Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Porquê?

Por Eduardo Louro

 

Um conjunto de figuras públicas, complementado – de forma que me não parece inocente - por uns jovens desconhecidos começou a surgir-nos nos ecrãs de televisão a avisarem-nos que “querem matar uma instituição com mais de dois séculos de História”. Depois interrogam-se (interrogam-nos): porquê?

A “instituição com mais de dois séculos de História” é o Colégio Militar. E a ameaça de morte é a admissão de meninas. Das meninas de Odivelas, exactamente!

Com a extinção do Instituto de Odivelas, igualmente uma escola do exército, mas feminina, as alunas foram transferidas – a ver vamos se integradas – para o Colégio Militar, coisa que levou o pavor à nobre, fidalga e marialva associação de ex-alunos daquela instituição centenária. E que me trouxe a mim enormes surpresas.

Desde logo a de alguém ver um mal naquilo que é um bem. Eu, que ainda sou do tempo da rígida separação de turmas masculinas e femininas, fico parvo de surpresa ao saber que, hoje, nestes dias que todos vivemos, uma escola masculina morre por se abrir a raparigas. Como é que aquilo que para mim seria uma bênção dos deuses é para esta gente um instrumento de morte?

Depois, a surpresa de ainda me não ter apercebido de nenhuma reacção feminista. Activistas que todos conhecemos, e em particular na blogosfera, estão surpreendentemente caladas. Reacções institucionais, que eu saiba, nada…

Bom, não conheço aqueles rapazes que aparecem a disfarçar aquele quadro de figuras públicas. Admito que sejam dos mais puros marialvas. Também não conheço o Luís Esparteiro se não das telenovelas que não vejo - o que não me impede de saber que é o que faz na vida - mas reconheço-lhe até um certo ar de marialva… Também não são os generais que por lá passam a surpreederem-me.

Mas se o marialva Adriano Moreira me surpreende, para o marialva José Fanha não encontro palavras. Dizer que me surpreende é pouco. E que me intriga não chega!

Porquê?

FOI ASSIM!

Por Eduardo Louro

 

Vestido a rigor, bem cedo o povo saiu à rua. Primeiro de Maio há só um, e há que aproveitar… antes que esgote. Que acabe, como tudo está a acabar… Nunca se sabe se vai haver mais, quando tudo se está a ir, como se tudo o vento levasse…

Chegar bem cedo, como o povo gosta. Porque, cedo erguer, mesmo no feriado, dá saúde e faz crescer. E depois é esta coisa estranha que temos dentro de nós, esta vontade indómita de chegar primeiro. De sermos os primeiros, os maiores… Quem primeiro alça, primeiro calça!

Vestido o melhor fato de treino domingueiro, foi um ver se te avias… A corrida começou logo à saída da porta e ainda mal o sol raiava já lá estavam todos, ordeiramente arrumados em fila. Sim, porque não é primeiro quem quer, se assim fosse seríamos todos primeiros. E somos ordeiros, mau grado um ou outro exagero, um ou outro excesso em situações limite.

E ali, em fila ordeira, depressa passaram aquelas duas ou três horas. Que seriam sempre de seca, de enorme seca, não fossemos também dados à conversa. Rapidamente fazemos conversa, de tudo fazemos tema, sobre tudo temos opinião: a melhor – claro, não fazemos isso por menos. A facilidade com que temos opinião sobre tudo, mesmo sobre aquilo de que nem fazemos ideia, é a mesma com que a transformamos numa verdade insofismável dos factos.

Fala-se de tudo e de nada. Da novela ao futebol, mas fala-se sobretudo deles. Eles, essa entidade mítica criada no imaginário da condição portuguesa, são as estrelas das conversas que temos. Eles, os culpados de tudo o que nos acontece a todos e a cada um de nós. Eles, os responsáveis pelo estado a que isto chegou. Eles, que só existem para tratar da vida…deles. E para nos tramar!

Entretanto começavam a chegar uns polícias. O povo é sereno. E ordeiro, mas as coisas às vezes descambam … Os ajuntamentos comportam sempre riscos, e aí está a História para ajudar a lembrá-los. E, como o homem, polícia prevenida vale por dois. Por duas!

O grande momento aproxima-se. Os ponteiros do relógio marcam já as nove horas, as portas abrem-se e rapidamente engolem aquela multidão, já desordenada que não, ainda, desordeira. Ouvem-se as primeiras exclamações de surpresa, logo seguidas de outras, mais fortes, de desilusão. Daí à revolta foi menos que o tempo de um foguete no ar: malandros, enganaram o povo!

Então? Mas isto é só descontos de 25%... E durante toda a semana, exactamente como está aqui no folheto…Foi para isto que viemos para aqui às seis da manhã?

Isto não se fazAndam a gozar com o povo...

Pouco a pouco começavam a sair com os seus carrinhos cheios. Uns, de compras, outros de raiva!

Foi assim, no sítio do costume: um pouco por todo o país, neste primeiro de Maio!

Estes tipos do marketing são tramados... 

PARA ALÉM DA ESPUMA...

Por Eduardo Louro

                                                                      

Veio hoje a saber-se que a famigerada campanha do Pingo Doce no passado primeiro de Maio teve um custo de 10 milhões de euros. Os responsáveis do grupo dizem que se tratou e um investimento, com retorno em notoriedade e em vendas, que cresceram perto de 5% no primeiro semestre.

Um investimento promocional, com dumping pelo meio, como então por aqui se disse, e hoje os próprios confirmam: “… as televisões garantiram horas e horas de publicidade gratuita, dando-lhe todos os argumentos de defesa se, coisa inimaginável, alguém decidir acusá-los de dumping. É que podem sempre negá-lo, com o simples argumento de que a sua promoção deste primeiro de Maio contém um proveito extraordinário em horas de publicidade que valem uns bons milhões de euros

Se bem nos lembramos o tema dominou o espaço mediático durante mais de uma semana e foi pasto para tudo. Talvez por isso se justifique voltar recordar o que aqui então também se disse:

O que eu não percebo é por que é que esta foi uma questão de direita e de esquerda e não uma questão de princípios, como o respeito – pelos outros e pela História – ou a ética, empresarial e cívica! O que eu não percebo é como tudo o que é fazedor de opinião de direita, que sempre acusam a esquerda de arrogância e de complexos de superioridade intelectual, não tenham resistido a aproveitar esta oportunidade para se atolarem em populismo e se perderem num labirinto de ideias demagogas e de disparates sem nunca encontrarem a saída. Quiseram fazer confundir uma campanha promocional – de mau gosto, mas é apenas uma opinião – como uma missão de solidariedade”.

O tempo encarrega-se normalmente de deixar as coisas claras. Por isso o bom senso popular aconselha a “deixar assentar o pó” ou procurar ver para além da espuma…

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics