Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Euro 2020 - A rivalidade ainda é o que era

No dia em que se completou a primeira semana de competição aconteceu o primeiro jogo sem golos. Mas nem por isso menos interessante, pelo contrário. Não foi só o melhor jogo dos três do dia, foi mesmo dos mais intensos e espectaculares da prova até ao momento, ou não fosse um clássico - o mais antigo confronto entre selecções da História do futebol.

Disputou-se em Wembley, entre a Inglaterra, claro, sempre a jogar em casa e a Escócia, que também joga em casa, mas não o poderia jogar sempre. Neste testamento de Platini há vários grupos com duas com selecções a jogar em casa, pelo que só uma poderá fazê-lo sempre em casa. A Inglaterra é uma delas, e a mais descarada, porque poderá fazê-los todas em que participar. E os escoceses, derrotados no primeiro jogo, em casa, do tal golo de Patrick Shick, do meio campo, mostraram que a rivalidade ainda é o que era. Continua a ser o sal maior de um jogo de futebol.

E nem sequer se pode dizer que foi um jogo tipicamente britânico, do velho kik and rush, feito de querer e raça. Não, teve isso tudo, e até chuva, mas foi bem jogado. E a Escócia nunca foi inferior à Inglaterra, servida de jogadores incomparavelmente melhores, e foi até quem mais rematou. Não houve golos, e dificilmente poderia haver, até porque cada uma das equipas apenas por uma vez acertou um remate com a baliza. Mas até isso os escoceses fizeram melhor, só não deu golo porque Pickfor, o guarda-redes inglês, fez uma defesa enorme. Daquelas ditas impossíveis (na foto).

O outro jogo deste grupo D jogou-se, claro, em Hampden Park, em Glagow e, ao contrário, foi absolutamente desinteressante. A República Checa entrou com o conforto da vitória no primeiro jogo, e caberia à Croácia, por força da derrota no primeiro jogo, e da responsabilidade que tem como vice-campeã mundial, fazer pela vida.

Não fez muito por isso. Nem pela vida, nem pela responsabilidade histórica que já tem no futebol europeu. Depois da brilhante campanha do Mundial de 2018, na Rússia, o desempenho de Modric e companheiros tem sido sempre a descer. 

A selecção checa chegou ao golo aos 37 minutos da primeira parte, em que foi a menos má das duas equipas, pelo mesmo Patrick Shick, na conversão de um penalti, que é agora, com três golos, o melhor marcador do torneio. Depois da bola ao centro os croatas lograram a primeira oportunidade para marcar, desperdiçada com um remate disparatado de Rebic, o avançado do Milan, em evidente falta de classe. E mais não fez a Croácia em toda a primeira parte.

Logo no arranque da segunda parte os croatas empatarm. Não porque tivesse uma entrada de rompante e dominadora. Apenas porque aproveitou a cobrança rápida de uma falta, com os checos desprevenidos, para colocar a bola em Perisic que, ao contrário de Rebic, tem categoria suficiente para fazer o que fez - um bom golo!

Mesmo sem nunca atingir um nível exibicional sequer aceitável para o seu estatuto, e mesmo sem nunca se ter superiorizado ao adversário, a Croácia poderia até ter acabado por ganhar o jogo. Conseguiu, mesmo assim, criar mais duas ocasiões para marcar. Não marcou, e se estão a pensar que com a Escócia são favas contadas, a jogar assim, não serão.

E no meio disto tudo, se a Republica Checa não perder com a Inglaterra ganha o grupo e troca-lhe por completo as as voltas às contas que já se estão a fazer.

Depois de ter jogado em Sevilha, a Suécia disputou o hoje em S. Petersburgo o segundo jogo no grupo E, com a Eslováquia. Ganhou, com o resultado feito através de mais um golo de penalti, à entrada do último quarto de hora. A segunda parte dos suecos acaba por justificar a vitória, num jogo em que estiveram em campo os dois melhores guarda-redes da competição. Poderão não ser os dois melhores, mas o eslovaco Dúbravka e o sueco Olsen são, até agora, os que melhores desempenhos tiveram. Hoje voltaram a ser assombrosos.

Só mesmo de penalti poderiam ser batidos. Mas só houve um, e a fava calhou a Dúbravka. E, com quatro pontos, a Suécia está obviamente apurada para os oitavos de final.

 

 

2 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics