Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

TOUR DE FRANCE III

Por Eduardo Louro

 

A segunda semana do Tour começou a definir as coisas, com o contra-relógio de segunda-feira e com as montanhas dos Alpes, a que hoje os ciclistas disseram adeus e até para o ano. É certo que ainda faltam os Pirenéus, e o longo contra-relógio do penúltimo dia da competição, mas os contornos da história desta pré-centenária edição do Tour estão já bem definidos.

Bradley Wiggins e Chris Froome – que já vencera a primeira etapa de montanha, no sábado -, ingleses e companheiros de equipa na Sky, dominaram o contra-relógio – consolidando então Wiggins a amarela que retirara a Cancellara, como aqui se previra, na mesma etapa de sábado – e, depois, chegava-se aos Alpes. Onde, para além de um duelo entre Cadel Evans e o camisola amarela, se esperavam grandes espectáculos de ciclismo.

A verdade é que, lá chegados, sentimos imensas saudades de Lance Amstrong e lamentamos as ausências de Andy Schleck e Alberto Contador. Os momentos de espectáculo foram raros, e neles não vimos nem Evans nem Wiggins: o primeiro porque não pode e o segundo porque, podendo ou não, não precisa. Conta com a equipa mais poderosa da prova e nem precisa de se incomodar, até porque o seu maior adversário é o seu compatriota e colega de equipa: Chris Froome. Que, tendo sido o único a estar ao seu nível no contra-relógio, provou estar bem melhor a trepar montanhas. Na etapa de ontem – a etapa rainha dos Alpes, com duas montanhas de categoria especial (Col de la Madeleine e Col de la Croix de Fer), uma de segunda categoria e outra de primeira, precisamente na meta – Froome, depois de rebocar o líder da equipa para anular um ataque do italiano Vicenzo Nibaldi (terceiro da classificação geral), fez-se de distraído e, alcançados os fugitivos, manteve o ritmo. Não abrandou e deixou Wiggins para trás, sendo logo mandado parar. As coisas são como são!

Frank Shleck, derrotado logo no contra-relógio, também não conseguiu justificar a sua fama de grande trepador, percebendo-se que afinal o irmão, em vez de o libertar, faz-lhe falta. E o espectáculo nos Alpes acabou por ser dado pela equipa da Sky – pela forma como controla e comanda a corrida, pelas soluções que tem para sucessivamente impor ritmos e cadências que destroçam os principais adversários – e por uns jovens que vão aparecendo e prometendo muito para os próximos anos: dois franceses – Pierre Rolland, vencedor de ontem e do prémio da juventude do ano passado, com 25 anos e Thibaut Pinot (na foto), o segundo na etapa (e vencedor no domingo) e o mais jovem em prova, com 22 anos – e o americano Van Garderen, líder da classificação da juventude e colega de equipa de Evans que, para o rebocar e minimizar as consequências do estoiro do australiano, acabou impedido de maiores feitos.

Claro que anda por lá a coragem – e a capacidade - do italiano Nibaldi e do belga Van den Broeck. Mas que nada podem contra o poderio da Sky: vão-se aguentando, o que já é para poucos!

Como as coisas estão a correr só uma catástrofe evitará que o vencedor deste Tour seja um inglês. Pela primeira vez na História!

Rui Costa – o melhor português, nem se tem dado por Sérgio Paulinho, que anda lá pelos lugares incógnitos do meio da classificação – fez um excelente contra-relógio, que o deixou à porta do top ten. Mas apenas se aguentou no primeiro dia de montanha, ontem perdeu perto de quinze minutos e deu um grande trambolhão na classificação geral. E um lugar entre os dez primeiros, que estava ali tão perto, não passa agora de uma miragem! 

Ainda entraria na primeira fuga da etapa de hoje, na despedida dos Alpes – a maior mas que praticamente não teve história – mas sem sucesso. 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics