Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

TER ESPERANÇA

Convidado: Luís Fialho de Almeida


Sócrates - não o de Atenas, o filósofo, mas o José, o que em Paris queria ser filósofo, mas agora prefere “doutor em ciência política” – deixava-nos sempre uma nota de esperança e bramava contra os críticos e as oposições do bota-abaixo, os pessimistas que denunciavam o optimismo da mentira e da ilusão. Passos Coelho, empurra-nos para fora da zona de conforto (expressão dele) que nos asseguravam como certa. Mergulhámos numa neblina de responsabilidades difusas, de promiscuidades entre governantes, partidos, secretas, maçonaria e outras organizações, corporações, fundações e empresas próximas do estado. Esta neblina promíscua, absorve na forma de remunerações, pensões e interesses milionários, os impostos e sacrifícios dos humilhados, escravizados e velhos que terão de trabalhar até à exaustão, num processo de sobrevivência sem mérito nem proveito.

Devemos ter esperança, de não perder a esperança, quando Passos Coelho nos manda pegar na mala de cartão, como nos anos do Estado Novo, e fazermo-nos à estrada, levando como farnel o frango assado e pastéis de nata (sugestão do Álvaro), a caminho de Angola (vontade do Relvas). Mas porque não deixar a Pátria desditosa, quando a maioria das empresas do PSI-20 já o fizeram, com a indiferença ou conivência de quem nos desgoverna.

Ter esperança, em clima de austeridade, mesmo quando o Banco de Portugal vai emitindo comunicados manhosos (jornal I) resistindo à perda dos subsídios de férias e de Natal, não pela legalidade que possa existir, mas pela decência de dar o exemplo, já que este Banco deve velar pela estabilidade do sistema financeiro nacional, apesar de se ter mostrado incompetente nos casos BPN e BPP, e não prescindir das despesas em meios de diversão e recreio para a sua gente, enquanto outros se contorcem na crise. Os eternos privilégios do capital e de quem lhe está próximo.

“Abaixo o capital, para lhe chegarmos melhor” - Um princípio pragmático, mesmo para muitos da esquerda política, que apenas no discurso defendem a redistribuição justa dos sacrifícios e dos benefícios.

Ter esperança, apesar do silenciamento da verdade – a verdade é um veneno - provérbio do kmer Vermelho, citado por Pedro Rosa Mendes, agora silenciado, bem como o programa “Este Tempo” da RDP1

Ter esperança na coesão económica da UE, já que na última cimeira de Bruxelas se começou a reconhecer que só austeridade leva à recessão, e não ao crescimento económico e ao emprego.

A Crédito y Caución revelou recentemente que a insolvência de particulares e das empresas em 2011, teve um aumento de 154% e de 14% respectivamente, face a 2010. A confirmar estes dados, encontrei ocasionalmente, nos últimos dias, pessoas do meu relacionamento que me informaram terem encerrado as suas pequenas empresas. As causas são já conhecidas, entre outras: a falta de encomendas, estrangulamento bancário, incumprimentos de outras empresas que lhes ficavam a jusante na fileira da actividade económica. Deixaram-me uma nota de desconforto e inconformismo, à qual eu retribuí com um cumprimento cordial de que é preciso ter esperança.

“Uma esperança é uma vida nova dentro da vida. Uma esperança morta é uma vida que se mata ….” – António Vitorino de Almeida, em Histórias de Lamento e Regozijo.

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics