Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Euro 2020 - Dia D (de dois, mas também de drama)

Eriksen and the Denmark squad had refused to play in a row over commercial deals and fees

Ao segundo jogo, do segundo dia, surgiu o drama que marcará este estranho euro 2020. Depois do Suiça-País de Gales, no Olímpico de Baku, no Azerbaijão (1-1, com a Suíça a deixar fugir a vitória que justificou), a dois minutos do intervalo do jogo da Dinamarca com a estreante Finlândia, no Estádio Parken, em Copenhague, Christian Eriksen parecia encaminhar-se para receber a bola que lhe tinha sido endossada através de um lançamento de linha lateral, lado esquerdo do ataque da sua equipa, junto à área finlandesa. De repente cai, inanimado. 
 
Percebeu-se de imediato a gravidade do que estava a acontecer. Percebemo-lo pelos ecrãs da televisão - lembramo-nos de Feher -, e perceberam-no os espectadores no estádio. Só não o percebeu a equipa da realização televisa da UEFA, que insistiu em captar e transmitir em planos curtos o que se passava. É então que, dando ao mundo uma extraordinária e emocionante imagem de decência e de invulgar lucidez, os jogadores dinamarqueses se alinham lado a lado e constroem uma cortina que impede as câmaras de chegarem ao seu colega, e à equipa que com ele lutava para lhe devolver a vida 
 
Choravam e limpavam as lágrimas, mas não abriam uma fenda naquela cortina. Que nunca desmancharam, mantendo-a no percurso de abandono do relvado da maca que transportava Christian Eriksen, mesmo que então já sob a reserva de uma cortina de emergência.
 
Verdadeiramente emocionante. E uma lição aos senhores da UEFA, tão zelosos nas realizações televisivas a desviar as câmaras sempre que alguém invade o relvado, e tão miseravelmente voyeuristas num drama humano desta dimensão.
 
Duas horas e meia depois do início, o jogo foi retomado. Os jogadores dinamarqueses aceitaram retomar o jogo, depois de, por vídeo-chamada, a partir do hospital, Christian Eriksen lho ter pedido, garantindo estar bem.
 
Jogaram-se quatro minutos para concluir a primeira parte. Seguiu-se um intervalo de cinco minutos, cumprido no relvado, e entrou-se na segunda parte. Mais uma novidade neste euro virado do avesso. O jogo, esse, tinha-o ficado naquele fatídico minuto 43.
 
A Finlândia chegou ao golo, logo no início da segunda parte, na primeira vez que chegou à baliza de Kaspar Schemeichel, o líder da equipa que também não conseguiu contornar a perturbação. Não há como não dizer que foi um frango, por muito injusto que seja dizê-lo. E a Dinamarca não encontrou mais força para enfrentar a adversidade. Acabando até por desperdiçar um penalti. Que, se estivesse em campo e não no hospital, teria sido cobrado exactamente por Christian Eriksen.
 
No jogo de encerramento deste dia dois, e da primeira jornada dos grupos A e B, a candidata Bélgica venceu facilmente a Rússia, que promete sempre muito e nunca cumpre nada. Não precisou de puxar dos galões de segunda equipa a apurar-se só com vitórias, nem dos de número um do ranking da FIFA, nem de confirmar que é um dos favoritos para a conquista do título, para ganhar facilmente, com os mesmos 3-0, de ontem da Itália. Bastou-lhe aproveitar as ofertas, e depois gerir tranquilamente o jogo.
 
Primeiro, logo a abrir, uma oferta de um defesa russo, servida em bandeja pelo VAR. Ou pelas estranhas regras por que se rege. Lukaku estava em claríssimo fora de jogo, mas como o defesa russo se fez desastradamente à bola, e fez com que ela sobrasse para o avançado belga … já vale. Tirou partido da posição de fora de jogo, mas vale. É assim. O problema é que não é sempre assim.
 
Depois foi o guarda-redes russo a dar também uma ajuda. E à meia hora já tinha o problema resolvido. Depois foi só deixar que a Rússia confirmasse que não tem exactamente vida para estas competições. E fechar o resultado já no fim do jogo, em novo golo de Lukaku. Este sem espinhas, e mesmo à Lukaku. Ou à Eusébio, para quem se lembra.
 
O que importa é que Christian Eriksen esteja bem, e que regresse depressa. Que tenha sido só um susto. Mesmo que grande. Para ele o certamente maior da sua vida. 

2 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics