Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Só a Coreia tem paciência para o futebol de Fernando Santos

Portugal perde com Coreia, de Paulo Bento, mas garante 1.º lugar do Grupo.  Coreanos apurados - Mundial - SAPO Desporto

Com últimos jogos dos grupos G e H encerrou-se a fase inicial deste Mundial do Catar, com a curiosidade de nenhuma das 32 equipas ter conseguido ganhar os três jogos. 

Já só Portugal e o Brasil tinham essa possibilidade. Ambos perderam.

Surpreendentemente, o Brasil. Sem surpresa, Portugal!

Diria que, pelo que tem sido o desempenho da selecção portuguesa, foram mais surpreendentes as duas vitórias anteriores que a derrota de hoje. 

Na realidade, o futebol da selecção de Fernando Santos - mais propriamente da Femacosa, Lda - não foi hoje diferente do que tem sido. As duas vitórias não esconderam nada, mas turvam a vista de toda a gente. 

Os que jogaram hoje - houve seis alterações relativamente ao último jogo, com o Uruguai, mantendo-se apenas o guarda-redes Diogo Costa, os defesas Pepe e João Cancelo (mesmo mudando da direita para a esquerda), Rúben Neves, no meio campo, e o inevitável Ronaldo, na frente - não jogaram melhor nem pior que os outros. Tal e qual como os outros, jogaram muito menos do que aquilo de que são capazes.  

Esse é, como se sabe, o problema de Fernando Santos. Não consegue pôr os jogadores, sejam eles quais forem à excepção do mesmo de sempre, a jogar o que sabem e podem. Um problema tanto maior quanto ele nunca tem a nada a ver com isso. Se ganham, mesmo não jogando nada, jogaram bem. Se perdem, os jogadores erraram. E há que corrigir esses erros.

Hoje as coisas voltaram a começar a correr bem. Logo aos 5 minutos, na primeira vez que a equipa chegou à área dos coreanos, marcou: passe longo de Pepe para a direita que encontrou Diogo Dalot, que cruzou para Ricardo Horta marcar, na pequena área.

Estava dado o mote para a estratégia de ataque da equipa: passes longos de Pepe. O meio campo não era preciso para nada que não fosse, ou para defender, ou para entreter o jogo e deixar passar o tempo. 

Era isto que se pedia a Rúben Neves, João Mário, Vitinha e Matheus Nunes. A Ronaldo não se pede nada, já se sabe. E a Ricardo Horta que ajudasse Diogo Dalot a defender.

Claro que, assim, a Coreia do Sul não tinha por onde encontrar dificuldades. Bastava-lhe disputar e ganhar as bolas longas que lhe chegavam à defesa e, tanto quanto a sua paciência lhes permitisse, assistir às trocas de bola para trás e para o lado dos centro-campistas e defesas portugueses.

Quando essa paciência se esgotava disparavam para a frente, incomodando muito mais do que eram incomodados. Foi sempre assim, durante todo o jogo. Não houve diferença nenhuma da primeira para a segunda parte. 

Mostraram que era assim logo depois de sofrerem o golo. E marcaram, de um canto (os cantos fazem o resto da história do jogo), poucos minutos depois. Valeu que o marcador estava fora de jogo. Não valeu.

Mas não demorou muito que valesse. Pouco passava do meio da primeira parte e, de novo de canto, a Coreia empatava mesmo. Desta vez nem nunca poderia haver fora de jogo, porque o jogador coreano foi servido por ... Ronaldo. Que abdicou de atacar a bola para desfazer o cruzamento, encolheu-se e virou-lhe as costas. E foi com as costas que assistiu o jogador coreano, um desconhecido central que responde pelo nome de Joung-Gwon Him.

Depois de empatar a equipa de Paulo Bento reforçou a paciência. Se até aí era paciência de coreano, a partir daí mais pareceu paciência de chinês. Tanta que durou bem mais de uma hora.

Já nos descontos, no segundo dos 6 minutos de compensação, lá entra outro canto na história. Só que, desta vez, os coreanos nem precisaram que o canto fosse a seu favor. Serviu-lhe na mesma que o canto fosse na sua baliza. E não, não é um hino ao contra-ataque. É simplesmente qualquer coisa de inimaginável numa equipa que dizem querer ser campeã do mundo: um jogador correu com a bola de uma área a outra sem ser sequer incomodado; quando chegou à área de Diogo Costa tinha chegado apenas um colega de equipa, já no meio de cinco ou seis portugueses. E mesmo assim conseguiu entregar-lhe a bola. E mesmo assim, Hee-Chan Hwang, que até é colega de equipa de Rúben Neves e Matheus Nunes, marcou!

E a Coreia ganhou o jogo, com os uruguaios incrédulos. Mas só porque não estavam a ver o jogo, estavam apenas focados em ganhar o seu jogo ao Gana. Se tivessem alguém a ver o jogo teriam sido avisados que seria prudente dilatar 2-0, a que chegaram na primeira meia hora do jogo.

Assim, acabaram de fora, com os mesmos pontos e a mesma diferença de golos dos coreanos, com quem tinham empatado na primeira jornada. Mas com menos golos marcados 

O Brasil também perdeu. Também com um golo nos descontos. Épico, de resto. De Aboubakar, já esgotado. Que, já esgotado, poucos minutos antes, nas mesmíssimas circunstâncias em que os portugueses perderam o jogo, correu atrás do Bruno Guimarães, agarrou-o, e acabou com a fuga do brasileiro. Viu o amarelo. Esquecido não deveria estar, não tinha dado tempo para se esquecer. Mas nem assim resistiu a tirar a camisola na celebração do golo, acabando expulso, acarinhado pelo árbitro.

O golo épico do antigo jogador do Porto, que somou ao outro, espectacular que marcara no empate a 3 com a Sérvia, que no outro jogo decisivo perdia (2-3) com a Suíça, não serviu de nada aos Camarões. Ia, isso sim, quase servindo para roubar o primeiro lugar ao Brasil. Faltou apenas um golo à Suíça para passar para a frente do grupo.

Se calhar não o quis, como já fizera a Espanha. Talvez tenham preferido a selecção de Fernando Santos à de Paulo Bento. E se calhar têm razão!

 

  

1 comentário

Comentar post

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics