Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

 

Já por diversas ocasiões e nas mais variadas circunstâncias tive oportunidade de me expressar sobre a fantástica máquina de marketing em que Cristiano Ronaldo se transformou.

Interrogo-me frequentemente sobre o que terá sido decisivo na construção desta poderosíssima máquina e nunca encontro uma resposta.

A verdade é que Cristiano Ronaldo soube transformar-se (ou permitiu que o transformassem) numa super star verdadeiramente global e sem paralelo. A estrela de dimensão global que saíra do futebol, mas que no firmamento está hoje muito distante da do nosso CR, era David Beckham. Que era um jogador de futebol endeusado, com bom aspecto mas – fundamental – casado com uma Spice. Só isso lhe garantiria o acesso à máquina fantástica do star system! O Cristiano está nas antípodas do spice boy. Não teve quem o levasse para lá, foi ele lá ter, a partir da criança da Madeira só e desterrada em Lisboa. E do jovem cheio de borbulhas que aterra em Manchester. Foi sem esconder as suas origens, o pai e a sua morte. Sem esconder a mãe e as suas circunstâncias. Antes pelo contrário, mostrando-a sempre como o centro da sua vida. Dando-lhe um protagonismo único! Mostrando as irmãs. Uma delas expondo-a mesmo ao mundo do espectáculo, provavelmente em circunstâncias que, à luz das leis do star system, seriam fatais.

Será que, afinal, é aqui que encontramos a resposta?

A recente divulgação da sua nova condição de pai também não nos esclarece essa dúvida, mas ajuda-nos a perceber a perfeição do funcionamento da máquina. E a mestria com que é utilizada!

Tinha acabado de chegar de um campeonato do mundo, a maior montra do planeta, em franco mau estado. Nada lhe tinha corrido bem – e nem interessa agora saber se a culpa é dele, da equipa ou do treinador – com as últimas imagens a mostrarem um CR derrotado a cuspir para o operador de câmara (foi essa a imagem que fizeram passar e que correu mundo) e em evidente choque frontal com o seleccionador, que responderia ao “perguntem ao Carlos Queiroz” com a ameaça de lhe retirar a camisola, “demasiado pequena para o seu corpo”. E, de repente: “ É com muita alegria e emoção que informo ter sido recentemente pai de um rapaz”…

E o filho já está no Algarve, com a mãe. A sua mãe, a mesma Dª Dolores Aveiro, sempre na primeira linha!

Não há mais comparações com Messi. Não há mais perguntas incómodas. Não há mais nada nem nada mais interessa. O que interessa é que o bebé se chama Ronaldo e que o novo pai adora crianças. E que sabe pegar nos bebés... E que já tinha dito que entretanto haveria de ter um filho, como se um filho do CR não tivesse também 9 meses de gestação.

Brilhante!

E tudo volta ao normal. Férias com a nova namorada (Irina, não é?) em New York e um novo negócio de roupa de bebé nas lojas CR 7.

Há 10 anos

 

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

Desde que, há uma semana, a assembleia-geral da PT recusou a oferta da Telefónica para a compra da sua participação na Vivo, a golden share passou para o top da actualidade. Não sei se por mérito da golden share se por demérito da selecção nacional e de Carlos Queirós! Sei é que, desde então, não houve um único dia em que a matéria não estivesse na crista da onda.

E por lá continuará, até porque será conhecida amanhã a sentença do Tribunal da Comunidade sobre esta forma dos Estados permanecerem nos centros de decisão de certas empresas privadas.

Não sendo muito difícil antecipar essa decisão – o mais do que certo chumbo das golden share – não é necessário ser bruxo, nem sequer recorrer ao tal polvo que acerta nos resultados do mundial, para também antecipar um conflito político do governo português com a União Europeia. Os dados estão lançados: Sócrates já apontou o dedo ao ultra liberalismo europeu e Durão Barroso já veio dizer que a decisão – que já todos sabemos qual é, menos, ao que quer fazer crer, ele próprio – é judicial, que não tem nada nem de política nem de ideológica. E que as decisões judiciais são para cumprir! Evidentemente que nem todas, digo eu. A maioria é mesmo para … contestar e para recorrer!

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

 

Fechada a janela dos quartos de final é tempo das últimas despedidas antes do fim de festa. Estas são as despedias em lágrimas: iniciaram-se com o fim da fase de grupos, quando, surpreendentemente, se despediu gente grande como a Itália e a França, esta com uma despedida à francesa – envergonhada, não se sabe se por ter aparecido sem ter sido convidada (ou mal convidada), se pelas tristes figuras que fez; continuaram nos oitavos de final, primeira ronda eliminatória, quando se despediriam alguns convidados VIP, como a Inglaterra e Portugal (até aqui a velha aliança continua viva) e terminaram nos quartos (de final, bem entendido) com a despedida de dois convidados de honra – Brasil e Argentina.

Para o fim de festa ficaram Alemanha, Espanha, Holanda e Uruguai – esta sempre bem protegida pela sorte do sorteio e por outras sortes – que irão disputar os sete jogos correspondentes a todas as rondas da festa. E 10 árbitros!

É aqui que surge o último adeus português: Olegário Benquerença! Fez três jogos – um recorde nacional, nunca um árbitro português tinha arbitrado tantos jogos num campeonato do mundo – e aguentou-se por lá bem mais tempo que a selecção nacional. Chegara primeiro e já entrara em jogo também primeiro, como aqui dera nota. Mas não esteve lá apenas mais tempo: esteve mais tempo e bem melhor que os nossos rapazes, a ponto de não merecer ter regressado a casa antes do cair do pano.

Para esta despedida só há uma explicação, que encontro precisamente na história da histórica participação de Olegário Benquerença: é que acabaram-se os jogos com equipas africanas!

É isso! O nosso conterrâneo estava, no primeiro mundial africano, destinado a arbitrar apenas equipas africanas, de quem muito se esperava. Mas acabaram-se nos quartos de final, e pronto. Já lá não estava a fazer nada…

 

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

Paradinha tem que estar a bola quando é reposta em jogo, seja na cobrança de faltas, ou nos pontapés de saída, de baliza ou de canto. Paradinhos pareceram-nos muitas vezes os jogadores da nossa selecção a ver os jogadores espanhóis, divertidíssimos, a trocar a bola. A jogarem sozinhos, como se fossem os donos da bola e não deixassem os portugueses brincar. Coisa que, como bem nos lembramos dos nossos tempos de meninice, não se faz aos vizinhos

O futebol está cheio de paradas e paradinhas. 

...Agora que o campeonato do mundo de futebol está em tempo de decisões através dos chamados pontapés da marca da grande penalidade (podíamos simplesmente dizer “através de penaltis”, mas isso iria chocar os puristas, os mesmos que acham que ninguém pode dizer se não bem de Carlos Queiroz) iremos ouvir falar dela. Da paradinha, claro!

É que a paradinha é indissociável do penalti. Seja o do decurso normal do jogo, daqueles que o árbitro só marca contra a nossa equipa, sempre em prejuízo dos nossos e sempre em acto de descarado e desavergonhado roubo, ou daqueles que o árbitro, depois de deixar passar dezenas de outros que todos nós vimos, assinala de vez em quando a nosso favor. Ou, ainda, dos tais que servem para resolver aquilo que ninguém consegue desempatar, nem que houvesse prolongamento atrás de prolongamento.

Já tínhamos visto a guia de marcha do Japão ser assinada pelo Paraguai através dos tais penaltis. Com o Cardoso a marcar o decisivo com classe e com cheiro a paradinha, coisa que nunca o víramos fazer no Benfica – aí a sua especialidade era mais falhá-los! Ontem vimos o Uruguai, depois de um jogo dramático, fazer o mesmo ao Gana, com o penalti decisivo marcado através da mais linda paradinha. Perfeita!

paradinha é um truque! O futebol é um jogo de fair play mas também é o jogo onde o “fair play é uma treta”, como um dia disse esse grande treinador, que me não canso de elogiar, chamado Jorge Jesus. Daí que seja um jogo onde todos tentam enganar todos: os jogadores tentam enganar os árbitros e os adversários, os árbitros tentam enganar as câmaras de televisão, os treinadores tentam enganar-se uns aos outros e os dirigentes tentam enganar toda a gente…

Na paradinha o marcador apenas tenta enganar o guarda-redes adversário. Porque é o único que ali está, não pode mesmo enganar mais ninguém! Parte para a bola, o coitado do guarda-redes ali sozinho e angustiado fica á espera que ele vá direitinho á bola e … zás… lá venha ela! Mas não: a determinada altura pára. Lá está: paradinha!

Quando pára deixa o guarda-redes desesperadamente entregue às leis da física, com a inércia já irremediavelmente vencida e sem possibilidade de voltar atrás. Aí, o malandro do marcador envia a bola para onde lhe apetece: o lado contrário àquele para que o seu oponente se balanceou. E chega a fazê-lo com requintes de malvadez!

paradinha é a mãe da maior das maldades: aquela em que, depois do coitado do guarda-redes por terra, o marcador pica a bola ao de leve e a faz descrever lentamente uma parabólica em direcção à baliza.

Chamam-lhe um penalti à Panenka, o nome de um jogador checo que entrou na história do futebol quando, na final do campeonato da Europa de 1976, contra a Alemanha, teve a frieza de marcar assim o penalti decisivo. A então Checoslováquia conquistaria o seu único título e, à sua frente, estava uma lenda das balizas: o alemão Sepp Maier. Ainda hoje está por saber se se tratou de coragem ou de loucura!

Desde então muitos foram os que o imitaram. Quem não se lembra de Hélder Postiga (eu sei que ninguém se lembra dele!) a fazê-lo no Euro 2004, frente à Inglaterra? Ainda ontem, um uruguaio a quem chamam de El Loco, nos deixou mais um belo exemplar...

 

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

Aí está a surpresa das surpresas: a selecção brasileira foi afastada (2-1) pela Holanda nos quartos de final do campeonato do mundo...  depois de uma primeira parte de um domínio completo construído a partir de um golo marcado muito cedo, caiu a pique na segunda.

...A selecção holandesa, particularmente rija e esperta, mesmo sem conseguir pôr em prática o seu excelente futebol, acabou por justificar amplamente a vitória. Afirma-se a partir deste jogo, o seu primeiro verdadeiro teste na prova, como uma das candidatas de primeira linha, apesar da apregoada fragilidade defensiva.

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

...Neste day after de todas as desilusões pudemos ver que a questão do seleccionador Carlos Queiroz está a dividir o país em duas partes: uma imensa maioria que vê no seleccionador a origem de todos os males e o responsável único por toda a enorme frustração deste adeus ao mundial e uma ténue minoria, associada a alguma elite que pretende intelectualizar o futebol, que o defende de uma forma militante.

Claro que as questões que se levantam ao futebol da selecção nacional não se esgotam, nem de perto nem de longe, no seleccionador. Mas é para aí que todas as atenções estão viradas!

Antes disso haveria, neste depois do adeus, que desmistificar as muitas mentiras que se instalaram no reino deste futebol. Ontem falava da maior: a classificação da FIFA, ao atribuir-lhe o terceiro lugar do ranking mundial. Mas há mais: temos o melhor jogador do mundo; dos melhores jogadores a jogarem nas melhores equipas do mundo; e até dos melhores treinadores do mundo.

Depois destas mentiras importaria reflectir na realidade da escassez de valores, consequência do abandono de uma política de formação em que a Federação, embalada por Scolari, se deixou cair. Ou na política dos clubes que em vez de investirem, também eles e de mote próprio, em formação, optam por importar jogadores em massa da América do Sul, que tapam a progressão dos poucos valores jovens que, apesar de tudo, vão surgindo. Apesar dos escalões jovens estarem inundados de estrangeiros: basta olhar para a constituição das equipas dos três grandes que disputam o campeonato nacional de juniores.

...A história de Queiroz mostra que quando assume a máxima responsabilidade em projectos de responsabilidade máxima, falha. As coisas correm-lhe bem quando assume a máxima responsabilidade em projectos que não são de responsabilidade máxima ou quando não assume a máxima responsabilidade em projectos de responsabilidade máxima...

 

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

 

A assembleia-geral da PT recusou a oferta da Telefónica para a compra da sua participação na brasileira Vivo.

Esta é a boa notícia: ... afinal sempre é uma vitória sobre os espanhóis, no dia da ressaca da derrota da nossa selecção.

A má notícia é que esta vitória portuguesa, afinal como a de ontem dos espanhóis, resulta, em certa maneira, de dedo alheio ao próprio jogo. Não é exactamente uma vitória limpa! E se no jogo de ontem acabou por nem se salientar muito a irregularidade do golo da vitória espanhola, tão convincente ela fora, na nossa vitória de hoje parece-me que não será bem assim.

...Como se esperava, a imensa maioria dos accionistas – perto dos dois terços – aceitou a oferta espanhola, uma oferta já quase irrecusável e que, poucas horas antes, subiria ainda generosamente para os 7,15 mil milhões de euros. Para se ter uma ideia do valor desta oferta – por 30% da Vivo, é bom não esquecer – basta dizer que é praticamente o valor da PT, com Vivo e tudo!

É aí que surge a tão famosa golden share do Estado, que para tanta trapalhada tem servido. ...O accionista Estado, fazendo uso da prerrogativa dourada, inviabilizou a venda e terá salvado uma PT de verdadeira dimensão internacional, com tudo o que isso representa para a economia nacional. Que é muito!

...Pela primeira vez tivemos oportunidade de observar a verdadeira dimensão de uma golden share: a defesa do interesse nacional. Até aqui apenas tínhamos assistido à sua manipulação a partir dos interesses particulares de tutelas e clientelas...

 

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

 

Como estava escrito nos astros, a selecção nacional está de regresso a casa. Cumpridos os serviços mínimos mas sem conseguir evitar uma certa frustração…

... Íamos ficando com a ideia que, enquanto toda a gente – Brasil incluído – queria evitar a Espanha, o seleccionador nacional queria mesmo encontrá-la, para nela encontrar a redenção. Claro que ninguém lhe poderia, como não pode, cobrar-lhe a derrota aos pés do campeão europeu, que chegava à África do Sul na pele de favorito-mor à conquista do título mundial.

... E pronto. Um ponto final que parece de encomenda: eliminação pela Espanha, com um só golo e, ainda por cima, acabando a jogar com 10!

Um ponto final que permitirá continuar a alimentar muitas mentiras. Apenas desmente a maior de todas: o ranking da FIFA.

Há 10 anos

10 anos como professor – HOJE! | EvangeBlog

 

As arbitragens até nem vinham mal de todo. O pano não era do melhor – não se podendo, por isso, dizer que no melhor pano cai a nódoa – mas lá iam levando a água ao moinho. Até ontem!

Vêm-nos há memória os erros em anteriores campeonatos do mundo. Com dois erros tão escandalosos como os de ontem é que não há memória…

Meios auxiliares de decisão para as equipas de arbitragem por recurso às novas tecnologias disponíveis? Claro que sim, a decisão do recorrer a essas tecnologias não pode sequer ser questionada! 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics