Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

RIGOR DAS PALAVRAS E SWAPS

Convidado: Luís Fialho de Almeida

 

Na generalidade das situações, o discurso político é apresentado: redondo, inócuo, inatacável, ardiloso, evasivo, determinado e convincente, politicamente correcto, empolgante para apelar às palmas nos comícios. Deve parecer sábio o que não tem fundamento, parecer sensato o irresponsável, parecer de causa pública, social ou de estado o que é meramente de interesse muito restrito. Recorre-se a conceitos de sentido amplo e elástico que sirvam para tudo, como o canivete suíço, utilizando palavras sempre disponíveis, que se ajustem às conveniências e não comprometam, porque os valores e o sentido que encerram não são mensuráveis.

Consciência, moral, ética, verdade, mentira, seriedade, rigor, sentido de estado, competência, mérito, responsabilidade, equidade, justiça, honestidade, corrupção ou gestão criativa e, mais recentemente, o irrevogável de Paulo Portas, são exemplos, entre muitos outros. Utilizam-se as virtudes dos conceitos para encobrir o condenável ou para representar o seu contrário. Ao observador, de acordo com o seu carácter e matriz educacional, compete avaliar o valor ou o sentido das palavras quando utilizadas pelo canalha ou pelo virtuoso,

No discurso interessa juntar às palavras credíveis, o tom convincente, sério, preciso, claro e sereno, porque não haverá polígrafos para avaliar do rigor dos conceitos através de alguma métrica. A métrica é apenas gestual, fica na postura. Veja-se um discurso televisivo, mas retire-se o som.

Talvez se possa falar de métrica nas folhas Excel dos tecnocratas das finanças, onde os números se alinham sem honra nem glória e nos tem levado à desgraça. Alguns dos conceitos que exemplifiquei não são finitos como os números, tem dimensão humana e espiritual, mas são banalizados e canibalizados pela classe politica.

Sobre o rigor do conceito e da palavra dada, apetece recorrer ao saber dos sábios - sábios de saber feito pelo tempo, conhecimento e inteligência, mesmo sem canudo académico, mas de ideia precisa e palavra curta.

Num encontro casual de rua, um homem que há muito não via cumprimenta-me calorosamente, recordando a minha meninice quando carregava comigo no colo. Fez-me uma breve síntese do estado da sua família, do presente e como vê o futuro incerto e sombrio. Diz-se desiludido com o comportamento daqueles que governam em nosso nome, desbaratando recursos e valores, desacreditando a democracia pela fadiga que trazem ao sistema partidário. Sente-se cansado das notícias do estado da nação e dos discursos que lhe invadem a solidão da recente viuvez, deixando-lhe amargura em vez de companhia grata.

Exemplificou-me com a constante austeridade a oprimir os mais indefesos - no seu caso, idoso e reformado - para que os mais afortunados não baixem a sua taxa de acumulação de riqueza. Reconhece, como ganho da democracia, a melhor repartição dos benefícios sociais, mas que agora se perde com a socialização dos prejuízos do sistema financeiro, centrado na banca especulativa e fraudulenta, lesiva dos interesses daqueles que nela confiam. Mas aos bancos o Estado deita mão, mesmo deixando falir milhares de empresas e retirando aos indefesos que, assim, pagam os devaneios financeiros aos quais os governantes se ligam - “A tirania sobre os indefesos é um acto de cobardia” – disse.

Sobre a actual polémica dos swaps, de quem mente e não mente, do sentido da verdade e da mentira, da seriedade e responsabilidade nos cargos da governação ao contratar seguros de risco de crédito em condições danosas para o interesse público, o meu interlocutor - homem do campo com 86 anos e muitas rugas lavradas pelas intempéries da vida e a enorme sabedoria que Saramago reconhecia ao avô ribatejano que não sabia ler nem escrever - rematava “no passado, os HOMENS agarravam-se pela palavra dada, hoje, esta gente agarra-se pelos cornos!”- caso para dizer, Swaps para quê?

Falou ainda de outras preocupações que são comuns a todos nós e, a terminar, agradeceu a minha atenção, dizendo - “com a minha idade a vida já nos ensinou muito, só que ninguém nos pergunta nada, especialmente esta rapaziada iluminada que nos governa e dos velhos só quer o voto”

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics