Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Outra música

 

Chegou ao fim a primeira volta do campeonato, encomendado e inexoravelmente reservado para o Porto. Como esta última jornada tratou de confirmar, ontem, no Estoril.

Ao Benfica resta-lhe, agora, fazer a sua parte. Hoje, na Luz, com a equipa novamente atingida pelo covid, fê-la. A equipa parece outra, sem nada a ver com a apatia e a resignação da equipa de Jorge Jesus. O futebol de passe para trás e para o lado, em que a linha de fundo era uma miragem, e a grande área adversária território inóspito, deu lugar ao futebol dinâmico, com os jogadores sempre em movimento, e com a bola, sempre a circular ao primeiro e ao segundo toque, pronta a chegar á á área e à adversárias.

A primeira parte foi sempre jogada a grande nível. E mesmo com a equipa do Paços a defender bem, e com especial agressividade, o Benfica finalizou todas as jogadas de ataque com claras oportunidades de golo. Foram oito, para um só golo. O de João Mário, em cima do apito para o intervalo, logo a seguir à expulsão de um jogador do Paços, depois de ter atingido com violência Grimaldo, e do VAR ter chamado o árbitro Vítor Ferreira - com uma arbitragem ridícula, mais ainda que miserável - a consultar as imagens e a reverter o amarelo que tinha  começado por exibir.

O pecado capital, no jogo em que o Benfica bateu o recorde de remates - foram 23, mais dois que naquele jogo, de má memória, com o Portimonense, que se tinha ficado pelos 21 - foi mesmo o desperdício de tantas oportunidades de golo. Umas vezes por infelicidade, como foi o caso das duas bolas na barra (Gonçalo Ramos, na primeira parte, e Darwuin, que entrou a substituí-lo, já na parte final): outras por inépcia, como foi especialmente o caso de Seferovic; e outras, ainda, sem que se perceba porquê, como aconteceu de novo com Darwin em duas ou três ocasiões, a última a picar bem a bola sobre o guarda-redes, mas a falhar por centímetros a baliza.

A segunda parte começou com o ritmo que trazia da primeira. Com o Paços com menos um jogador,  e com o mesmo ritmo, se os jogadores do Benfica melhorassem um bocadinho a pontaria, era de esperar mais uma goleada, ao nível das que a equipa já atingiu neste campeonato. Não se confirmariam essas expectativas. Porque a pontaria não melhorou mas, acima de tudo, porque o ritmo da equipa oscilou. Pareceu que uns jogadores desligaram do jogo, e outros perderam fulgor. Se este aspecto terá que se aceitar, o primeiro é de todo inaceitável, e deverá merecer a atenção de Nelson Veríssimo.

Depois dos 10 minutos iniciais da segunda parte, em que criou mais três oportunidades claras de golo, a equipa desligou. E durante outros tantos permitiu ao Paços, com menos um jogador, discutir o jogo, rematar - fez quatro remates nesse período, quando só trazia dois da primeira parte - e criar até uma oportunidade para marcar, a única, em todo o jogo. Com 1-0 no marcador, não eram evidentemente boas notícias. E sentiu-se isso nas bancadas da Luz!

Os jogadores devem ter percebido isso. Nelson Veríssimo também, e começou a mexer na equipa. No passado recente era fácil fazer substituições: eram tantos os que não estavam a jogar nada que, à partida, Jorge Jesus acertava sempre. Pelo menos nos que escolhia para sair. Hoje não era assim tão fácil. Todos tinham estado bem.  Primeiro tirou o Gonçalo Ramos, para entrar Darwin, e não pareceu boa ideia. O miúdo tinha estado muito bem, apenas infeliz na finalização. Depois entraram Paulo Bernardo e Lázaro, para substituir  Everton - o renascido Everton, mas já a acusar cansaço, físico e mental - e Gilberto, e o Benfica acabou de vez com reacção pacense, e com os focos de impaciência que começavam a surgir, para regressar à criação massiva de oportunidades para marcar.

Até porque, dois minutos depois, Grimaldo fez de uma obra de arte o segundo, e afinal último, golo. O golo 6000 do Benfica na História dos campeonatos nacionais só podia ser uma obra de arte!

E o Benfica partiu para um quarto de hora final em que podia ter marcado mais três ou quatro golos, no mínimo. Finalmente entraram Diogo Gonçalves e Taarabt, para substituir Seferobvic e João Mário, a grande nível, agora a jogar para a frente, em vez de para trás e para o lado. O sufoco voltou, como voltaram as oportunidades. Mas não com o mesmo critério do primeiro tempo, quando todas as jogadas acabavam em situações de golo. Este sufoco final não teve a qualidade de então, e foram muitas as jogadas que se perderam antes de decididas.

No fim fica um resultado muito curto para a exibição. Lembramo-nos que há cerca de um mês, o jogo para a Taça, ficou em 4-1. Mas convém lembrar como aconteceu esse resultado, e como essa exibição não teve nada a ver com a de hoje. É indiscutível que é outro o futebol da equipa. Esta é outra música. É outro o desempenho dos jogadores, E são outras as conferências de imprensa do treinador do Benfica. Que tudo isto venha para ficar!

 

 

7 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics