Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Euro 2020 - O Dia daquele golo!

Scotland goalkeeper David Marshall scrambled back helplessly to try and keep the ball out

Ao quarto dia, o primeiro jogo sem golos. E logo naquele em que isso menos se perspectivava, no último do dia, em Sevilha, onde a favorita Espanha recebeu a Suécia. Ou talvez não, dada a reiterada dificuldade da roja em fazer golos.
 
E, por falar em golos, o golo deste europeu. Dificilmente surgirá outro que destrone aquele golão de Patrik Shick, que bisou e igualou Lukaku na lista dos melhores marcadores por esta altura. Mas já lá vamos.
 
E ainda a primeira expulsão. Já lá iremos também.
 
A Espanha apresentou o seu futebol, de circulação e posse de bola que até chateia. Nisso não desiludiu. A desilusão poderá poderá vir da eficácia desse jogo. Na realidade só nos vinte minutos finais a selecção de Luís Henrique juntou dinâmica e velocidade a essa circulação e posse que lhe pudesse garantir o êxito, frente a uma equipa sueca rigorosa e concentrada a defender-se. 
 
Até aí, e apesar de total controlo do jogo, não criou muitas mais oportunidades que o adversário. E as duas que a Suécia conseguiu foram até bem mais flagrantes, incluindo uma bola no poste. Ambas obra de um miúdo sensacional, o craque Isak. Que o treinador sueco, para desgosto de quantos estavam a ver o jogo - acredito - tirou do campo justamente a 20 minutos do fim, deixando-nos desiludidos, de água na boca. 
 
Teve poucas oportunidades de tocar na bola. Mas cada vez que lhe tocou … meu Deus!
 
No final o empate a zero penalizou a Espanha, mas nada que seja grave. Até porque faz o três jogos desta fase em casa, e não terá certamente dificuldades em assegurar o primeiro lugar do grupo E.
 
Neste mesmo grupo, a Polónia, de Paulo Sousa é que entrou mal. E viu aumentarem as dificuldades de seguir em frente. Diz-se que Boniek, a antiga estrela polaca e hoje patrão do futebol do seu país, e também vice-presidente da UEFA, contratou o treinador português por querer implantar na selecção o tal futebol de posse e circulação, que não é muito próprio daquelas paragens. 
 
E a verdade é que se percebeu que Paulo Sousa quis dar resposta a esse caderno de encargos. A selecção polaca começou por apresentar esse futebol, mas a Eslováquia era sempre mais assertiva no seu jogo mais rectilíneo. Chegou ao golo, num remate que foi ao poste, com a bola a ir bater nas costas do guarda-redes da Juventus e a acabar dentro da baliza. E ao intervalo justificava-se a vantagem dos eslovacos.
 
À equipa polaca entrou no entanto para a segunda parte com vontade de finalmente dar alma ao futebol pretendido. E chegou logo no primeiro minutos ao empate, numa excelente jogada de circulação de bola ao primeiro toque. Seguiram-se quinze minutos desse bom futebol, com a Polónia a dominar completamente o adversário, subitamente interrompidos … pela primeira expulsão desta competição. Krychowiak tinha visto um amarelo na primeira parte - mal, acrescente-se - e não resistiu a uma entrada de sola.
 
A Eslováquia aproveitou a superioridade numérica para saltar para cima do adversário, e rapidamente - cinco minutos depois - chegou ao segundo golo. A partir daí defendeu. E a Polónia atacou, mas já apenas com recurso ao outro futebol que lhe corre nas veias. O de posse e circulação não voltou mais.
 
Poderia ter empatado, é certo. Mas não foi a jogar bem. E nem Lewandovsky, "o melhor do mundo", lhe valeu.
 
Hoje os últimos são os primeiros, e o primeiro do dia jogou-se em Glasgow, para fechar a primeira jornada do grupo D, no Hampden Park. Com a Escócia, outra das equipas a jogar em casa, a defrontar a República Checa. Jogo de pontapé para a frente em perspectiva. Não defraudada, de resto.
 
Só que o futebol tem destas coisas. É donde menos se espera que sai o melhor que tem. E aquele golo do checo Patrik Shick é do melhor que se pode ver num jogo de futebol. No pior jogo até agora, o melhor golo. Até agora, mas certamente para sempre.
 
Foi o segundo da vitória checa por 2-0, e nunca mais sairá da História dos Europeus.

2 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics