Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Bom Ano de 2020

Resultado de imagem para bom ano 2020

 

Fecha-se um ano e uma década. Uma década que teve de tudo um pouco. Teve troika, e muitos sacrifícios. Teve incêndios. Teve BES. Teve Sócrates. Teve revolta, muita revolta, ainda assim menos revolta do que se justificaria. Mas também teve momentos de euforia e de exaltação colectiva, alguns únicos e irrepetíveis. 

E teve Quinta Emenda, que deseja a todos os leitores e visitantes um bom Ano de 2020!

 

Que chatice!

Resultado de imagem para chatice

 

Com tudo pacatamente à espera que as horas passem até que cheguem as últimas doze badaladas do ano, e com o Presidente a despachar a comenda do Jorge Jesus para fazer as malas de partida para o Corvo, não se passa nada. É uma chatice... Não fosse o "sempre em pé" Augusto Santos Silva ter dito umas coisas, que não deixam de ser verdade mesmo que as não devesse ter dito - logo ele, pouco senhor da verdade -, e não se passava mesmo nada. 

É verdade que não se passa nada, na mesma. Mas fala-se. E fala muita gente. E levou troco: "as afirmações proferidas pelo ministro dos Negócios Estrangeiros só podem ser entendidas por terem sido ditas por alguém que, vivendo fechado em ambientes palacianos, há muito que não sai à rua para ver como o mundo lá fora gira e avança". O que também não deixa de ser verdade!

A verdade também é uma chatice!

Que lobos!

Resultado de imagem para wolverhampton

 

Que grande equipa construiu Nuno Espírito Santo em Woverhampton!

Com seis portugueses - quatro jovens da nova fornada do futebol português (Diogo J, Rúben Neves, Rúben Vinagre e Pedro Neto), mais um jovem veterano de 33 anos (João Moutinho), e ainda Rui Patrício - no espaço de dois dias a equipa de NES recebeu e venceu o Manchester City, de Guardiola e campeão em título, com uma exibição espectacular e uma não menos notável reviravolta no marcador (0-2 para 3-2), e deslocou-se a Anfield Road para discutir, como nenhuma outra equipa ainda fizera, o jogo com o campeão europeu e do mundo, e indiscutivelmente a melhor equipa mundial da actualidade.

Só uma grande equipa e superiormente orientada consegue fazer aquilo que os Wolves hoje fizeram a este grande Liverpool de Klopp, que alcançou hoje a 18ª vitória nos 19 jogos disputados nesta edição da Premier League (numa série inédita de 18 vitórias e um empate), num jogo em que o resultado foi determinado por duas decisões muito discutíveis do VAR, validando o golo da vitória dos reds, que o árbitro havia considerado irregular, e anulando o golo do empate, que o árbitro havia validado.

No golo do Liverpool, o árbitro viu que a assistência de Lalana para Mané foi feita com o braço. O VAR viu que foi com o ombro. No do Wolverhampton o árbitro não viu qualquer irregularidade, mas o VAR descobriu um fora de jogo daqueles que nem as linhas esclarecem, no início da jogada, quase um minuto antes de Pedro Neto rematar para a baliza.

Mas não é apenas por estas incidências arbitrais que a derrota é de todo injusta para a exibição da equipa de NES. É que, depois de sofrer o golo, aos 42 minutos, reagiu de imediato (o golo foi-lhe anulado três minutos depois) e foi sempre superior de toda a segunda parte: Rui Patrício foi apenas mais um espectador do jogo!  

Dá gosto ver jogar esta equipa. E é excitante ver estes miúdos da "armada portuguesa" a jogar à bola. Como excitante é Traoré, um miúdo que carrega talento, velocidade e repentismo em cima de uma invulgar massa muscular. Em Barcelona deve haver muita gente incrédula com este lobo!

A história que se repete

Resultado de imagem para marcelo no mondego

 

António Costa bem quis convencer o pessoal que não houve cheias nenhumas, ou que o que aconteceu não teve a menor importância. Sobrara apenas um pequeno dano colateral, quando o ministro do Ambiente meteu os pés pelas mãos, e até aconselhou as vítimas a mudarem-se para outro lado, mas nada de grave.

O problema, mais uma vez, foi o Presidente. Marcelo hoje meteu-se a caminho, foi até lá e, literalmente, agitou as águas. As cheias do Baixo Mondego são afinal um problema. E nacional. E elogiou "a resistência" das populações com que o ministro (que ouviu das boas) tinha brincado. Ou, no mínimo, tratado com pouco respeito.

Afinal a história repete-se a cada tragédia...

Intrujices

Resultado de imagem para intrujices

 

No dia a seguir ao Natal as notícias costumam ficar-se pelo rescaldo das festividades e pelos números – sempre dramáticos - da operação da brigada de trânsito da GNR. Desta vez poderiam passar ainda pela mensagem natalícia do primeiro-ministro, exclusivamente dedicada à Saúde, até porque as cheias já aconteceram há muito tempo, e são assunto arrumado pelo ministro do Ambiente, e entrar directamente na intrujice.

Mas como intrujice é coisa que por cá não falta, a notícia do dia foi outra. É revelada por um jornal diário e diz que um banco pagava 2 mil euros por mês à mulher do seu presidente, que não era funcionária nem prestava qualquer serviço ao banco.

O rumor correu muito tempo pelos corredores do banco, e acabou por chegar ao Banco de Portugal. O banqueiro, que primeiro se achava apenas vítima de perseguição e de calúnia anónima, viria a confirmar tal situação numa carta, justificando que esse era o preço a pagar à mulher pela estabilidade emocional que lhe garantia, indispensável ao seu bom desempenho. Que a mulher era o seu fator de equilíbrio, que era professora e abandonara a profissão para se dedicar em exclusivo à tarefa de velar pelo seu equilíbrio emocional, e que tinha colocado essa condição quando tinha aceitado a presidência do banco.

No que toca a remuneração de banqueiros já nada nos surpreende. Estamos habituados a tudo, de remunerações milionárias a pensões pornográficas. E normalmente perdoamos-lhe tudo, mesmo quando acabamos por perceber que afinal somos nós sempre a pagar isso tudo.

Só que a “estória” não acaba aqui. O homem terminou o seu mandato, bem-sucedido certamente, e foi no mês passado reeleito para um segundo. A circunstância motivou uma entrevista a uma estação de rádio e a um jornal durante a qual, questionado sobre a subvenção da mulher, negou tudo. Negou o que afirmara por escrito e até que o tivesse feito,  e garantiu mesmo que a mulher era professora e que nada tinha a ver com o banco. 

Apanhado, não deu mais respostas. E foi então fonte oficial do banco a vir a público garantir que o seu presidente se referira apenas à situação no seu atual mandato.

É isto. São estas as elites que temos… e é nesta intrujice que vamos vivendo. E parece que já nem se pode dizer que a falta de vergonha desta gente é uma vergonha. Mas é mesmo!

 

 

Bons exemplos

Resultado de imagem para bons exemplos

 

É porque há notícias destas que temos que acreditar que nem tudo está perdido. No futebol, como é o caso, como na vida. Nas nossas vidas ...

A notícia anda aí, e corre depressa: num jogo de futebol a contar para o campeonato distrital de juvenis de Castelo Branco, entre os miúdos do Vila Velha de Ródão e do Sporting da Covilhã, a equipa da casa, por razões diversas, que vão  da dificuldade de recrutamento a lesões e gripes, apenas conseguiu apresentar-se com oito jogadores. Então o treinador dos leões da Serra decidiu que a sua equipa alinharia igualmente com oito jogadores.

Tem 27 anos, e acha que mais importante que ganhar é dar bons exemplos. É bom que haja quem pense assim. E é fantástico que haja gente que pensa assim a trabalhar com miúdos, e logo naquilo que eles mais gostam de fazer!

Dantes chamavam-lhe "bons exemplos". Agora já não há. Hoje fala-se de "boas práticas", que não é bem a mesma coisa. Nem pouco mais ou menos! 

 

 

É Natal

Resultado de imagem para fila de supermercado

 

Em cima da passadeira da caixa do supermercado duas garrafas de óleo alimentar, um garrafão de água e dois sacos de pão. No chão ficara o cesto, com mais dois sacos de pão. 

Ao ver que a operadora registara já tudo o que estava à boca da caixa, o cliente que a seguia na fila chamou-lhe a atenção: olhe que ainda está isto no cesto. Segurando na mão um cartão multibanco e uma fita de papel donde não desviava o olhar, a mulher respondeu com um simples "deixe estar, é para ficar". 

Três euros e noventa e seis - ouviu-se da operadora da caixa. A mulher voltou a olhar para a fita de papel: "então tire este saco de pão". Contrariada a funcionária retirou o saco, teclou, e de novo, nom mesmo tom de voz: "três euros e cinquenta e cinco".

A fila, que não parava de crescer, começava a dar sinais de impaciência. Já sem necessidade de voltar a olhar para a tira de papel de poucas linhas, ouve-se: "só pode ser três euros e trinta e três". E de seguida pede à operadora para retirar uma carcaça, ou duas, se fosse preciso, do último dos quatro sacos de pão que havia recolhido para o seu cesto de compras.

A operadora fechou por fim a conta, e a mulher passou o cartão na máquina, introduziu-lhe o código e recolheu as suas compras, enquanto a funcionária explodia: já viu o pão que se estragou por sua causa?

Terceiro da fila, senti uma raiva irreprimível a subir-me pelo corpo acima. Uma raiva  que se tornou insuportável quando me dei conta que acabara  de assistir a tudo aquilo sem sair da fila, e sem me chegar à frente e pedir à funcionária que repusesse todo o pão retirado.

É Natal, dizem... Sim, já senti raiva neste Natal!

Jornalismos*

Resultado de imagem para jornalismo

 

A polémica à volta da Direcção Informação da RTP culminou esta semana na demissão da directora e da respectiva equipa. Tudo começou com a emissão de uma reportagem da equipa do “Sexta às Nove” sobre a exploração de lítio em Montalegre que, pronta desde o início do Verão, apenas acabaria no ar depois das eleições. Para se agravar com uma investigação a supostas irregularidades no Instituto Superior de Comunicação Empresarial (ISCEM) e acabar num confronto entre Maria Flor Pedroso, a directora de Informação, e a jornalista Sandra Felgueiras. Que reabriria a velha "guerra" entre o chamado jornalismo de referência e o sensacionalista, ou de tablóide.

Confesso que me surpreendeu a oportunidade da abertura desta “guerra” – que existe e é saudável -, que começou com perto de centena e meia de jornalistas, maioritariamente pesos-pesados, a subscreverem uma declaração de apoio à até aqui directora de informação da RTP, que alegara neste processo questões de honra. Em resposta surgiram os defensores da jornalista, e das teses do Conselho de Redacção da RTP, que alegavam questões de facto.

E aqui está a razão da minha surpresa: princípios jornalísticos, ética e deontologia, debatem-se. E é todo um debate que faz sentido nesta dialéctica entre duas formas quase antagónicas de fazer jornalismo. Questões de honra, em oposição a questões de facto, é que não.

Abriu-se assim um debate enviesado que rapidamente se deslocou do eixo jornalismo de referência/jornalismo sensacionalista para um outro, que opõe jornalistas institucionais, instalados, de sorriso fácil para o poder, a jornalistas incómodos, capazes até de fazer cair banqueiros e ministros.

E, deste debate, sabemos bem quem sai a ganhar.

 

* A minha crónica de hoje na Cister FM

O regresso da lengalenga

Resultado de imagem para carlos césar ps partidos de esquerda a viabilizar o orçamento

 

As contas para a aprovação do Orçamento estão há muito feitas. Depois de, por soberba ou por sobranceria, ter descartado a geringonça, o PS passou a olhar à volta à espera de sinais de abertura ao cortejo, e logo o PSD Madeira se apressou a piscar o olho. 

O dote exigido já não era pequeno, mas tudo aponta agora para que a parada suba. Ontem Mário Centeno foi ao Funchal, certamente com a ideia de acertar detalhes. Só que chegou tão atrasado que o Albuquerque mandou-o dar uma volta, e o flirt virou problema latente.  E lá volta o PS à lengalenga de que ninguém compreenderia que os partidos de esquerda não viabilizassem o Orçamento. Uma lengalenga que, da boca de Carlos César, sai a cheirar ainda mais a chantagem. 

O PS não quis assumir responsabilidades em acordos, mas quer impô-las aos outros como se tivessem sido acordadas. É um bocado como aqueles - ou aquelas - mais dados a aventuras extra-conjugais que, quando as coisas correm mal, lá voltam a casa à espera que tudo esteja no lugar.

 

 

Pág. 1/4

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics