Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Preso por ter cão e preso por não ter

O euro continua em perda e as dificuldades de financiamento continuam a aumentar, em especial para a Grécia, Espanha e Portugal. As notações de rating continuam em queda livre, tendo mesmo a da Grécia caído para o nível mais baixo: lixo. Espanha e Portugal pagam agora taxas de juro inimagináveis há apenas três ou quatro meses e começam a enfrentar sérias dificuldades na colocação de dívida!

Em Portugal discute-se se não seria preferível chamar já o FMI. Há os que defendem que solicitar já essa intervenção permitiria o acesso a melhores condições de financiamento – a Grécia, por essa via, tem já taxas de juro mais baixas que as de Portugal! Vêem ainda nessa intervenção a oportunidade para endurecer as medidas de austeridade e, nela, o caminho mais rápido para a consolidação orçamental e para o saneamento das finanças públicas. Os que lhe opõem não apresentam outros argumentos que não sejam os que se prendem com a imagem do país, isto é, preocupam-se apenas em proteger a imagem do fidalgo arruinado.

Desgraçadamente é isto que se discute. Uns com a obsessão da imagem, uma obsessão infelizmente profundamente enraizada na sociedade portuguesa, e responsável por tanta da nossa miséria humana (ainda esta semana era noticiado que muitos portugueses preferem começar a cortar pelos medicamentos e pela alimentação antes de abdicar de telemóveis, canais de tv por cabo e mesmo de automóveis). Outros porque preferem trocar a verdade da realidade pela de manuais desactualizados.

Por que é que a chamada pressão dos mercados, que supostamente abrandaria com o anúncio de medidas de austeridade, de medidas de excepção suficientemente capazes de impor os sacrifícios exigidos como se os mercados fossem monstros vorazes ávidos de sangue (e de suor e de lágrimas), afinal não abrandou?

Porque, logo depois do anúncio dessas medidas, os mercados concluíram que elas não só impediam o crescimento como iriam alimentar uma espiral de retracção económica de consequências ainda mais gravosas. Perceberam que elas não resolviam os problemas, que os agravavam!

Coisa que, cegos pelo medo, governantes e elites não vêem. Ou fingem não ver, por falta de coragem para enfrentar a realidade. E preferem continuar a pensar e agir exclusivamente na lógica de alimentar o tal monstro voraz – oferecer-lhe em sacrifício cada vez mais inocentes – ignorando uma realidade circular em que se é preso por ter cão e por não o ter: se não são duros nas medidas não estão a enfrentar eficazmente os problemas; mas se o são estão a liquidar a economia e, com isso, sem qualquer possibilidade de resolver os mesmíssimos problemas.

E assim lá continuamos, nós e uma Europa cada vez mais anã (já não apenas um mas dois anões), a afundar-nos cada vez mais, assobiando para o ar enquanto vamos inventando novas medidas que achamos que acalmam os mercados!

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics