Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

DESCRÉDITO TOTAL

Por Eduardo Louro 

 

Este governo tem vindo em passo acelerado a construir o seu descrédito e, com ele, a descrença final do país.

A imagem cordial, de sinceridade e de verdade do primeiro-ministro, sobrepunha-se à de um governante sem rasgo e sem entusiasmo. E uma campanha mediática bem orquestrada pela intelligentsia liberal, aliada à completa ausência de oposição, ia permitindo ao governo resistir à degradação de uma prática política sempre em contramão com os compromissos eleitorais. O entusiasmo inicial de um governo constituído por gente nova, maioritariamente vinda de fora de uma classe política gasta e desacreditada, foi desaparecendo à medida que insuficiências, incapacidades e contradições foram revelando a impreparação de quase toda essa gente.

Ontem, com as nomeações para a EDP – as mais descaradas de que há memória, a confirmar o pagamento de favores que já se percebera com a Caixa Geral de Depósitos, no final do Verão – o governo não mostrou apenas que nada o distingue de todos os que o antecederam. Mostrou que não também não tem vergonha nem qualquer respeito pelo país que deveria servir. Pagando favores – pessoais e partidários, velhos e novos -, aprofundando a promiscuidade entre a política e a economia, o governo, com estas nomeações, conseguiu a proeza de gozar com todo o país distribuindo chorudas avenças por gente que acusa os portugueses de serem uma corja de improdutivos gastadores e de calões incompetentes que vive acima das suas possibilidades. O governo gozou com os portugueses ao distribuir tachos por golden poli-reformados que se acham acima de tudo e de todos, legítimos detentores de direitos que negam a todos os outros e que lhes permitem levitar acima dos problemas do país, a maioria dos quais criados por eles próprios.

Ontem, ao nono dia do ano, o governo diz que não é possível atingir o défice do orçamento aprovado há um mês e determinado pela troika. Que os 4,5% previstos subirão para 5,4 (já vi estes números referidos – e comentados - em vários órgãos de comunicação social - até na Antena 1, com comentário a propósito de Nicolau Santos - como respeitantes a 2011, mas não: referem-se ao orçamento para 2012), impondo-se novas e mais medidas de austeridade conforme, pelo que veio hoje a público, já consta de um documento do ministro das finanças distribuído no conselho de ministros de 19 de Dezembro.

As explicações são as mais disparatadas, e vão do pagamento de pensões do fundo adquirido à banca para maquilhar o défice do ano passado ao do de dívidas dos hospitais. Sem nexo, como facilmente se percebe, e a queimar o crédito do único ministro que, por mérito e pelo estilo, se ia salvando!

A verdade é que, como o Relatório de Inverno do Banco de Portugal hoje publicado revela, está aí uma “contracção sem precedentes” na economia portuguesa. Prevê uma recessão de 3,1%, contra os 2,2 do orçamento! E a verdade é que esta é a esperada confirmação da falência da receita, a confirmação do ciclo vicioso da austeridade que gera recessão que gera austeridade…

É o descrédito da política, o descrédito do governo, o descrédito do seu responsável máximo, e o do seu ministro mais credível: o descrédito total!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics