Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

É de Trump!

Resultado de imagem para trump armar os professores

 

 

Quem pensasse o contrário estaria enganado. Trump está preocupado com os tiroteios nas escolas americanas. Bom, se calhar não são os tiroteios que o preocupam... 

Já tinha sido claro quando, na reacção ao assassínio de 17 pessoas naquela escola da Florida, na semana passada, negou o problema do acesso a armas, para enfatizar o do perfil psicológico do assassino. Agora, com a sua proposta para resolver o problema, fecha o ciclo. Isto resolve-se - aponta Trump - armando os professores.

Professores devidamente armados defendem-se a si próprios, e defendem a escola. É bom para eles. E para os alunos. E para a escola. E é acima de tudo bom  para o negócio! 

É de Trump. Sem dúvida!

Terrorismo na América

Resultado de imagem para tiroteio florida

 

Uma escola na Florida foi ontem palco de mais uma inexplicável chacina (17 mortos), perpetrada por um rapaz de 19 anos na posse de, pelo menos, uma espingarda semi-automática.

Estamos habituados a notícias de tiroteios em escolas nos Estados Unidos. Tanto que nem damos conta da dimensão da tragédia. Este foi o 18º tiroteio numa escola deste ano, que nem mês e meio ainda leva. Vale a pena comparar: nos últimos cinco anos registaram-se trezentos, à média de 60 por ano, de 5 por mês ou de 1 por semana!

É esta a face mais visível da miserável política americana subjugada ao lobby das armas. É este o mais tenebroso terrorismo instalado na América!

 

Efeméride do dia

 

Imagem relacionada

 

Passa hoje um ano sobre a eleição de Donald Trump como 45º presidente dos Estados Unidos da América. Faz hoje um ano, aconteceu o que ninguém julgaria possível acontecer. NInguém imaginava que um tipo bizarro e embecil pudesse rapidamente passar de superempresário de falências a candidato republicano. Daí a presidente da ainda maior potência mundial, só em ficção... Só no mundo de Homer Simpson!

Mas às vezes o impossível acontece, e Trump lá está. E em 10 meses de presidência, não se limitou a admitir e despedir pessoas ou a dizer diariamente disparates no twitter. Teve ainda o imenso mérito de fazer de Goerge W Bush um presidente  (quase) inteligente, (quase) respeitável e (quase) moderno e progressista!

Decorar não é agir!

Resultado de imagem para onu antonio guterres

 

Assinalam-se hoje os 100 dias de Guterres como Secretário Geral da ONU. Ontem viram-se algumas críticas à sua (in)acção, em especial da parte de uma directora da Amnistia Internacional, que falou mesmo de "completa inacção". 

Ontem, também, reunidos em Madrid, os primeiros ministros dos sete países europeus do Sul, entre os quais naturalmente António Costa, apressaram-se a revelar "compreensão" pelo ataque americano à Síria. "Compreensão" complementada pela advertência que "não pode haver solução militar para o conflito".

Se "compreender" um ataque militar num "conflito que não pode ter solução militar", é obra; "compreender" o brusco e unilateral ataque americano, sem "compreender" os interesses e as motivações pessoais de Trump, não o é menos. E vem isto de pequenos países do marginalizado sul da Europa, bem longe de serem potências instaladas, que ainda há semanas, o melhor que tinham para dizer de Trump era falar de um burgesso mentalmente instável.

Por isso, e voltando ao princípio, pode ser fácil acusar Guterres de completa inacção. Mas a verdade é que, como estávamos fartos de saber, ninguém liga nenhuma ao lugar que ocupa. É uma figura decorativa que às vezes dá jeito ter à mão. Mais nada, e sem novidade nenhuma. Decorar não é agir!

Grandeza e América

 

Imagem relacionada

 

Trump diz querer fazer a América great again. Again? 

A América continua grande na sua grandeza, como esta noite tivemos oportunidade de voltar a confirmar.

Repare-se que, parando por uma final final de uma competição desportiva, consegue fazer passar a ideia que, com ela, o mundo pára também. Que consegue fazer isso à volta de um jogo que mais ninguém percebe, e a que mais ninguém acha piada nehuma. E que ainda conseguem fazer do intervalo do dito o mais importante de tudo... 

O resultado, quem ganhou ou quem perdeu o jogo - que pela primeira vez obrigou a prolongamento, onde os Patriots acabaram por ganhar aos Falcons (até nos nomes há América) - não interessa a ninguém. O que importa é quais foram os cinco melhores anúncios do intervalo. E quanto custaram.  E, desta vez, se a Lady Gaga afrontou ou não o Sr Trump...

Se isto não é grandeza, é de certeza América!

Traição à América

Procuradora-geral americana pede ao Departamento de Justiça para não apoiar decreto de Trump

 

 "You are fired" -  a expressão que Trump não deixou em casa, ou na sua Torre, e levou para a Casa Branca. Já não há dúvida, Trump comporta-se na presidência da América como na administração das suas empresas. Quem se lhe opuser é acusado de anti-americanismo, e demitido. Para já. Lá mais para a frente, mais se verá certamente.

Não é nada de novo. Pensavamos era que isto se passava apenas na América Latina, nunca ninguém achou possível que pudesse acontecer no farol da liberdade... Aos Estados Unidos da América acaba de chegar o maior crime da sua História: o da traição à América!

No sentido obviamente dual.

Sintomas

Resultado de imagem para democracia americana

 

Só agora terminou a contagem dos votos dos americanos nas eleições presidenciais. E com algumas novidades. E até algumas surpresas!

Não é novidade que Hillary Clinton foi mais votada que o presidente eleito. Soube-se logo na própria noite das eleições. O que é novidade é a expressão dessa diferença, a favor da candidata derrotada. Mais que novidade, é até surpresa tenha obtido mais dois milhões de votos que Trump.

Mesmo ainda antes de conhecida em toda a sua extensão, esta circunstância tinha já suscitado uma petição dirigida ao colégio eleitoral, assinada de imediato por milhões de americanos, para que os grandes eleitores não respeitassem o mandato do Estado que representam, mas o do voto popular. Para que, no próximo dia 19 de Dezembro votassem no candidato efectivamente mais votado, o que a Constituição americana prevê mediante o pagamento de uma multa. Que os subscritores se dispunham a pagar…

Agora, um grupo de reputados especialistas em informática emitiu um relatório que sugere que o voto electrónico em três estados que deram a vitória a Trump teria sido manipulado, conclusão a que chegaram depois de análise estatística aos votos contados através de sistemas informáticos e aos contados por métodos tradicionais. E entregou-o à equipa de Hillary Clinton com a recomendação de impugnar os resultados e de requerer a recontagem dos votos.

São já muitos, e muito visíveis, os sintomas de que a maior democracia do mundo está doente. Bem sei que há gente que gosta de dizer que há quem diagnostique estas doenças sempre que os resultados não convergem com as suas opções. Mas se isso não for reduzir os problemas a uma expressão tão simples que os desvirtua, é apenas retórica descartável!

Uma boa notícia

 

Não sei se, como Obama garante, os Estados Unidos terão por tão certo que o Irão em circunstância alguma venha a usar a bomba atómica. Mas sei, sem qualquer dúvida que, nos tempos que correm nas economias ocidentais, um mercado de 80 milhões de consumidores, ainda por cima alimentado a petróleo, não se pode desprezar. Por muito que sauditas e israelitas se irritem com isso...

Mas, por mera hipocrisia da política externa, por pragamatismo da economia política ou por absoluta convicção, esta é sempre uma boa notícia. A abertura de regimes como o do Irão nunca se fará sem espaço no concerto internacional. E quanto mais fechados sobre si próprios mais perigosos se tornam. E, com armas nucleares, mais ainda... 

 

Há coisas que nunca mudam...

Imagem relacionada

 

O último discurso do Estado da União, de Obama, era aguardado com grande expectativa, muita dela alimentada pelo próprio, que o promoveu pessoalmente nas televisões como se de um espectáculo se tratasse. 

Falou de muita coisa: da superpotência mundial que o país é, de política interna, de política externa, do Daesh, de Cuba, de muçulmanos, de economia... E de Guantanamo, que prometeu fechar.

Exactamente o que estão a pensar: Obama entrou na Casa Branca a prometer fechar a prisão que envergonha o país e, dez anos depois, a dez meses de de lá sair, continua a prometer fechá-la.

A política tem coisas que nunca mudam. Onde quer que seja. Por quem quer que seja!

Trump(a)

Imagem relacionada

 

É verdade que, de Donald Trump, o candidato à investidura republicana para as presidenciais americanas, já nada nos surpreende. Nem mesmo aquilo que a nossa capacidade de imaginação como, por exemplo, fechar a internet: a "sua" solução para acabar com o radicalismo. Que não o seu próprio, esse nem fechando a internet!

NInguém, por isso, ficou muito surpreendido com a sua proposta de proibir a entrada de muçulmanos na América. As palavras e as ideias de Trump não o desqualificam apenas como "candidato a servir como presidente", na expressão eufemística utilizada pela Casa Branca. Qualificam-no como lixo. Pior que lixo: trampa!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics