Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Que descaramento!

Por Eduardo Louro

 

O país vive um embuste sem paralelo na sua História. A mentira e a falta de vergonha instalaram-se há muito em Portugal e não tencionam deixar-nos.

É um presidente que está calado quando deve falar e que, quando fala, diz despudoradamente tudo e o seu contrário. É um primeiro-ministro que sabe que não há como fugir de novo resgate mas que o usa como ameaça a torto e a direito. Fosse na campanha eleitoral autárquica, como forma de chantagear e amedrontar o eleitorado, seja logo depois para pressionar o Tribunal Constitucional e todo o país. É um vice primeiro-ministro sem ponta de vergonha e de sentido de responsabilidade, de quem se espera o célebre Relatório sobre a reforma do Estado desde Fevereiro. Que traça linhas vermelhas que apaga tão rapidamente quanto torna reversível o que era irreversível. Tão rapidamente quanto é desmentido tudo o que anuncia, tão rapidamente quanto se tornam pesadelos as boas notícias que faz questão de dar.

É o desplante com que se criam e introduzem factos novos como se de realidades dogmáticas se tratasse. Como se fossem coisas há muito absorvidas e consensualizadas na sociedade portuguesa, quando não passam ou de verdades criminosamente escondidas ou de mentiras não menos criminosamente arquitectadas.

Neste fim-de-semana, antes de anunciados os negados novos cortes em pensões, o país ficou a saber que estará sujeito ao controlo e à supervisão dos credores enquanto não forem pagos 2/3 da dívida. Mas isto foi dito en passant, uma, duas, três vezes, como qualquer coisa que estaríamos fartos de saber. Pior: como qualquer coisa normal, como se pagar 2/3 da dívida seja uma coisa que esteja nas nossas mãos ali ao virar da esquina, qualquer coisa objectivável para os próximos cinco ou dez anos.

Para justificar a tributação das pensões de sobrevivência, ouvimos o ministro Pedro Mota Soares, com o maior dos desplantes, perguntar aos jornalistas que o rodeavam se achavam normal que quem tem uma pensão de 5 mil euros acumule com outra idêntica do falecido cônjuge…

É preciso ter lata. Lata para o embuste e a aldrabice, mas mais: lata para não terem vergonha de brincar connosco desta maneira.

Que descaramento!

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics