Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

O copo do dérbi

Foi com um onze estranho que o Benfica surgiu hoje em Alvalade para o eterno dérbi do futebol nacional. Só não tão estranho porque nesta fase já nada é estranho. Estranho é até que tenha vindo a conseguir fazer alinhar onze jogadores nos últimos jogos.

Mais estranho ainda que o onze foi a defesa a três, que decididamente entrou na moda. Já o tinha feito no jogo com o Braga, nas meias-finais da Taça da Liga, mas aí, como era o Weigl a jogar mais recuado, disfarçava. Era uma espécie de defesa a três envergonhada. Hoje, não. Era assumida: Jardel, Otamendi e Vertonghen.

Estranho porque não há tempo para treinar. E, sem tempo para treinar - parece que nunca houve-, estranha-se a implementação de um sistema não trabalhado, logo num dérbi e, mais do que isso, sem margem para experiências. Não ganhar este jogo significava o mais que provável adeus ao título. E até ao apuramento directo para a Champions.

Não durou muito, a experiência. Ainda antes do ponteiro do relógio chegar aos 10 minutos já Jardel era obrigado a sair, com uma lesão muscular. Recuou Weigl, e entrou Gabriel, mas já não era a mesma coisa.

Do lado do Sporting, é diferente. Há tempo para treinar, e Rúben Amorim sabe fazê-lo. Por isso entrou sem Palhinha, despenalizado à última da hora. Que entraria no início da segunda parte, quando normalmente o treinador do Sporting retira o João Mário, de pilhas gastas. Costuma entrar o Matheus Nunes mas, como desta vez já lá estava, entrou então o despenalizado Palhinha.

Com as equipas encaixadas, muita disputa de bola e poucos espaços, as equipas equivaleram-se e o jogo foi equilibrado. Com o Sporting a espaços um bocadinho melhor, muito pelo mérito de gerir melhor os espaços. Geriu bem o espaço nas costas da sua defesa, empurrando quase sempre Darwin para o fora de jogo. Entre as vezes que estava mesmo, e as que não estaria, o avançado do Benfica passou o tempo todo que esteve em jogo em "off-side". E trabalhou bem as mudanças de flanco. 

Foram estas duas armas que lhe deram uma ligeira superioridade na primeira parte. Sem remates (enquadrados) à baliza, e com duas espécies de oportunidades de golo. Primeiro foi Pizzi, em posição para marcar, a desperdiçar com um remate a sair ao lado do poste, com Adan batido. Já perto do intervalo foi Neto, de baliza aberta, a cabecear sem nexo muito ao lado da baliza.

A segunda parte foi diferente. Os espaços apareceram, o jogo abriu e, sem que passasse a ser um grande jogo, foi mais emotivo e espectacular. Os primeiros dez minutos foram quase espectaculares. O Benfica entrou melhor e esteve então por cima do jogo e do Sporting. Por volta do quarto de hora já tudo estava outra vez equilibrado.

A ideia que fica do jogo, e especialmente destes 15 ou 20 minutos, é que, tivessem estado alguns jogadores do Benfica perto do seu melhor nível, e o jogo e o resultado poderiam ter sido diferentes. Cervi e Grimaldo estiveram longe do que tinham vindo a fazer. Como Pizzi, e mesmo Rafa, que enquanto esteve em campo foi dos melhores, mesmo que quase sempre mal na última decisão. Já de Darwin não se pode dizer o mesmo. Esteve desaparecido em fora de jogo, como já foi referido, mas desaparecido já está há muito. Dizem que está a jogar lesionado, mas isso é simplesmente inaceitável. Se está lesionado só tem que se tratar, não pode jogar!

A partir da meia hora começou entrou-se naquela fase dos jogos em que as equipas começam a pensar que, se não dá para ganhar, o importante é não perder. Foi visível em ambas as equipas. Só que, se o Sporting podia pensar assim, o Benfica não devia. Até porque devia saber que há uma estrelinha que acompanha Rúben Amorim, e que não parado de brilhar. Mas pensou ... e pagou a factura. Só por isso mereceu perder o jogo!

No segundo minuto do tempo de compensação Weigl falhou, depois fez falta, mas o Artur Soares Dias, que sempre apitou a tudo, desta vez não apitou. E bem, apenas aplicou a lei. Depois ... aconteceu o que sempre acontece em todos os jogos - a defesa andou aos papeis. Primeiro, três contra um dentro da área e permitiram o cruzamento para a outra ponta da área. Novo cruzamento, que Vlachodimos desfez para a frente, com a bola a ficar à mercê da cabeça do Matheus Nunes, à frente da baliza escancarada.

E pronto. Uma equipa que ia arrasar está neste momento no quarto lugar, a nove pontos do primeiro e a cinco do segundo. E provavelmente não merece mais. O Sporting é primeiro, mas não é a equipa que a meu ver joga o melhor futebol. Essa é a do Braga. Mas é, de longe, a mais consistente. Dessa consistência apenas o Porto, provavelmente a mais forte, se aproxima. 

É curioso que a imprensa se refira à equipa mais consistente do campeonato como os miúdos. Foi um mito bem construído pela sagacidade de Rúben Amorim. Na realidade o Sporting tem dois miúdos na equipa. Mas são apenas miúdos no bilhete de identidade. No resto, o Tomás Tavares e o Nuno Mendes, são jogadores completos, de inegável categoria, que há largas dezenas de jogos que largaram as fraldas, e que já sabem tudo de bola. Sabem-na toda, como hoje se viu.

Já para o Benfica resta olhar para o copo meio vazio, e é uma desgraça. Ou meio cheio, e só pode melhorar. Mesmo que não dê para arrasar ninguém!

 

 

 

15 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics