Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

RAZÃO ATENDÍVEL

Por Eduardo Louro

 

 

Nunca me parece bem que, quando alguém toma a iniciativa de apresentar uma proposta, seja qual for o enquadramento, venha outro alguém dizer que não é o timing certo. Normalmente quando não há capacidade crítica para contrapor vaie-se por aí: que não é oportuno! Sugere-se que a coisa até nem está mal pensada mas não é para agora! Está fora de tempo e estar fora de tempo é estar mal sem que se diga que está mal. É estar errado!

A verdade é que é mesmo o que me parece acontecer com a proposta de revisão constitucional que o PSD lançou no país.

E aqui abriria um parêntese para referir que também tenho alguma dificuldade em aceitá-la como proposta do PSD. Na verdade tenho alguma dificuldade em percepcioná-la assim no meio da enorme confusão que foi a sua divulgação. À revelia da direcção do partido, que mais não tem feito que correr atrás do prejuízo, também ela meio surpreendida com a proposta e com o seu timing e a ter que explicar, muitas vezes, uma coisa e o seu contrário. E com claras e sucessivas manifestações de divisão partidária vindas de todos os lados, incluído a sagrada Madeira. Portanto: proposta do PSD mas com as devidas reservas!

Mesmo não gostando de invocar essa razão, como atrás manifestei, tenho imensa dificuldade em encontrar uma razão atendível – para utilizar aquela que, seguramente, será a mais discutível expressão utilizada na proposta – para, quando o país vive o drama da ingovernabilidade e da incompetência governativa, transformar a revisão constitucional na grande questão nacional do momento.

Não faz qualquer sentido e parece-me mesmo que foi a maior maldade que alguém do PSD poderia fazer ao seu presidente. Não é apenas por o ter obrigado a canalizar todas as energias para uma questão que, na actual conjuntura, é absolutamente extemporânea para a generalidade dos portugueses. É que foi uma boa tábua lançada ao governo – e é ver como saltou todo o governo, à excepção do ministro das Obras Públicas, que anda mesmo desaparecido – que pôde dedicar-se em exclusivo à defesa do Estado Social e apresentar-se como o único arauto da defesa dos direitos dos trabalhadores, do Serviço Nacional de Saúde e do Ensino Público como grande promotor da igualdade de oportunidades.

Quando a notícia absolutamente incontornável é a do agravamento do défice na execução orçamental do primeiro semestre. Quando esse agravamento persiste apesar da receita fiscal ter superado a orçamentada. Quando esse agravamento mostra que o monstro continua a crescer desmedidamente, apesar de sabermos que continuam os processos de desorçamentação. Quando aos portugueses todos os sacrifícios são impostos e o Estado continua alegremente a esbanjar, como o episódio dos carros que aqui referi há uns dias ilustra, não se encontra uma razão atendível para transformar a revisão da constituição na grande questão nacional deste tempo!

 

1 comentário

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics