Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

O "ataque móvel" e outras histórias

Parece que Roger Schemidt já mudou o que tinha a mudar. Hoje, em Chaves, voltou a repetir tudo o que fizera em Arouca, há quatro dias. A mesma equipa inicial, o mesmo sistema - os três centrais, João Neves na ala direita e  Aursenes na esquerda, João Mário e Florentino no meio, e o mesmo trio na frente, no tal "ataque móvel" que Di Maria, Guedes e Rafa constituem.

Se era criticado por não encontrar um onze tipo, agora não o poderá ser. Para ele, com os jogadores que há disponíveis, é esta a sua equipa tipo. O que não lhe evita a crítica.

O ataque é tão "móvel" que se esquece que o objectivo do jogo é marcar golos. E a equipa é tão tipo quanto o tipo de futebol que pratica, decalcado do que fizera em Arouca. Em tudo, até no resultado.

A primeira parte só não é a cópia exacta da de Arouca porque lhe faltou a magia de Di Maria, que então fizera a diferença. E o golo. Por isso esta ficou a zero. E mais pobre. 

Com este "ataque móvel", a mesma posse de bola e a mesma circulação. E, na mesma, sem profundidade, sem velocidade, sem intensidade e sem presença na área adversária. Oito remates apenas. E apenas dois enquadrados, nas estatísticas. Porque um, o primeiro, foi apenas uma "coisa" que passou pela cabeça de Di Maria a meio do seu meio campo. E contou por remate.

Dos outros seis apenas dois poderiam ter tido outro destino, e dar origem a qualquer coisa parecida com oportunidade para marcar. Um de Morato, de cabeça, na cobrança de mais um pontapé de canto, que saiu um pouco por cima da barra. E outro, na a única jogada bem construída, concluída com quatro jogadores bem dentro da da área do Chaves, que de Di Maria aproveitou para rematar de primeira, por alto.

Foi triste, a primeira parte, tanto como a tarde ventosa e chuvosa em Chaves.

Para a segunda parte Schemidt alterou o "ataque móvel". Ao intervalo substituiu Guedes por Cabral e, mais tarde, repetindo exactamente Arouca, os restantes dois. Di Maria e Rafa deram lugar a Musa e Tengstedt. 

O Benfica não passou a jogar muito melhor, nada disso, mas passou a ter mais profundidade e mais velocidade. E Cabral era bem mais influente no jogo do que fora Guedes. Não se pode dizer que o golo tenha surgido com naturalidade, mas passou a ser mais provável. Aconteceu à beira do primeiro quarto: João Neves desequilibrou pela direita, numa boa jogada individual e a bola sobrou para Cabral marcar ... com o cu. Para que não fosse um golo "cu-rioso", um defesa do Chaves tirou-a de dentro da baliza e, porque o Benfica já conseguia "povoar" a área adversária, ainda lá estava Aursenes para confirmar o golo que já era. 

É caso para dizer que ainda bem. Pelo que jogou, Cabral não merecia que o seu primeiro golo no campeonato fosse marcado com o cu. 

Logo na resposta, como que a rebobinar o filme do costume, o Chaves poderia ter empatado, na segunda oportunidade (a primeira tinha antecedido o golo do Benfica em seis minutos) de golo em todo o jogo. O (grande) remate de longe, de Bruno Langa, foi defendido por Trubin, para a barra.

Mas o Benfica não tremeu, como tantas vezes tem acontecido, e continuou a mandar no jogo. Mas sem jogar muito mais que o minimamente exigível. E arrumou com as dúvidas sobre o resultado, já com o trio de "atacantes fixos", com o penálti cometido sobre João Neves, que João Mário (sem Di Maria ...) converteu com classe.

O penálti incomodou o pessoal da Sport TV. Tanto como Moreno, o treinador do Chaves, que até foi expulso. Pena que não aconteça o mesmo à malta da televisão que tem o exclusivo da transmissão dos jogos (de todos, à excepção dos do campeonato que se disputam na Luz) cá do burgo.  

Dantes ainda se perdoava um chapada a um miúdo. E até se chegava a dizer que só se perdiam as que caíam no chão. Hoje já não é assim. O Bruno Langa é que talvez pensasse que sim, que não tem mal nenhum dar uma chapada ao miúdo. A malta da Sport TV também sabe que, num jogo de futebol, dar uma chapada num adversário é falta. Só que, dentro da área ... é que não. E penálti para o Benfica, a um quarto de hora do fim, depois do Porto ter perdido, no Dragão, com o Estoril - último classificado - dói-lhes. E como lhes doeu...

O jogo não teria mais história se não tivesse ainda sido invalidado o terceiro golo, já à beira dos 90 minutos. Todo ele nascido da nova estrutura atacante da equipa, com Cabral a ceder a bola a Musa, sobre a esquerda, que fez golo. Como a poderia ter passado a Tengstedt, à sua direita, muito provavelmente com o mesmo destino. 

Não se percebeu qualquer fora de jogo, mas o VAR conseguiu arranjar umas linhas que davam Musa 9 cm adiantado em relação ao penúltimo defesa. 

O árbitro, o bem conhecido Hélder Malheiro, que até era o VAR do jogo da época passada neste mesmo campo - lembram-se do penálti não assinalado a favor do Benfica, no último minuto, que deu no golo da vitória do Chaves? - foi o artista do costume. Também não viu o penálti sobre o João Neves. Valeu que não tem o dom da ubiquidade e que, estando no campo, não poderia estar no VAR. Mas, por ele, fez tudo o que pôde fazer. Transformou cantos em pontapés de baliza e até mandou cobrar um livre cinco ou dez metros atrás do local onde a falta fora cometida, não fosse o Di Maria fazer uma das suas. O Otamendi, na qualidade de capitão e discreta e educadamente (pelo menos sem gestos de protesto), disse-lhe que a falta ocorrera mais à frente, e viu o amarelo. O António Silva deixou a bola para Trubin cobrar um livre por fora de jogo, e viu amarelo. Os de Chaves agarraram por onde puderam e quiseram jogadores do Benfica a sair para contra-ataque, mas ... nada. Para eles, amarelo, só quando aquilo era para vermelho.

É assim sempre. É ainda mais assim quando o Porto perde. Mas siga!

6 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics