Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Sempre a cair

 

Sempre a cair. A cair ao longo do jogo, e a cair de jogo para jogo. É este o estado da equipa do Benfica!

Hoje, em Leiria, no primeiro jogo desta final a quatro que faz o formato da Taça da Liga, o Benfica confirmou a dinâmica de queda que não se sabe quando, e como, possa ser interrompida. Depois das péssimas exibições dos dois últimos jogos, contra adversários do fim da tabela classificativa do campeonato hoje, contra um Boavista mais que desfalcado (não tinha centrais, e teve que alinhar com laterais no centro da defesa), a equipa conseguiu ainda fazer pior. 

Pior, e sempre a piorar. Começou menos mal, e teve até nos primeiros minutos a única jogada em todo o jogo com qualidade, com Yaremchuk a permitir a defesa a Bracali. Depois chegou ao golo, mas isso foi uma oferta da defesa boavisteira, num erro clamoroso dos seus centrais, que eram laterais. A partir daí foi sempre a cair e, ao intervalo, com mais de 70% de posse de bola, o Benfica tinha efectuado três remates: o tal do avançado ucraniano - que continua a não ter nada a ver, nem de perto nem de longe, com o jogador da selecção ucraniana -. e dois de Everton, o do golo, e outro para as nuvens, na segunda oportunidade de golo criada. A terceira só aconteceria já no final do jogo

Jogou mal, porque teve muita bola sem saber o que fazer com ela, como é costume. O Boavista rematou muito mais, praticamente sem ter bola. Mas nunca incomodou muito, mais parecendo que rematava para a estatística. O que incomodava mesmo era o confrangedor futebol do Benfica!

Na segunda parte tudo foi diferente. O Benfica piorava ainda mais, e bastaram cinco minutos para o Mourato cometer um inacreditável penalti. Não me lembro de alguma vez ter visto tal coisa: a sair com a bola, dentro da área, deixa-se perder a posição para um adversário que vem de trás, a ponto de, para  jogar a bola, fazer penalti. Inacreditável!

O Boavista empatou e a partir daí tomou conta do jogo. Ganhou todos os duelos - como todos estão a ganhar -, ganhou todas as antecipações e tapou todas as linhas de passe ao Benfica com a maior das facilidades. Rematou - fez 16 remates, o dobro dos do Benfica - e já não era para a estatística. Era para golo. Valeu Vlachodimos, o único jogador do Benfica a salvar-se do descalabro geral. Evitou três golos, um deles num golpe de rins que mais pareceu milagre.

Como também já é crónico, Nelson Veríssimo não consegue, do banco, estancar a queda livre da equipa. E as substituições voltaram a ser incompreensíveis para quem quer que estivesse a assistir àquilo. Os piores dos piores continuaram em campo. Lázaro, o pior dos piores, lá continuou. Entrou Gonçalo Ramos, mas também Gil Dias, Meité e Rodanjic. Não tinha por onde correr bem, e não correu, evidentemente. Pizzi entrou a quatro minutos dos 90, mas já para os penaltis. Até essa correu mal - Pizzi ainda fez o único remate da segunda parte que poderia ter acabado em golo, mas falhou logo o primeiro penalti. De forma completamente displicente.

O que diz muito do que é Pizzi nesta altura. No que ele se fez, ou no que dele fizeram? Seria interessante saber a resposta!

O apuramento para a final de sábado acabou por cair do céu no desempate por penaltis. Nem aí o Benfica foi competente  - Pizzi foi incompetente e displicente, Verthonghen foi apenas incompetente, atirou ao poste. A competência de Grimaldo, Meité e Weigl só foi suficiente porque o Boavista foi ainda mais incompetente, falhando os primeiros três penaltis. Dois da forma verdadeiramente incompetente. O outro foi mais uma grande defesa de Vlachodimos, o grande responsável pelo afastamento do Boavista da final a que, no fim de contas, merecia ter chegado.

No próximo sábado lá estará o Benfica à procura do único troféu, não só da época, como das últimas três. E nunca as expectativas foram tão baixas!

 

4 comentários

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics