Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

ENCONTROS

Por Eduardo Louro

  

Aquele fim de tarde fazia daquela sexta-feira um dia diferente.

Acabara de enviar para Londres os últimos relatórios mensais e, pela primeira vez em muitos meses, nada havia que a deixasse agarrada àquela secretária por mais tempo. Noutras vezes arranjava sempre desculpa para ficar. Nem que tivesse que inventar trabalho! Também isso tornava diferente aquele fim de tarde …

Júlia é, aos 34 anos, top executive de uma multinacional de entretenimento, com notável capacidade de trabalho e enorme dedicação à empresa, que transformou em primeira opção de vida. Não admira, o trabalho garante-lhe o que de melhor espera da vida: remuneração confortável e deslocações constantes pelos vários cantos do mundo. Dá-lhe dinheiro e mundo, o mundo que nunca tivera. E poder, o poder que sempre procurara…

Retira o blaser Twist Storytailors que lhe alivia o ar executivo e lhe acentua o toque cosmopolita e veste-o por cima da camisa Manege, da mesma griffe. Pega na Louis Vuitton e sai do gabinete, decidida, em direcção à portaria, como se soubesse bem ao que e para onde ia. Não sabia! Mas não desceu ao piso do parque de estacionamento para pegar no carro.

Saiu a atravessou a pé as três ruas até uma esplanada à beira-rio, emoldurada pelo sol, já baixo. Escolheu uma mesa donde podia ver o sol a procurar o colo do rio, mas também o largo corredor de acesso que acabara de percorrer. Dali podia assistir ao lento curvar do sol sobre o rio, como que projectando timidamente a boca para um beijo de ardente paixão. Mas também apreciar o movimento das pessoas que entram e saem, observá-las mais ou menos discretamente…

A simples constatação destes súbitos e improváveis focos de interesse surpreendiam-na. Não era dada a observar as pessoas, isso não lhe interessava. Não se envolvia com ninguém. Muito menos era dada a romantismos de pôr-do-sol.  

Tinha o que queria da vida, era independente e bem sucedida. Nunca fora dada a romances! Na adolescência, o corpo escanzelado e sem formas e a cicatriz labial não a ajudavam nada na aproximação aos rapazes. Afastavam-na dos rapazes e aproximavam-na dos livros. Encontrou na escola, e nos padrões de alto rendimento que desenvolveu, a forma de afirmação que taparia a entrada a tudo o que fosse trauma ou frustração. Habituou-se a ser a melhor e a viver para isso: na escola, na faculdade e no trabalho. Foi tanto assim que não percebeu que o seu corpo foi ganhando formas e o seu rosto beleza. Que até a cicatriz desaparecera e era agora um must sexy

Voltou com o copo do gin tónico à boca, como que querendo bruscamente interromper o destino daquele desfile introspectivo. O sol caía já nos braços do rio, enrolados num beijo que a enchia de inveja. Olhou à volta como que procurando um olhar com que se cruzasse. Nada… Nem um olhar perdido!

Sentia-se pela primeira vez sozinha. O amargo tomou-lhe conta da boca! Não era do gin, que ainda segundos antes tão bem lhe soubera: era o sabor da solidão que, como nunca, experimentava pela primeira vez.

De repente, saída da entranha mais profunda do seu ser, surgia alguém: virou-se e, surpreendida, encontrava-se de frente consigo própria.

Jurou que nunca mais se deixaria só. Tirou o espelho da mala e olhou-se como se estivesse a ver-se pela primeira vez: olhos doces e lábios finos - a que a discreta cicatriz da fenda labial acrescenta invulgar sensualidade – e uma força insuspeita, toda ela coragem e determinação…

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics