Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

CRIME NÃO TEM IDEOLOGIA

Por Eduardo Louro 

 

É frequente associar a criminalidade à crise. Há aqui um certo dedo ideológico, que tende a apontar no sentido de que as pessoas, uma vez penalizadas pelas agruras da crise – o desemprego, a redução dos apoios sociais, etc. – procuram satisfazer as suas necessidades básicas através de actividades criminosas. De criminalidade violenta!

Vejo este título do Público e não consigo fugir a uma breve reflexão sobre o assunto. Se é certo que esta ideia de associar a criminalidade à crise tem o seu quê de ideológico, não o é menos que uma certa ideia de facilitismo – no sentido de encontrar respostas fáceis, um tanto ou quanto primárias - instalada na sociedade portuguesa favorece esta interpretação.

A ideia de que o crime aumenta à medida que aumentam as dificuldades da vida não é aceitável. No entanto ela está instalada, e é dada como certa em determinadas realidades.

É frequente ouvirmos técnicos de Serviços Sociais deixarem-nos uma ideia de que há subsídios que têm de ser mantidos para comprar certas condições de convivência que nos garantam a paz e a tranquilidade que asseguram a nossa vida social. Não sei de onde veio essa ideia, mas sei que essa é uma forma de nos convencer a todos de que esse dinheiro é bem empregue. Que não é um dinheiro destinado a financiar modos de vida marginais mas um dinheiro destinado a pagar um direito como os outros. Como pagamos o direito à saúde ou á educação, pagamos o direito à segurança, só que por duas vias: pela da política activa de segurança  e pela da subsidiação social. Nessa medida isso é como que um imposto que organizações criminosas implantam nos territórios que dominam.

Evidentemente que, nestas circunstâncias, o aumento da criminalidade não tem nada a ver com a crise. A criminalidade está lá, latente, e nós apenas a contemos enquanto tivermos condições para pagar o tributo - a chantagem. Aqueles que a crise violenta, os mais pobres e os desempregados que todos os dias engrossam a fila dos deserdados do sistema, não têm nada a ver com o aumento da criminalidade. São gente séria que não merece o que lhe está acontecer, quanto mais ser ainda vítima destes anátemas!

O crime não tem ideologia!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics