Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

MAIS FLASHES

Por Eduardo Louro

 

Voltei a uma consulta ao hospital – não, descansem que nem estou a ficar doente nem as salas de espera dos hospitais passaram a fazer parte dos meus fetiches – e, dada a minha experiência anterior, voltei a não levar nada para ler.

A verdade é que nem sempre tudo corre bem. Às vezes há imponderáveis que são capazes de fazer correr mal - ou mesmo muito mal – aquilo que tinha tudo para correr bem. Foi o caso: mais de três horas de espera!

A sala desta vez era outra. Maior e com uma configuração em L, estranha e, pareceu-me, pouco dada ao exercício preferido dos portugueses nestas circunstâncias: a conversa, em especial a conversa sobre doenças. As que têm e as que imaginam ter. Fui passando os olhos por toda aquela fauna bem própria deste habitat. Algumas personagens destoam: mulheres altas e louras, bem encorpadas e de olhos claros. Invariavelmente com crianças! Mulheres e crianças, a deixar a ideia que naqueles imigrantes do leste europeu os homens não têm tempo para adoecer. Apenas para trabalhar e garantir o sustento da família!

O ritmo de chamadas é grande: “serviço M - senha 123 – gabinete 214”! A voz é agradável e repete a chamada enquanto um monitor se esforça por captar a atenção da sala com o piscar sucessivo e rápido da mesma informação. Sem qualquer ordem! A sequência, conforme também explica o mesmo monitor, é por ordem de marcação da consulta, e não de chegada, ou qualquer outra! À senha 123 não se seguirá a 124!

É como se toda aquela gente estivesse de olhos vendados, a jogar à cabra-cega o que, começo então a perceber, explica - mais que a configuração da sala – a desmobilização geral. É isso, as pessoas estão tão suspensas da cadência daquela voz e da do piscar daquele ecrã que nem lhes dá para conversar.

Mesmo assim sinto o assédio: um olhar, um desabafo ou uma tirada mais ou menos provocatória. Porque não é só para dançar o tango que, como descobriu alguém que bem conhecemos (e aqui cumpro uma pausa de silêncio em respeito pela dor de alguém que, em pouco mais de duas semanas, perdeu o pai e um irmão), são precisos dois. Para a conversa também!

Resisti – confesso que entre desconhecidos não é nada fácil arrancarem-me uma palavra – mas, como sempre acontece, o que uns rejeitam outros desejam. “Venho para a consulta de diabetes; o que me vale é que é só de 6 em 6 meses” – lançou a rapariga de 34 anos, como ela própria se intitularia pouco depois:”sou uma rapariga nova – sim, só tenho 34 anos – e já tenho tantas doenças”, sem contudo adiantar mais nenhuma.

“Eu tenho açúcar a menos, vim com o meu pai, que tem açúcar a mais, porque eu, ao médico, só vou ao do seguro”, reponde, formando-se finalmente o par, um homem de 39 anos, confirmados da mesma forma:”eu tenho 39 anos e no fim do ano vou para a reforma; até aos 65 estou safo”! Trabalha numa serração de madeiras onde, pelo que foi dado perceber, teve a sorte de sofrer um acidente de trabalho de que, à vista, não sobram sequelas: “se não tivessem desligado a máquina todo eu tinha sido feito em salsichas”!

Ela está desempregada há mais de dois anos. E sem qualquer subsídio. “Não fosse o marido…” Tem portanto marido. E duas filhas pequenas que não lhe permitem regressar à sua antiga actividade: motorista de camion, nos transportes internacionais. “Se lá fosse pedir emprego voltavam a aceitar-me. É disso que eu gosto. Saía-me do corpo mas ganhava muito bem. Depois casei…”

“Pois, agora há muitas mulheres nessa vida. Não a queria para mim! Mas olhe que isso agora não está bom, eu conheço uns imigrantes do leste que andam nisso e dizem que está mau”- respondeu-lhe ele!

A conversa passara já pelo custo de vida, pelos combustíveis e, daí, por carros. Ele tinha um carro de alta cilindrada: um Xantia, 1600, que apenas conseguia manter porque não precisava de o usar. “Trabalho portão com portão e, ao fim-de-semana, só saio no Verão. No inverno não saio de casa”. O Xantia - para quem ligue pouco a automóveis – é o modelo topo de gama (a indústria automóvel alemã provocou nos últimos 20 anos um downgradind generalizado dos modelos de topo dos restantes construtores) da Citroen dos anos 90, o antecessor do actual C5. Ela tinha um pequeno velho utilitário, a gás: “como anda pouco não lhe compensa meter a gás, mas a mim compensa, que ando muito”!

“Serviço A - senha 105 – gabinete 202” – ouviu-se. Ela levantou-se e dirigiu-se apressadamente para a porta em frente. A conversa acabou ali mesmo, sincopada, sem uma despedida. Nem um último olhar!

A conversa é descartável. Como as pessoas!

Acho que é por isso que ninguém me consegue arrancar uma palavra, por maior que seja o assédio!

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics