Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

INVERSÃO DE PRIORIDADES E OUTRAS INCÚRIAS

Por Eduardo Louro

 

A estória que vou contar ouvi-a na passada quinta-feira numa sessão da SEDES, em Leiria, e tem a ver com a directiva que a Comissão Europeia pariu (ou pôs?) sobre o bem-estar animal, na circunstância as galinhas poedeiras.

A directiva é bem conhecida, foi já suficientemente divulgada, e entrou em vigor em Janeiro, impondo, entre outros factores de qualidade de vida (?) para as pobres aves, uma maior área (o triplo) por cabeça, um poleiro, areia e até um dispositivo para afiar as unhas. Condições que obrigam a uma completa reestruturação dos aviários e significativos investimentos.

Os principais produtores europeus de ovos são países do sul: Portugal, Espanha, França, Itália e Grécia. Os mais prejudicados (sempre os mesmos) e os que passam por maiores dificuldades, como é sabido.

Muitos produtores não estavam em condições de fazer esses investimentos e fecharam as suas unidades. Resultado: diminuição da produção e necessidade de importar – fala-se de 500 mil toneladas – ovos. Da América: Estados Unidos, Brasil e Argentina, principalmente!

Ovos que são produzidos nas mesmas, se não em piores condições. Mas, como diz a outra, isso agora não importa nada. Como não importou nada que a Europa tivesse escancarado as portas a produtos doutras paragens do globo, fabricados a baixo custo à conta dos mais elementares direitos dos trabalhadores.

O governo português, que acaba de aumentar em 10 mil as vagas para idosos em lares, não à custa de novos equipamentos, nem do alargamento da capacidade dos existentes, mas simplesmente da alteração do respectivo licenciamento, reduzindo as áreas per capita dos quartos e demais instalações, foi lesto na transposição desta directiva. Dando a ideia que as galinhas são mais importantes que as pessoas, quando afinal se trata da simples confirmação do bom aluno, bem comportado! Nem que para isso o que pareça é!

A Derovo, uma empresa de Pombal que nasceu da associação de produtores de ovos da região de Leiria – região que, á data, concentrava cerca de 30% da capacidade produtiva nacional – com o objectivo de responder às vicissitudes e oscilações do mercado, e de encontrar uma resposta industrial para os subprodutos derivados transformou-se, em apenas uma dúzia de anos, no líder mundial na transformação de ovos. É um caso de sucesso, estudado internacionalmente e um dos expoentes da inovação nacional.

Desenvolveu novos produtos, adaptando o ovo a cada utilização final. Tem produtos específicos para a restauração ou para a pastelaria. Internacionalizou-se e estabeleceu parcerias para segmentos especializados, como as sobremesas e as bebidas. Desenvolveu produtos, aproveitando as inesgotáveis capacidades alimentares do ovo, para dar resposta a necessidades prementes de doentes com problemas de ingestão e ou digestão de alimentos.

Fez tudo e bem, como poucos fazem em Portugal. Fez o que se exige ser feito para que a economia portuguesa abandone o seu marasmo congénito. Inovou, desenvolveu, internacionalizou-se e exporta. E está agora com grandes dificuldades em matéria-prima para dar resposta à dinâmica que criou!

Porque não acautelou os efeitos desta directiva? Não. Essa é a segunda parte da estória.

A Derovo antecipou esta realidade e, fazendo o percurso inverso ao da sua criação, chamou os produtores e desafiou-os a participar num investimento para um milhão de galinhas nas novas condições exigidas, em Proença-a-Nova. Para que, chegada esta altura, tivesse asseguradas as suas necessidades de matéria-prima. 

 Só que esperou dois anos pela aprovação do projecto de impacto ambiental. Isso mesmo, uma empresa de referência, um projecto PIN, esteve dois anos à espera de um despacho governamental. E não se pense que o líder da empresa, Amândio Santos, esteve durante esses dois anos sentado na sua secretária à espera que o ovo saísse. Não, andou a bater à porta de tudo o que era secretário de estado. E teve todo o apoio do incansável Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova. Imagine-se se não fosse assim!

Espera agora que, quando em Outubro a unidade abrir as portas para receber as sortudas galinhas, não seja tarde de mais…

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics