Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

CAPITALISMO E DEMOCRACIA

Por Eduardo Louro 

 

Está mais viva do que nunca a discussão sobre a compatibilidade entre o capitalismo e a democracia. Se até há pouco esta era uma discussão particular de alguma esquerda, hoje atravessa claramente vários quadrantes ideológicos.

Uma discussão interessante - sem dúvida – que gostaria de ver mais debatida!

Pouca gente põe hoje em causa que o capitalismo tenha sido o sistema económico mais capaz de gerar desenvolvimento, progresso e bem-estar social. Não foi apenas a falência do sistema das chamadas economias planificadas da esfera da antiga União Soviética nem, noutra medida, a do sistema chinês, que se encarregou de esvaziar a legião de opositores convictos do capitalismo. Mesmo depois de tecnicamente falido o modelo económico soviético conseguiu segurar os seus adeptos enquanto subsistiu o modelo político. É a queda do Muro de Berlim que acaba por soterrar a maior parte dos últimos resistentes anti-capitalistas!

Mas é também este o acontecimento histórico que mais concorreu para que o mundo e o capitalismo sejam hoje o que são. Para que tenham chegado até aqui, ao ponto em que esta discussão faz todo o sentido e à qual chegarão muitos dos que tinham ficado soterrados nos escombros do Muro.

A(s) democracia(s) e o capitalismo nasceram e desenvolveram-se a par e passo. Factores demográficos e económicos – mas também a necessidade de gerar sólidos e verdadeiros argumentos de combate ao regime inimigo, de criar as hoje chamadas vantagens comparativas – reforçaram-nos a ambos, especialmente com o desenvolvimento do welfare state. O hoje tão atacado Estado Social!

Não é mera coincidência que este capitalismo actual, nascido da queda do muro e da globalização, seja posto em causa e acusado de inimigo da democracia quando, precisamente, põe em causa e começa a destruir o Estado Social.

Quando ouvimos as pessoas queixarem-se de que isto é uma ditadura ou que a democracia está doente, é disto que se está a falar. Quando ouvimos, no discurso das elites, dizer-se que falta política ou que é necessário o regresso da política, também não é de nada de muito diferente que se está a falar. É a democracia posta em causa, seja quando se corta nos benefícios sociais ligados ao bem-estar das populações, seja quando a realidade impõe decisões à margem do processo e da discussão política!

Repare-se no recente caso do referendo grego – e ignorem-se, embora se não deva, as circunstâncias em que foi decidido e anunciado – e veja-se como não houve política nem democracia a funcionar. Apenas a realidade dos factos a obrigar o primeiro-ministro grego a meter a viola no saco e até a demitir-se.

Evidentemente que a realidade, a nua e crua realidade da globalização, ganha a força de um tsunami que tudo leva à frente, onde o capitalismo se sente como peixe na água. Sem pátria, o capitalismo desloca-se sem qualquer tipo de preocupações com a democracia e exclusivamente focado no mercado.

Às velhas democracias ocidentais, e em particular à Europa, exige-se que trate de acelerar e explicar muito bem essa tese do regresso à política. Que não pode querer dizer outra coisa que não o regresso de gente capaz, competente e independente dos poderes económico e financeiro! Gente séria e de vistas largas que regenere a democracia. Porque, por muito emirjam novas e grandes economias, mesmo estando a China a sentar-se na cadeira da maior potência mundial, o mercado das democracias ocidentais ainda continua a ser o mais apetecível. Mas, acima de tudo, porque este modo de vida agora posto em causa continua a constituir o farol iluminado para onde o resto do mundo dirige os olhos.

O problema é encontrar mestres para esta obra!

 

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics