Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

E faltam duas ...

Mais uma vez a Luz em festa, cheia, a empurrar a equipa para uma noite de gala, e para a vitória, decisiva na caminhada para o ansiado, e adiado, 38.

E a equipa respondeu, com uma exibição que, se não foi de luxo, também não andou lá muito longe, asfixiando por completo o Braga, durante a maior parte do jogo. A equipa do melhor futebol desta fase do campeonato, naquilo que é a opinião publicada, limitou-se a defender com tudo o que pôde ... e a parar o jogo, a tentar quebrar-lhe o ritmo. 

O Benfica entrou bem, de novo com Aursenes na lateral direita da defesa - Bah, que regressara mas para o banco, voltou a lesionar-se, e continua a ser baixa - e, desta vez, sem Florentino, com o regresso de Chiquinho à titularidade. Dominou por completo durante toda a primeira parte, com posse bola na ordem dos 80% mas, nos momentos decisivos, lá estava um pé, uma perna e até uma mão, dos jogadores do Braga a anular finalização das jogadas. Por isso, os remates tardaram. Mas apareceram.

E lá estava Luís Godinho, sempre pronto a inclinar o campo. Se os jogadores bracarenses cometiam falta, o árbitro usava um critérios largo, e mandava jogar. Logo a seguir, alterava o critério e assinalava faltas que nem precisavam de existir, se favorecessem o Braga. Coisa pouca, daquelas habilidades a que estamos habituados. Gritante foi mesmo um penálti por assinalar, por mão de um defesa bracarense. E outro, cometido pelo guarda-redes Matheus, sobre Gonçalo Ramos. Que se desequilibrou, mas não caiu, como fazem todos, mas ele não fez. E o amarelo a Otamendi - que o retira do próximo jogo, em Portimão -, numa bola dividida, em que foi ele a sofrer falta, na sequência imediata de mais "um critério largo", em que deixara passar uma falta clara sobre o Chiquinho.

Ainda assim o Benfica criou oportunidades suficientes para terminar a primeira parte com dois ou três golos de vantagem. O Braga, nenhuma, e nem um remate. Só defendeu, e Borja, Niakaté ou Tormena, especialmente o primeiro, ainda devem estar a agradecer aos deuses os cortes milagrosos com que evitaram os golos que o jogo ficou a dever ao líder do campeonato. A perdida de Gonçalo Ramos, já nos 5 minutos de compensação da primeira parte (pouco para as paragens que os jogadores do Braga forçaram) foi a última imagem de um jogo ingrato, que nada deu ao Benfica, que lhe deu tudo.

A segunda parte arrancou no mesmo registo de superioridade avassaladora benfiquista, e de desperdício. De novo com Gonçalo Ramos a transformar um "golo cantado", fabricado por Grimaldo, num remate ao poste. Pouco depois foi Neres - que grande exibição! - a estar perto de marcar. 

O treinador do Braga teve de começar a fazer substituições, retirando os mais cansados de tanto defenderem, e de tanto correrem atrás da bola. Já tinha trocado Borja por Sequeira, e chegara a altura de trocar Yuri Medeiros - que devia ter saída há muito, mas por expulsão, tantos foram os amarelos que Luís Godinho lhe perdoou - por Pizzi, ovacionado pelas bancadas, porque a Luz não esquece os seus, mesmo quando estão do outro lado.

Não é apenas pelo bonito gesto dos aplausos que trago aqui esse minuto 66. É que, logo a seguir, o Benfica marcou. Não conseguira marcar na mais de uma hora de ataque continuado, marcaria em contra-ataque, dando uso ao veneno que o adversário aguardava por utilizar. O passe é soberbo, de Neres. O resto foi a velocidade e a classe de Rafa, regressado ao seu nível, como vinha prometendo nos últimos jogos.

A Luz explodia em festa!

Dez minutos depois, logo a seguir à entrada de Musa para substituir o infeliz Gonçalo Ramos, de novo em transição rápida, Rafa, isolado, fez o chapéu a Matheus, quando tinha Neres em condições de concluir com menor risco. Saiu um tudo nada mais alto, e perdeu-se o 2-0.

A perder apenas por um golo, e tendo escapado à goleada (o que não tinham conseguido, por duas vezes, contra o  Sporting em Alvalade, quando tentaram discutir os jogos, e "levaram" cinco, consentindo menos oportunidades que as criadas pelo Benfica neste jogo) o Braga arriscou finalmente alguma coisa. Esgotou as substituições para jogar com dois pontas de lança, juntando Banza a Ruiz. Mas apenas Bruma conseguia, uma ou outra vez, criar alguma instabilidade. Numa delas, aos 85 minutos, poderia ter marcado se o cruzamento tivesse dado a Banza a oportunidade de cabecear a preceito. Foi a única real oportunidade de golo do Braga em todo o jogo!

Neres já tinha saído, para a ovação merecida. E para Schemidt responder, com Gonçalo Guedes, ao balanceamento final do Braga. E Florentino ainda entrou, já em cima dos 90 minutos, para substituir João Mário, acabado, também ele, de ser amarelado.

Luís Godinho, desta vez, deu 8 minutos de tempo extra. Esgotaram-se com pouco jogo, e não foi por "manha" dos da casa. Foi porque os jogadores do Braga os passaram a fazer faltas para cortar as saídas do Benfica para o contra-golpe. Acabaram por ser 13, porque os de Braga, do presidente ao banco, seguem o menu do Porto. E, a perder, no menu tem de haver sarrabulho. 

Foi um grande jogo do Benfica, decididamente de regresso às boas exibições que são o padrão desta época. Todos os jogadores estiveram em bom nível, sem elos mais fracos, nem mesmo Ramos, a quem as coisas continuam a não correr pelo melhor. Neres, e Rafa, já foram referidos. Falta referir João Neves, que fez um "jogão". Com apenas 18 anos, é o grande reforço para esta ponta final do campeonato.

No Braga, há dois jogadores a referir. Bruma, porque foi o único com um desempenho assinalável. E Ricardo Horta, porque confirmou que não poderá nunca voltar a ser jogador do Benfica. Não foi a primeira vez. E é, por isso, uma confirmação. Sempre que joga contra o Benfica comporta-se como os Taremis e os Octávios desta vida. Hoje simulou um penálti, com o descaramento do Taremi. Noutras vezes junta-lhe simulações de faltas, e até de agressões, com o descaramento do Octávio.

 

7 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics