Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

MORREU MUBARAK!

Por Eduardo Louro

                                                                      

Morreu Hosni Mubarak, o ditador egípcio que há semanas havia sido condenado a prisão perpétua. Pena leve, como se vê!

Com as confusões - eleitorais e não só - que se têm sucedido, e com a desesperança instalada no Egipto e com a manutenção do poder nas mãos dos militares, talvez esta morte represente mais para os que fizeram brotar a Primavera na praça Tarik do que propriamente o caminho onde a revolução desembocou!

 

PS: Deveria ter começado por: "Morreu - ou talvez não - Hosni Mubarak".

Esta não é uma das mortes em que as notícias sejam manifestamente exageradas. Mas uma daquelas em que as notícias se confirmam e desmentem à velocidade de um raio!


ACONTECEU NUM ESTÁDIO DE FUTEBOL

Por Eduardo Louro

  

Aconteceu num jogo de futebol entre o Al Masry e o Al Ahly - de Manuel José - do campeonato egípcio, ficará  na História como uma das maiores tragédias em recintos desportivos, mas  tenho alguma dificuldade em aceitar que esta tragédia de Port Said tenha alguma coisa a ver com futebol.

Todos sabemos que, infelizmente, há violência no futebol. Mas não este tipo de violência, que dificilmente deixaremos de associar à situação política e social que se vive no Egipto, caracterizada ela própria pela violência.

Há muito que o sol deixou de brilhar na Primavera Árabe, em particular na egípcia. Há muito que a as flores que nasceram na Praça Tahrir secaram e que nuvens bem negras anunciam o inverno ... e o inferno.

Morreram 74 pessoas num campo de futebol. E quase duzentas ficaram feridas. Estou em crer que é essa localização circunstancial o único elo de ligação desta tragédia ao futebol. Mesmo no Médio Oriente!

 

VALE A PENA APOSTAR NO EGIPTO

Por Eduardo Louro

 

As recentes e bem sucedidas movimentações populares na Tunísia e no Egipto deixaram muita gente surpreendida. Gente que, no Ocidente e mesmo no nosso país, entendia bem mais cómodo, seguro e interessante manter ditadores no poder, sabendo com o que podia contar, do que correr alguns riscos que poderiam provir da abertura desses regimes.

Sobre esta perspectiva histórica do Ocidente já aqui me pronunciei recorrendo, inclusive, à célebre e notável expressão utilizada por Kissinger. O que hoje me faz voltar ao tema são as opiniões de alguns sectores da nossa opinion making que, partindo eventualmente do mesmo princípio, vêm publicando teorias da desgraça que mais não fazem que desvalorizar aos olhos da opinião pública a enorme importância da queda de Mubarak e da romântica libertação do Egipto a partir da agora famosa Praça Tahrir.

Refiro-me a pessoas como José Pacheco Pereira, Vasco Pulido Valente ou Vasco Graça Moura. Que preferiram amedrontar com o que aí vem, profetizar a desgraça substanciada no que já ameaçavam como a eminência de uma viragem do Egipto para o fundamentalismo islâmico, a exaltar a fantástica oportunidade para nascimento da primeira experiência democrática do mundo árabe.

Esta lamentável, do meu ponto de vista, visão corresponde exactamente à falta de proactividade ocidental na defesa da democracia. Ou talvez pior, a uma certa ideia que a democracia é privilégio de apenas alguns. Nosso, só nós temos direito à democracia e, num sentido mais lato, ao nosso privilegiado modo de vida. Os outros que se lixem…É por isso que as coisas correm tantas vezes mal!

Pela tese dessas pessoas os egípcios estariam já, a esta hora, a dar vivas a Ahmadinejad e dispostos a engrossar as fileiras de Bin Laden. Pois, mas é ao contrário. O que já se vê é o povo do Irão de novo a levantar-se e a acreditar que a hora da sua libertação também poderá estar a chegar!

Vale a pena apostar no povo egípcio. Vale a pena apostar no povo árabe que não poderá estar condenado a escolher entre os ditadores pró-ocidentais e os fundamentalistas islâmicos. Também tem direito a escolher a democracia e o respeito pelos direitos humanos. E, fundamentalmente, pelo reconhecimento dos direitos das mulheres, que só a abertura à democracia poderá promover

EGIPTO: O CENTRO DO MUNDO

Por Eduardo Louro

 Comissária da ONU fala em 300 mortos nos protestos (SIC)Escudo de Egipto

 

A revolução iniciada na Tunísia alastrou ao Egipto? É o que se diz!

Até pode ser que seja assim, que tenha alastrado… mas, não é a mesma coisa. Nem mais ou menos!

O Egipto não é o Magreb. Em comum pouco mais têm que o facto de serem governados pelos nossos filhos da puta (a expressão não é minha; é de Kissinger quando, referindo-se a Pinochet, dizia: é um filho da puta, mas é dos nossos)!

O papel do Egipto nos equilíbrios da mais instável região do mundo dos últimos 50 anos é único e decisivo. Como único e decisivo é o papel do Egipto no futuro do radicalismo Islão. No seu incontrolável avanço ou na sua contenção…

O Egipto é o único aliado árabe de Israel e um forte parceiro nos acordos de paz. O Egipto é dos maiores países árabes e a biblioteca do mundo árabe, o seu maior centro cultural. E o principal berço da Al Qaeda…

Joga-se neste momento no Egipto mais que o seu futuro. Mais do que o futuro do Médio Oriente: o futuro do mundo e de uma certa forma de olhar para ele a que chamamos civilização!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics