foi embora nem deu grande sinais de autocrítica, mas deixou muita gente em reflexão. A sensação que fica é que há uma elite dirigente, que vem da fundação do partido, que não tem condições de perceber a oportunidade e o espaço que se abria ao partido. Que não consegue perceber que há um espaço para os valores da esquerda – da tal esquerda moderna – do lado de dentro do regime, que se não esgota no protesto e nas ditas questões fracturantes. Que não consegue perceber que a política também se faz de pragmatismo, de escolhas perante alternativas concretas, fora de espartilhos ideológicos. É confrangedor que esta direcção do Bloco nunca tenha percebido que cresceu porque o eleitorado o tinha por diferente do PCP. Que para fazer o mesmo já lá está o PCP, que o faz melhor e com outra implantação no terreno: o original é sempre melhor que a cópia!

Não posso dizer que o PCP tenha perdido. Por duas razões: em primeiro lugar porque nunca perde - é o único partido que não perde eleições, encontra sempre uma saída para a vitória – e, em segundo, porque em relação às eleições de 2009, até ganhou um deputado. Não por ter mais votos mas porque lhe calhou o deputado que Faro ganhou, o que não impediu nem limitou a festa. E no entanto o PC não ganhou coisa nenhuma. Porque nunca poderá ganhar quando os seus adversários políticos ganham em toda a linha: a propalada troika interna que apoiara a troika externa representa 80% dos votos dos portugueses!

É por aqui que começarei o texto de amanhã, quando falar dos vencedores. Por hoje fiquemo-nos pelos perdedores: a abstenção, as sondagens, o PS – Sócrates, mas também António José Seguro –, o Bloco de Esquerda (Louçã, Luís Fazenda e Migue Portas) e o PCP, com a ressalva apresentada. Os pequenos partidos também foram perdedores, resta saber se vítimas do sistema ou de si próprios.

E perdemos todos nós com estas leis que obrigam a arrastar estes períodos de vazio político: Sócrates apresentou a demissão em 23 de Março! Três meses depois ainda  estaremos sem governo!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

JORNAIS

AFINIDADES

BENFICA

OUTROS QUE NÃO SE CALAM

FUTEBOLÊS

TROIKAS

FUNCIONALIDADES

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics