Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Que chatice!

Resultado de imagem para chatice

 

Com tudo pacatamente à espera que as horas passem até que cheguem as últimas doze badaladas do ano, e com o Presidente a despachar a comenda do Jorge Jesus para fazer as malas de partida para o Corvo, não se passa nada. É uma chatice... Não fosse o "sempre em pé" Augusto Santos Silva ter dito umas coisas, que não deixam de ser verdade mesmo que as não devesse ter dito - logo ele, pouco senhor da verdade -, e não se passava mesmo nada. 

É verdade que não se passa nada, na mesma. Mas fala-se. E fala muita gente. E levou troco: "as afirmações proferidas pelo ministro dos Negócios Estrangeiros só podem ser entendidas por terem sido ditas por alguém que, vivendo fechado em ambientes palacianos, há muito que não sai à rua para ver como o mundo lá fora gira e avança". O que também não deixa de ser verdade!

A verdade também é uma chatice!

EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES

Por Eduardo Louro 

 

A recente polémica em volta do Grupo Jerónimo Martins continua a sugerir algumas reflexões. Sem me repetir nalgumas das ideias que a propósito aqui deixei, e ainda sem me deter nas assimetrias fiscais da UE que, permitindo uma concorrência desenfreada entre os países membros, evidenciam bem quão longe está – e sempre esteve – de representar a união do que quer que seja e a dificuldade em garantir a sustentabilidade de uma moeda única comum, fixar-me-ia, por agora, num aspecto particular do modelo de desenvolvimento económico vigente no país que, tanto ou mesmo mais que a desgovernação das últimas décadas, é responsável pelo estado a que chegou Portugal.

Não é a primeira vez que aqui trago esta ideia. A economia nacional e a capacidade empreendedora do país distribui-se por três categorias de agentes: o Estado – o sector público empresarial, enquistado de compadrio e a funcionar como uma espécie de saco azul que serve para pagar favores e fidelidades -, o vasto sector dos bens não transaccionáveis – onde, muito à sombra do Estado, floresceram, em particular, as áreas da distribuição, a financeira, da energia e das telecomunicações – e, depois, um sector que cabe no vulgar conceito das PME, onde verdadeiros empreendedores, na maioria anónimos, garantem o parco emprego e a limitada capacidade industrial da economia e ajudam a manter viva a esperança de que as exportações nos possam resolver os problemas e desatar os nós cegos da situação financeira em que o país caiu.

Quando olhamos para o PSI 20, ou para as diversas listas dos portugueses mais ricos, o que encontramos é aquela segunda categoria. Fixando-nos no pódio dos mais ricos, lá vemos Américo Amorim, Soares dos Santos e Belmiro de Azevedo. Todos começaram ou passaram pela actividade industrial. Todos a abandonaram, ou praticamente a deixaram ao abandono!

Américo Amorim para se fixar no turismo, no sector financeiro e na energia. Belmiro de Azevedo para a distribuição e as telecomunicações. Não é pela Sonae Indústria que também, já há uns anos, a sede do grupo se transferiu para a Holanda!

Corticeira Amorim e Sonae Indústria eram, há vinte ou trinta anos, das maiores empresas industriais do país!

O Grupo Jerónimo Martins nasceu no comércio no final do século XVIII, há mais de 200 anos, a partir de uma loja no Chiado. Nos anos 50 do século passado, aproveitando o condicionalismo industrial do regime de Salazar e em parceria com a multinacional anglo-holandesa Unilever, até então sua fornecedora, entra na indústria alimentar e na de produtos grande consumo: uma actividade industrial diversificada, alicerçada numa aliança com uma das maiores empresas mundiais do sector e sustentada em grandes marcas globais. Quer dizer, com todas as condições para crescer e desenvolver em Portugal uma fortíssima actividade industrial de grande relevância económica, uma enorme alavanca de desenvolvimento!

Mas não. O grupo escolheu a distribuição para crescer e chegar onde chegou! E o contributo da distribuição, desta distribuição em Portugal, como bem se sabe, para o desenvolvimento da economia nacional é tudo menos pacífico…

Quero com isto dizer que o regime produziu coutadas na economia – reservas onde a protecção é grande, o risco é baixo ou nulo e os resultados grandes e garantidos - que os empresários mais cotados – e não me refiro, embora também pudesse, à cotação que essa espécie de agência de notação que funciona na Presidência da República, que os classifica a partir das comendas que lhes atribui – naturalmente, privilegiam.

Não admira que os empresários de mais condições – dimensão, capacidade financeira, sinergias, etc - as dirijam para esses sectores da economia, deixando a indústria para os outros. Esses sim, verdadeiros empreendedores a quem as comendas nem sempre chegam!

Enquanto o triple A Alexandre Soares dos Santos (três comendas) era atacado por uns e defendido por outros desaparecia um desses empreendedores – por acaso, mas também por mérito, comendador – que, fora dessa coutada, na indústria, arriscou, inovou, desenvolveu e criou verdadeira riqueza. Leonel Costa era um dos grandes empreendedores deste país. Sem ele, o país e esta região ficam ainda mais pobres!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics