Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Futebolês #41 Cláusulas de rescisão

Por Eduardo Louro

   

 

 

As cláusulas de rescisão entraram recentemente no dicionário de futebolês. Entraram tarde mas em força!

O que vem então a ser isto das cláusulas de rescisão?

Bom, o conceito é simples e claro: estabelecido um contrato entre as partes – o jogador, mas também já o treinador, e a entidade patronal – uma cláusula desse contrato prevê uma das condições em que esse mesmo contrato possa ser rescindido. Precisamente a que fixa o valor que obriga a entidade patronal a ceder os respectivos direitos desportivos.

Contrata-se um profissional e diz-se logo: por menos deste valor (o da cláusula de rescisão) ninguém o leva! A partir desse momento, e em teoria, o mercado fica a saber que não vale a pena falar noutros números. E o profissional fica a saber, mais, aceita expressamente que, se ninguém aparecer a bater esse valor, não vale a pena inventar problemas de adaptação, de saudades da família ou do que quer que seja, porque a entidade patronal não cede. Nem está obrigada a ceder!

Claro que isto é a teoria. A realidade é outra: na maioria das vezes a cláusula de rescisão não serve para nada. Ou porque não tem qualquer aderência à valia desportiva do jogador, ou porque é o próprio jogador que invoca tudo e mais umas botas para a mandar às ortigas e assegurar a transferência que lhe garante o contrato da sua vida.

Quando, no final da época o presidente, aflito por vender os melhores para realizar uns cobres que tem de ir entregar ao banco, diz que não sai ninguém, a não ser que seja batida a cláusula de rescisão, isso não é mais que conversa para adepto ouvir. Claro que vende tudo o que lhe queiram comprar. Depois o culpado será sempre o jogador: “o jogador é que quis sair e não podemos manter um jogador contrariado”, é a inevitável justificação.

É isto que vemos em todos os nossos clubes!

Na selecção nacional, na Federação Portuguesa de Futebol (FPF), não é bem a mesma coisa. Aí temos um imbróglio, que é uma das maiores vergonhas nacionais para, ao que se diz, fugir a uma cláusula de rescisão que, afinal, ninguém sabe se existe.

A verdade é que, com ou sem cláusula de rescisão, pôr Carlos Queiroz a andar, sem indemnização, tem sido o grande quebra-cabeças da direcção da FPF. Ao ponto de toda a gente ter perdido a cabeça e já não restar alternativa que não passe pela porta de saída: toda a gente para a rua, antes que acabem por matar definitivamente uma selecção nacional (tão sintomática quanto os resultados - um único ponto em dois jogos tornam já difícil o apuramento para o europeu - é a assistência de Guimarães, claro indício de que o apoio à selecção faz parte do passado) que tem prestigiado o país e enchido os cofres da FPF.

Todos têm sido indignos do esforço e da categoria dos jogadores mas, para mim, a maior decepção é mesmo o seleccionador Carlos Queiroz. Que não pode agora vir dizer que está em causa a defesa da sua honra e do seu prestígio. Não está porque não se defende o que já se perdeu!

Há dois anos Queiroz chegava à FPF em ombros. Não tinha ganho nada, mas fazia o pleno nacional. Era o homem certo no lugar certo!

Em dois anos, o homem que todos aclamamos por lhe reconhecermos competência, prestígio, mundo, elegância e cosmopolitismo transforma-se em grosseiramente incompetente, capaz do mais ordinário vernáculo e da mais reles rixa de taberna, emocional e intelectualmente desequilibrado, sem norte e perdido em labirintos de dúvidas e de suspeições.

 

PS: Como devem ter percebido este texto foi escrito antes da apregoada reunião da direcção da FPF de ontem, quinta- feira. Daí que não comente qualquer decisão, se é que alguma foi mesmo tomada!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics