Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

FALTOU UM BOCADINHO ASSIM...

Por Eduardo Louro

 

Faltou um bocadinho assim – lembrando um anúncio a um iogurte que por aí andava. O Real Madrid esteve perto de dar a volta à eliminatória perdida… há uma semana em Dortmund. Faltou um golo. O tal bocadinho assim!

Mais que esse bocadinho assim, faltou Cristiano Ronaldo. Não fosse isso e o bocadinho que faltou não teria faltado.

A equipa de Mourinho fez 15 minutos do outro mundo – o primeiro quarto de hora foi espectacular, de uma intensidade fantástica e, evidentemente, impossível de sustentar por muito mais tempo – e dez fantásticos: os últimos dez minutos do jogo. No primeiro quarto de hora criou quatro oportunidades claras de golo. Mas não fez nenhum. Nos últimos dez minutos fez dois, e bem podia ter feito outro. O tal!

Pelo meio a equipa alemã foi sempre superior, como já havia sido na Alemanha. O que quer dizer que a equipa de Cristiano, Coentrão – ambos em campo – Pepe e Ricardo Carvalho – ambos de fora – cedo esgotou as pilhas. Duraram quinze minutos, porque naqueles últimos dez já não foram pilhas a movimentar a equipa: foi o golo. Foi aquele golo aos 82 minutos que fez ressuscitar a equipa para os dez minutos finais. O outro, logo a seguir, apenas prendeu toda a gente ao jogo até ao apito final do Sr Howard Webb, cinco minutos depois dos 90!

CONSENSO

Por Eduardo Louro

 

Foi uma semana dominada pelo consenso.

O presidente apelou ao consenso, mas parece que pouco mais faz que quebrá-lo. Ou que avisar… Bem avisar!

O governo quer estender para fora o consenso que não existe lá dentro. Nos conselhos de ministros parece que já pouco falta para andar tudo à batatada… Até Vítor Gaspar apela ao consenso, e chama-lhe agora consenso esclarecido, quando o único consenso é correr com ele. Se forem capazes…

Consenso, consenso é no PS. O congresso deste fim-de-semana foi mesmo para mostrar ao Presidente e ao Governo que consenso é com eles. António José Seguro é ele próprio o consenso, eleito com mais de 96% dos votos. Na nova Comissão Política não podia haver mais consenso…

É até consensual que Seguro aplaudiu o discurso de Cavaco. Não aplaudiu de pé, é certo. Foi apenas sentado, o que - é consensual - faz toda a diferença. E não põe em causa o consenso no PS contra o discurso de facção do presidente…

 

ENTRETANTO EM MÁLAGA ALGUÉM SORRIA

Por Eduardo Louro

 

Poderia dizer-se que os panzers alemães entraram por Barcelona e chegaram hoje a Madrid, cilindrando tudo à sua passagem. Ou que, nesta cimeira germano-espanhola das meias-finais da Champions, os alemães vieram de Porche e os espanhóis nos velhinhos SEAT. Ou ainda que os dois primeiros do campeonato alemão humilharam os dois primeiros do super mediático campeonato espanhol... Ou que até no futebol a Alemanha não manda apenas na Europa. Humilha!

Não podemos é dizer que andamos uns anos para trás, e que regressamos ao tempo em que o futebol era um jogo de onze contra onze e que, no fim, ganham os alemães. Porque eles agora não ganham por serem alemães. Ganham porque são muito melhores!

Nem que ninguém estava à espera disto. Não esperaríamos que Bayern e Borussia Dortmund goleassem Barcelona e Real Madrid mas, lá no fundo, todos víamos como mais provável uma final alemã na Champions deste ano!

O 4-1 do Real Madrid de hoje não é tão mau como o 4-0 do Barcelona de ontem. Como afinal o desempenho da equipa de Madrid foi, apesar de tudo, menos mau que o da catalã. Mas é um resultado que fica muito longe da reversibilidade, tão longe quanto o desempenho individual e colectivo dos craques de Madrid está do daqueles rapazes de amarelo e preto.  Muitos deles fabulosos e alguns - como o polaco Lewandovsky que, fabuloso, marcou os quatro golos, e o miúdo alemão Mario Gotze - já de saída. De Dortmund, que não da Alemanha: também no futebol é lá que está o dinheiro!

Posso estar enganado, mas desconfio que em Málaga hoje alguém sorriu: é chileno e chama-se Manuel Pellegrini!

É A PROCURA, ESTÚPIDO!

Por Eduardo Louro

 Governo cria «instituição financeira especializada» para relançar economia

O governo olhou finalmente para a economia. Depois de mais uma maratona de conselho de ministros, lá surgiu mais um pacote de estímulo à economia... Que só olha para um lado: o da oferta!

O governo tem este problema congénito: só consegue olhar para um lado... Nunca consegue olhar para mais que um lado!

Acha que para estimular a economia basta incentivar a oferta. Acha que os empresários, só porque têm acesso a crédito ou IRC mais baixo, vão desatar a investir e a criar postos de trabalho.

Do lado da procura... nada! Nem mesmo estando obrigado ao pagamento do subsídio de férias dos funcionários públicos, que ora é de férias ora de natal...  Sem procura, investir para quê?

Ah! Para exportação. Também me parecia!

Não vale a pena: esta gente não vai lá...

Pág. 1/4

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes:
  • Infinite loop in style or layer

  • Database busy