Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

FUTEBOLÊS #75 SORTE DO JOGO

Eduardo Louro

 

Hoje não vale a pena perdermo-nos em preliminares. Vamos directos ao assunto!

O Braga, com a sorte do jogo, é certo, afastou o Benfica da final da Liga Europa e deixou o s benfiquistas, não à beira de um ataque de nervos, mas na mais profunda depressão. Eu que o diga!

Falo por mim mas também pelo que tive oportunidade de confirmar com todos os benfiquistas que encontrei: esta derrota doeu a sério, fez mossa e deixa marcas! Como o presidente Luís Filipe Vieira (LFV) bem percebeu de imediato. Não percebemos se Rui Costa o percebeu e percebemos que Jorge Jesus não o percebeu de todo. Se o tivesse percebido as primeiras palavras dele teriam sido as mesmas de LFV: “peço desculpa”!

Esta derrota doeu de mais porque era a última esperança de ganhar alguma coisa de jeito nesta época. Porque os benfiquistas se agarraram a essa esperança para esconder a frustração de uma sensação de regresso ao passado. Mas doeu ainda mais porque os benfiquistas acordaram de uma mentira: já não lhes bastava a mentira do governo e do seu primeiro-ministro; agora era o seu porto de abrigo, a âncora dos seus equilíbrios psico-sociais, a traí-los e a abandoná-los. Agora mesmo, quando o estrangeiro veio tomar conta de nós e passar-nos não sei quantos atestados de incompetência! Agora mesmo, quando vemos sondagens que nos dizem que mentir compensa!

O Jesus resume tudo isto a uma questão de azar: o Benfica teve azar na primeira mão, na Luz, onde o Braga teve muita sorte. Azar e a sorte que se repetiriam no jogo de Braga.

É evidente que há circunstâncias de sorte e azar. A sorte do jogo, que o Braga teve na Luz ao marcar o golo do empate num lance inexplicável e logo a seguir ao golo do Benfica. Que voltou a ter em Braga no momento e nas circunstâncias em que fez o golo que valeu o apuramento. Que o Porto teve no Dragão na semana passada, como aqui se deu conta, e que voltou a ter ontem quando faz o 1-1, que arrumou com qualquer sombra de dúvida sobre a eliminatória, num remate que, indo para fora, encontraria um adversário para se encaminhar para a baliza. Mas serão sempre circunstâncias. O resto é feito pela tal crença, de que aqui também se falou a semana passada, como o Porto e o Braga bem ilustram A sorte é uma coisa que dá muito trabalho, como se diz, se repete e é verdade!

Toda a gente percebeu que, nos jogos que decidiram o campeonato e a taça, os jogadores do Porto, ao contrário dos do Benfica, entraram cheios de confiança, determinados e disponíveis para discutir todos e cada um dos lances. Em Braga viu-se exactamente a mesma coisa: enquanto os jogadores do Braga respiravam confiança – ficou, apesar do azar invocado por Jesus, a sensação clara que se precisassem de ganhar por dois golos tê-los-iam procurado e marcado – os do Benfica tremiam, desconfiavam um dos outros e, claramente, não corriam!

E isto não tem a ver com sorte ou azar. Tem a ver com competência!

Competência que faltou na construção do plantel, com um plantel desequilibrado, com demasiadas posições sem uma alternativa sequer. Na gestão do plantel - com jogadores esquecidos e ostracizados que, assim, não podem ter nem condição física nem psicológica – desvalorizando qualitativa e financeiramente uma enorme quantidade de jogadores. Desvalorização que se estendeu aos chamados titulares, onde David Luiz, já cedido, Fábio Coentrão ou Cardozo valem hoje - o primeiro já valeu - bem menos que no fim da época passada. Na gestão da equipa, praticamente reduzida onze jogadores, sem qualquer rotatividade, que literalmente rebentou no último terço da época. Que, mesmo poupada - com uma segunda equipa nos últimos quatro ou cinco jogos do campeonato a perder jogos e pontos com os últimos classificados – chegaria de rastos a esta eliminatória com o Braga.

Basta ouvir Jorge Jesus para percebermos que dificilmente ele terá todas as competências que hoje são requeridas a um treinador de topo: um treinador que só sabe de futebol nem de futebol sabe! Mas, mesmo que ele as tivesse, bastaria ouvi-lo para percebermos que nunca as conseguiria comunicar… E basta ainda ouvi-lo – mais pavão que os pavões de S. Bento - para compreender as suas competências de team building: não é por acaso que não tem no seu currículo duas épocas consecutivas de sucesso, seja isso lá o que, no seu caso, for. Competência que faltou à administração na renegociação do contrato de Jesus, no caso Roberto – nos valores inacreditáveis do negócio e na permissividade no processo de desestabilização que introduziu na equipa -, ou na responsabilização de toda a estrutura pela irregularidade da equipa e pela desvalorização óbvia de todos os jogadores.

Ver imagem em tamanho realCompetência que faltou na definição de funções de Rui Costa: ninguém sabe o que faz nem quais são as suas responsabilidades. Sabemos apenas que, para adquirir competências, não basta ter sido um grande jogador, ter o Benfica no coração, e estar no coração dos benfiquistas!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics