Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

OS VENCEDORES

Por Eduardo Louro

Tinha prometido que falaria dos vencedores destas eleições começando precisamente por este dado esmagador: 80% dos eleitores portugueses que votaram fizeram-no nos partidos que se comprometeram com o memorando da troika internacional.

Este é, para mim, um dos resultados mais relevantes destas eleições. Pelo significado político que já tem e pelo que poderá vir a ter ao longo do desgastante e difícil ciclo que se aproxima e quando a rua pretender falar mais alto que o parlamento. E porque, quando tanto se fala de esgotamento do regime e mesmo no descrédito da classe política, o eleitorado votou maciçamente … no regime.

Este dado, conjugado com a consistente e coerente maioria resultante das eleições - afinal o mais relevante de todos –, faz do Presidente da República também vencedor destas eleições. A decisão de, perante o pedido de demissão do primeiro-ministro, dissolver a Assembleia da República e convocar eleições tinha os seus fantasmas. Bem agitados de resto durante toda a campanha, com aquela incompreensível persistência na teoria do empate técnico das sondagens.

Sem que neste momento discuta quem - nem como – a verdade é que logo que arrancou a pré-campanha se começou a querer fazer esquecer que o país vivia em crise política latente desde as eleições de 2009, suspenso de uma antecipação de eleições que tinha tanto de inevitável quanto de arma de ameaça política, que o governo - bem se percebeu - nunca descurou. Uma crise que há muito o país ansiava por resolver precisamente através de eleições. Por isso o Presidente é também um ganhador destas eleições: contra quem apostou em fazer crer que as eleições nada mudariam!

O CDS e Paulo Portas são também vencedores. Só por brincadeira é que, por ficar ligeiramente aquém dos objectivos que, naquela ânsia de crescer – ou de inchar, como aqui referi –, foram sendo lançados (a pouco mais de 1 ponto dos 14% dos votos e, com o mesmo número de deputados que o Bloco e o PC juntos, bem perto do objectivo de os superar), ou por aquela coisa disparatada de se autoproclamar candidato a primeiro-ministro (ainda por cima com a péssima encenação da Teresa Caeiro), alguém poderá dizer o contrário. Mas estas eram umas eleições de que o CDS  só poseria sair a ganhar, como bem claro ficou desde sempre. Para Paulo Portas a campanha serviu apenas para tentar maximizar os proveitos!

E - os últimos são os primeiros – o PSD e em especial Pedro Passos Coelho! Que tem muito mérito numa vitória em toda a linha e que não era tão fácil quanto se quis fazer crer. Basta notar que nunca antes um primeiro-ministro eleito havia perdido eleições e que esta foi a vitória que, pela primeira vez, concretiza o velho (de mais de 30 anos) sonho de Francisco Sá Carneiro e talvez o sonho da sua vida: uma maioria, um governo e um presidente. Que tinha ajudado Mário Soares a criar o mito de que os portugueses não gostavam de pôr os ovos todos no mesmo cesto!

O PSD mudou de estratégia e mudou de discurso. E Pedro Passos Coelho fez o resto, com uma imagem de seriedade e de transparência mostrou-se-nos como um de nós: um homem normal, com uma vida normal, sem sofismas nem sofisticações, afável e educado. Sem nada na manga!

Na sua vitória houve hino nacional e no seu discurso há uma frase que não vamos esquecer: “… o meu compromisso com Portugal é de transparência total…”!

Quero acreditar que Portugal também saiu vencedor destas eleições. Não só porque permitiram ao país livrar-se de uma personalidade que se tinha já tornado num dos seus principais problemas, mas porque estão criadas condições para a estabilidade governativa, assim os dois partidos tenham a inteligência de se concentrarem no essencial. O que nem sequer é exigir de mais, porque o memorando da troika (se calhar teremos de lhe passar a chamar triunvirato, como Portas gosta mais) favorece entendimentos: está lá tudo o que estamos obrigados a fazer, não há muito para discutir.

Claro que o governo irá ser impopular - não é possível outra coisa - e que a rua se vai agitar. Umas vezes a propósito, justificadamente, e outras a completo despropósito. Mas há condições para que tenha a força política requerida para estas alturas, com um apoio largamente maioritário no parlamento e com uma oposição - a que se espera agora da nova liderança do PS que aí vier – comprometida com a missão patriótica a que este governo está obrigado.

Abre-se agora o processo negocial entre PSD e CDS. Seria bom começar por lhes recordar que não temos grandes tradições de sucesso nas coligações. Nunca em Portugal uma coligação cumpriu a legislatura. Mas também nunca um primeiro-ministro em exercício tinha perdido eleições! Acreditemos que estamos em tempos de mudança!

 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics