Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

75ª Volta a Portugal

Por Eduardo Louro

 

 

A 75ª edição da Volta a Portugal teve hoje o seu penúltimo mas decisivo dia. Hoje, com o contra-relógio que ligou o Sabugal à Guarda, conheceram-se as últimas decisões da Volta deste ano. Amanhã, como sempre acontece, será a última etapa, a da consagração. Já mais nada acontecerá até Viseu!

Ao longo destes onze dias não a trouxe aqui, o que não significa que, como amante do ciclismo, pudesse ter deixado de a acompanhar. Esta não era só a edição diamante da Volta, era também a do esperado regresso das vitórias portuguesas, depois do longo reinado do agora retirado David Blanco. Quase português, mas galego!

Mas ainda não foi desta que um ciclista português voltou a ganhar a Volta. Nem foi esta que acabou com o domínio galego, os espanhóis que mais portugueses são. E, no entanto, nunca antes – nos últimos anos, bem entendido – tantas e tamanhas oportunidades houve…

Esta foi, antes de mais, uma Volta estranha. Aconteceu de tudo. Logo na primeira etapa, no prólogo – um contra-relógio por equipas no coração da baixa lisboeta, de apenas cinco quilómetros – um dos favoritos (Edgar Pinto) furou e perdeu quase 1 minuto, deixando-o desde logo em maus lençóis. Na seguinte, o insólito: um ciclista asiático, quando seguia isolado com uma vantagem de mais de 11 minutos decidiu parar e aproveitar esse tempo para fazer uma refeição tranquila, à sombra da ponte de um viaduto. Logo a seguir, na terceira etapa, à chegada ao Monte de Santa Luzia, em Viana do Castelo, os dois ciclistas que sprintavam para a meta seguiram o caminho errado e acabaram no chão, longe da meta.

O mais estranho, no entanto, prende-se com as opções de corrida da mais bem apetrechada equipa do pelotão – a Efapel/Glassdrive, de Carlos Pereira (na foto). Bem apetrechada - de mais - com demasiados corredores capazes de ganhar. Nunca se percebeu: estava em tudo o que mexia. Punha corredores em fuga para, depois, lhe mover perseguição. Mais do que uma estratégia, a ideia fixa de entregar a Volta a Rui Sousa, era obsessão. Que deu muito maus resultados!   

Na etapa para Oliveira do Bairro, logo a seguir à da Senhora da Graça, em mais uma das coisas estranhas desta Volta, a LA Alumínios/Antarte, para vingar a derrota da véspera de Hugo Sabido – o segundo do ano passado e um dos principais favoritos – colocou sete dos seus nove corredores em fuga. Nesse grupo, que chegou a ter quinze minutos de vantagem, estavam quatro corredores da equipa de Carlos Pereira, sem que lá estivesse nenhum dos adversários. Podia ali ter ganho a Volta, deixando irremediavelmente para traz os corredores da Ofm/Quinta da Lixa – uma equipa em estreia, que teve uma Volta descansada, limitando-se a vê-los lançar os foguetes e correr atrás das canas – mas não. Na frente não fazia nada para ajudar na fuga e, atrás, rebocava o pelotão. Porque era lá que estava o Rui Sousa!

A cena voltaria a repetir-se na véspera da subida à Torre, já na Serra da Estrela. Nas Penhas Douradas era o Nuno Ribeiro – então sexto ou sétimo classificado, vencedor da Volta de há dez anos e grande trepador - quem seguia numa fuga com mais de 10 minutos. Dava-lhe para ganhar a Volta, mas não era o Rui Sousa, e o senhor Carlos Pereira põe a equipa a anular a fuga.

Ontem, na subida à Torre, era então o dia de Rui Sousa, que desde a Senhora da Graça seguia em segundo, exactamente com o mesmo tempo do camisola amarela, o espanhol Sergio Pardilla. Vestiu aí a camisola amarela mas, ironicamente, perdeu aí a Volta. Porque nem ganhou a etapa - voltou, como nos três últimos anos, a ser segundo, atrás de Gustavo Veloso, um dos galegos da Ofm/Quinta da Lixa, que passou para segundo, a apenas 6 segundos – nem ganhou tempo suficiente para se defender do outro, Alejandro Marque. Um contra-relogista, que hoje se superiorizou a ambos, ganhando 36 segundos ao seu colega de equipa (e amigo) e 1minuto e 28 ao Rui Sousa. E ganhou a Volta com 4 - a menor diferença de sempre, creio mesmo que em qualquer prova do género - e 50 segundos de vantagem, respectivamente.

Com o português, também pelo terceiro ano consecutivo, a ser terceiro na Volta a Portugal. É um lugar-comum dizer-se, nos desportos colectivos, que, quando ganham, são os atletas a ganhar e, quando perdem, são os treinadores a perder. Carlos Pereira também o disse - a excepção é Jorge Jesus, mas isso é no futebol – mas, para além de o dizer, deveria tê-lo sentido. Porque foi!

E permitiu que a equipa de José Barros, logo na estreia, ficasse com os dois primeiros lugares da Volta e arrecadasse a maior parte das vitórias em etapas. Restou-lhe a vitória por equipas, e por escassos 11 segundos. Fraco pecúlio para quem teve tudo para ganhar!  

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics