Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Futebolês #72 LIMPAR

Por Eduardo Louro

     

Limpar é, em futebolês, um verbo – bem como os adjectivos e os substantivos correlacionados - de mixed feelings. Presta-se a tudo e, muitas vezes, ao seu contrário! Nem sempre é jogo limpo!

Limpar a jogada é cortá-la, acabar com ela. Um corte que pode ser, também ele, limpo. Ou não, pode também ser um corte faltoso – não se diz sujo, por muito sujos que possam ter sido os processos usados!

Limpa-se a jogada com um corte, mesmo que não seja limpo. Com um corte faltoso – sujo – o que se faz é sujar a jogada, nunca limpá-la. Interromper uma jogada com falta é jogo sujo, mas o futebolês, parcial como é, acha que o jogo sujo pode limpar uma jogada.

limpar bem a jogada é mesmo limpo: aqui não há corte em falta, nem mesmo a falta cirúrgica. Limpar bem a jogada já reporta para um feeling de elegância, num corte ou numa antecipação com saída a jogar, de preferência de cabeça levantada, pronto a iniciar o ataque.

Há entradas limpas, como todas deveriam ser, mas também se limpam cartões. Normalmente sujando outras coisas... E há quem não consiga limpar a a imagem: Pinto da Costa, por exemplo, não consegue limpar uma certa imagem!

E conforme há mar e mar há ganhar e ganhar! Há ganhar limpo e ganhar sujo. Ganhar bem e ganhar mal.

Ganhar sujo é sempre ganhar mal, não há volta a dar-lhe. Mas já ganhar bem nem sempre é ganhar limpo. Nem mesmo ganhar limpo coincidirá sempre com ganhar bem!

Vamos por partes: uma equipa pode ganhar limpo sem ganhar bem. Eventualmente de forma fortuita e, seguramente, de forma afortunada. Com a sorte do jogo mas sem nada a dizer. E pode ganhar bem – aquilo que chamamos de justiça no resultado, que os entendidos teimam em negar, agarrando-se ao pragmático e politicamente correcto princípio de que o mérito de ganhar se esgota em marcar mais golos – ter jogado mais e melhor e, por isso, merecer claramente ganhar, mas lograr consegui-lo de forma irregular. Não ganhou limpo, porque decorreu do favor ou do erro do árbitro, mas ganhou bem. Às vezes diz-se que é escrever direito por linhas tortas!

A mim parece-me que em linhas tortas não é possível escrever direito. Dizer isso é já limpar, agora com um feeling de branqueamento. Sim, porque limpar não tem que ser obrigatoriamente branquear!

Há por cá muita gente especialista no branqueamento: sem qualquer pejo em jogar sujo sabendo que, depois, se há-de apresentar limpinha!

E há por cá gente que não só assiste calmamente a isso como ainda tudo faz para ajudar à limpeza. Estou a lembrar-me da estrutura dirigente do Benfica, que não se cansa de fazer asneiras que limpam muitas das coisas sujas dos outros. Apagam a luz e ligam a água e não percebem que, com isso, limparam anos e anos de coisas sujas e feias: pedradas, bolas de golfe, guardas abéis, agressões, pivetes nos balneários, etc., etc.….

Os dirigentes do Porto – gente que sabe da poda e não brinca em serviço - apresentaram esta semana um vídeo com os erros (que lhe interessavam, evidentemente) da arbitragem de Duarte Gomes no (último) Benfica – Porto do título e da Luz sem luz. Uma arbitragem lastimosa, com prejuízos para ambas as partes, mas que os dirigentes do Benfica decidiram desatar a defender, sem que ninguém tenha percebido porquê. Claro que, ao fazê-lo em vez de responder com os erros que lhe foram desfavoráveis, limpam todas as muitas arbitragens que beneficiaram o Porto. Quase que até limpam o apito dourado que, como se sabe, cobriu apenas uma pequena parte dos anos – décadas, mesmo – de arbitragens sujas de Calheiros, Martins dos Santos, Guímaros e sei lá mais quantos… E nem sequer beliscaram os objectivos da iniciativa portista: condicionar a arbitragem do decisivo jogo da meia-final da Taça de Portugal que se joga na próxima quarta-feira! Permitiram-lhes, mas pior ainda, legitimaram-lhes mais uma vez o jogo sujo.

Limpinho foi o apuramento das três equipas portuguesas para as meias-finais da Liga Europa. Sem espinhas, como também se diz! E com a garantia de um finalista português, com a forte probabilidade – dada a competência e capacidade do Porto – de uma final lusa. Com três jogos em perspectiva – dois na meia-final e um na final - entre equipas portuguesas sob a governação da UEFA. O que, parece-me, vai soar a estranho: três jogos sem bolas de golfe, isqueiros, confusões e agressões e com arbitragens insuspeitas e ao nível desta fase da prova.

Jogo limpo, como sempre deve ser! E se pudessem ficar a servir de exemplo…

 

 

 

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics