Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Futebolês #104 INCENDIAR

Por Eduardo Louro

 

Já sei no que estão a pensar. Mas já lá vamos, porque no futebol há muitos incêndios. E nem todos maus, nem todos criminosos! Mas são a excepção, é verdade…

Há jogadores que incendeiam o jogo por dentro. Fazem subir a temperatura do jogo, sabem transformar um jogo morno, daqueles que não atam nem desatam, num jogo explosivo e excitante. Acontece normalmente com jogadores que saltam do banco, como ganas de revolucionar aquilo tudo, de quebrar com o status quo!

Estes são os bons incêndios, como que queimadas regeneradoras.  

Mas há também, aqui e ali, jogadores que incendeiam o jogo pelo lado mau do incêndio. São jogadores quezilentos, que fazem do conflito um modo de vida. Picam os adversários, provocam a guerrilha e rapidamente transformam um jogo de futebol numa imensa fogueira, num fogo difícil de controlar e de rescaldo prolongado. E há ainda os que se prestam a incendiar ânimos - geralmente peões de estratégias alheias – para daí incendiar os jogos.

Nesta dimensão os principais incendiários são, no entanto, os dirigentes. Por si e pela legião de paus mandados que distribuem estrategicamente pelo espaço mediático. Autênticos pirómanos!

Tiremos pois os jogadores deste filme e esqueçamos as excepções, que mais não fazem que confirmar a regra. Não há qualquer dúvida que são o melhor que o futebol tem!

Os pirómanos tudo fizeram para incendiar o derby do passado fim-de-semana passada. Não pouparam em tochas, tudo lhes serviu para atear o fogo. Começaram com a rábula dos bilhetes. Depois foi a famosa caixa de segurança – que, como é agora público, foi vistoriada por responsáveis do Sporting em duas ocasiões (a primeira duas semanas antes do jogo e a última algumas horas antes) sem que tenha merecido qualquer reparo – e chegou até, imagine-se, a uma simples entrevista (de vida) de Eusébio à revista Única do Expresso, há três ou quatro semanas. Porque, nessa entrevista, ele disse que há muitos, muitos anos - há mais de 50 -, quando em menino jogava no Sporting de Lourenço Marques, não gostava desse clube – o Sporting de Lourenço Marques – porque era o clube dos racistas…

Os comentadores sportinguistas, a partir das televisões, facilmente trataram de transformar isto em múltiplos tições incandescentes. Depois, os dirigentes fizeram o resto, já em pleno domínio institucional.

Não conseguiram incendiar o jogo jogado. Nas bancadas, adeptos do Sporting cruzavam cachecóis lado a lado com benfiquistas, na mais cívica das convivências. No relvado, os jogadores jogaram à bola, sem outro tipo de preocupações e sem regatear esforços. No final, Domingos Paciência – e não cito Jorge Jesus porque tenho muitas dificuldades em perceber o que ele diz, mais a mais agora que o Prof. Manuel Sérgio lhe deve ter começado a falar num filósofo novo qualquer – dizia que tinha sido um grande espectáculo dado por três excelentes equipas. Parece que agora, uma semana depois, uma delas já não foi tão excelente como isso, mas essa é uma questão de on line. Nem todos têm a felicidade de estar on line!

Mas conseguiram – literalmente – incendiar o estádio! Um acto vândalo e criminoso, premeditado e preparado nas barbas de um vice-presidente da direcção leonina.

Depois, os mesmos que haviam incendiado, continuaram a incendiar propagando mentiras como se fossem labaredas. Com os comentadores a dizerem nas televisões que, para assistirem ao jogo, os adeptos sportinguistas tiveram que se sujeitar a seguir enjaulados até ao estádio e à humilhação de uma outra jaula já lá dentro. Quando sabem, como toda a gente o sabe, que essas são as condições reservadas às claques em todo o lado, porque, infelizmente, com aquela rapaziada não é possível ser de outra forma. Quando, como eles sabem, nas bancadas, adeptos do Benfica e do Sporting, famílias completas, assistiram ao jogo na maior das tranquilidades.

Era já um novo incêndio que preparavam: o do previsível jogo dos quartos de final da Taça, previsto para daí a duas semanas, em Alvalade. Valeu que o Benfica deitou mão da mais eficaz das medidas preventivas: perdeu ontem no Funchal, com o Marítimo. Perdeu a invencibilidade e pôs-se fora da prova. Mais preventivo que a limpeza das matas!

Esperemos que também tenha efeitos preventivos no discurso (?) de Jorge Jesus. É que coisas como o on line, ou as equipas adversárias copiarem o Benfica, ou não jogarem olhos nos olhos não são bonitas de se dizerem. Nem acrescentam coisa nenhuma, antes pelo contrário!

 

2 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics