Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

A (des)vantagem de falar muito

Imagem relacionada

 

O presidente Marcelo, que amanhã assinala o primeiro aniversário da sua eleição, deu ontem a sua primeira entrevista a um orgão de comunicação social - à SIC.

Não é por acaso que começo com esta frase. É que não tenho muitas dúvidas que a maioria dos meus caríssimos e estimados leitores vai pôr em dúvida esta afirmação: a primeira entrevista?

É esse o ponto. Estamos tão habituados a ver e ouvir o presidente sobre tudo e mais alguma coisa que nem nos passaria pela cabeça que tinha sido esta a sua primeira vez. Não fosse a excitação de toda a comunicação social e ninguém daria por ter sido esta a primeira entrevista do presidente Marcelo: antes, transformada no grande acontecimento do fim de semana, obrigando até à antecipação, para sábado, da homilia de Marques Mendes. Depois, ocupando todas as primeiras páginas e desafiando a capacidade criativa dos comentadores à procura de notícia.

Porque, na verdade, o presidente não disse nada que não tivesse já dito. Não disse nada que não soubessemos. Bom, disse que em Setembro de 2020 diria se se recanditaria, mas nem aí há nada de novo: tanto sabemos que naturalmente se recandidatará, como que só o anunciará no último dos momentos. Como, de resto, já fizera na candidatura inicial. 

Nem os lapsus linguae foram novidade. Quando confrontado com o seu frenesim mediático, comparou-se com o  Presidente Obama, a chanceler Merkel e com  a primeira-ministra britânica, Theresa May, que também falam todos os dias...  Nem esta irresistível tentação pelo poder executivo é nada que não conhecessemos!

Nada disto é necessariamente mau. Defendem os mais ortodoxos da comunicação política - ou da política de comunicação na política, que vai dar no mesmo - que se deve falar poucas vezes para que aquilo que é dito ganhe importância. Ou que só se deve falar quando há algo de novo e de importante para dizer. 

Confesso que gosto mais assim. Que prefiro um presidente que diga todos os dias o que tem a dizer, que se torne previsível e que não seja muito dado a surpresas. Até porque, no fim de contas, a única revelação que fez não correu bem. Ficamos a saber que o primeiro-ministro pretendia tratar o aumento do salário mínimo exclusivamente por via legislativa e que foi ele, presidente, que o empurrou para a concertação social. Correu mal, como hoje sabemos: era uma medida prevista no programa eleitoral do PS, nos acordos de formação do governo e no seu próprio programa. Não havia necessidade, como dizia o outro...

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics