Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Futebolês #70 ABRIR AS HOSTILIDADES

Por Eduardo Louro

  

Hostilidade é coisa que não falta em lado nenhum. Na vida, no dia-a-dia de cada um, nas relações internacionais, em tudo. Mas é na política e no futebol que as hostilidades são mais visíveis. Mais que nas guerras!

Nesta precisa altura diria mesmo que nem na Síria ou na Costa do Marfim as hostilidades atingem a dimensão do que por cá se passa na política. E no futebol!

Na política há muito que as hostilidades estão abertas. Entramos agora numa escalada verdadeiramente violenta – já se luta corpo a corpo, em ataque e resposta – que até ao próximo dia 5 de Junho não parará de subir. Com maus resultados, como sempre acontece com as escaladas de violência!

No futebol é o clássico de domingo entre o Benfica e o Porto a ditar as hostilidades. Tem tudo: pode, em caso de vitória do Porto, decidir o título a seu favor – o que representaria uma dolorosa passagem de testemunho para os benfiquistas -, as memórias estão bem frescas com tudo o que se passou nas duas visitas do Benfica ao Dragão (as pedradas ao autocarro e às casas do Benfica, as bolas de golfe, os isqueiros…) e mais vivas ainda com a recente agressão a um vice-presidente do Benfica, à saída de um restaurante no Porto e, há pouco mais de uma semana, com a emboscada que vitimou o autocarro do Benfica e o carro do seu presidente quando regressavam do último jogo, em Paços de Ferreira. De retaliação em retaliação até à desgraça final – parece ser este o caminho destas hostilidades a que ninguém parece querer pôr fim.

Mas há outras hostilidades abertas. Por exemplo entre o Braga e o Sporting, com o treinador Domingos Paciência no meio. E Pinto da Costa a manobrar, evidentemente!

Percebia-se que isto viria a acontecer: o candidato vencedor das contestadas eleições do Sporting tinha, ao contrário de todos os outros – que apresentaram soluções firmes e definitivas para o que, pelo que se viu na campanha, era o mais importante problema a resolver no Sporting – deixado no ar que o seu treinador era Domingos. Disso não ficaram quaisquer dúvidas! Como dúvidas também não ficaram que, dados os interesses e as classificações na Liga do Sporting e do Braga, esse era um assunto a tratar com pinças. Ambos disputam o terceiro lugar no campeonato que, sendo o último do podium, é muito mais do que isso. É, pelas implicações que tem na estruturação e na preparação da nova temporada, a chave do sucesso da próxima época. Tão simples quanto isto: O Domingos, treinador do Braga de inquestionável profissionalismo, que orienta uma equipa em ascensão que, desde que ganhou aquele célebre jogo ao Benfica, não mais parou de ganhar, continuando assim e ganhando a um Sporting em queda livre, que recebe na última jornada, cria enormes dificuldades ao Domingos do Sporting. Que, para não começar a ver logo lenços brancos e a Juve Leo a tratar-lhe da vidinha (o cenário é bem negro, sabendo-se o que por lá se passou pela madrugada do último sábado!) tem que entrar a ganhar, sem qualquer margem de erro! Para esse desiderato o terceiro lugar é vital!

Este quadro apanhou alguém distraído. E, independentemente da manchete do Reccord – que dava Domingos como certo no Sporting, em cumprimento da palavra dada - em dia das mentiras, alguém acabará traído. Que o Braga tinha o problema resolvido, e que se estava já nas tintas para o Domingos, já todos tínhamos percebido. Nem sequer houve qualquer esforço para o esconder: Pinto da Costa já tinha tratado da solução Leonardo Jardim, como aqui referi há uns tempos, e, portanto, para o Braga, não havia qualquer problema. Para Pinto da Costa, que via os sportinguistas encantados com Van Basten, Rijkaard e Zico, também não! Só depois é que percebeu que teria de ordenar, já completamente fora de tempo, a renovação do contrato com o Domingos. E mais uma vez deixou claro que  abre hostilidades sempre que lhe convém, coisa que os de Alvalade têm dificuldade em perceber!

E com tudo isto já me ia esquecendo do futebolês – que é aquilo que aqui nos traz todas as semanas. Abrir as hostilidades, em futebolês, não tem nada a ver com essas guerras. Refere-se apenas àqueles jogos mornos, com toda a gente entretida no tal estudo mútuo, num jogo que nem ata nem desata e, de repente, alguém abre o livro, alguém pega no jogo, e alguém espevita aquilo. Basta, às vezes, um simples remate para, de repente, a intensidade subir e projectar o jogo para outra dimensão. De repente o jogo mudou. É outro, o que nunca sucederia se alguém não tivesse decidido abrir as hostilidades! Uma pedrada no charco que rompeu com a paz podre

E, disto sim! Disto é que também o país precisa… Não é das outras hostilidades!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics