Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

ESPIRAL DE DEGRADAÇÃO

Convidada: Clarisse Louro *

 

O país entrou numa espiral de degradação de que não há memória. Tenho sérias dúvidas que encontremos na nossa História contemporânea outro momento onde tanto se tenha atentado contra o direito à dignidade.

Sim, sou do tempo da ditadura, vivi neste país amordaçado até à minha juventude… Sei do que então se passava, mas sei que, pelas condições da sociedade portuguesa nesses tempos – analfabetismo, acesso à cultura, níveis de consumo, etc. – a mancha social atingida pelos atentados de então era bem menos expressiva que a actual.

A coberto daquela ideia absurda de que andamos para aqui durante anos numa festança completa - a viver acima das nossas possibilidades, como os ideólogos do regime se encarregaram de propagandear, repetindo-o as vezes necessárias para tornar essa falácia numa verdade absoluta e indiscutível – criou-se na sociedade portuguesa um sentimento de aceitação da punição. Criou-se uma espécie de pecado original que, em vez de remível pelo baptismo, é expiado pelo sacrifício ilimitado e pela flagelação, que os mesmos ideólogos trataram logo de preparar. Sem a mínima preocupação com a dignidade de cada um!

As sucessivas revisões da legislação laboral – que, dizem-nos de Bruxelas, ainda não são suficientes – os sucessivos cortes nos salários da função pública, o crescimento acelerado do desemprego e a chegada permanente de milhares de jovens às portas fechadas do mercado de trabalho, quebraram qualquer sombra de equilíbrio entre capital e trabalho. Sem mínimas preocupações de dignidade!

Com o desemprego a galope, e já perto dos 40% nos jovens, o regime encontra duas soluções: a emigração – com indicação expressa do caminho, sem percepção do autêntico crime de desperdício que isso representa – e o empreendedorismo, a mais recente descoberta para afrontar a inteligência das pessoas. E nisso também a sua dignidade: como se a economia estivesse para isso, como se as oportunidades pairassem por aí, como se empreender – e seja lá isso o que for - seja coisa que dependa apenas da necessidade de cada um.

É por tudo isto que centros de saúde de Lisboa e Vale do Tejo contrataram enfermeiros a menos de quatro euros à hora. Profissionais altamente qualificados, formados em quatro anos de ensino superior - onde só entram os melhores, basta ver as respectivas notas de acesso - num dos cursos que mais recursos exige, que mais caro sai aos contribuintes. E que constituem o principal pilar dos serviços de saúde, porque são eles os únicos profissionais que, em saúde, estão presentes em todos os momentos. Isto não ofende apenas a dignidade dos enfermeiros e de quem os forma. Ofende a de todos: cidadãos e contribuintes!

Mas é o Estado que está a cometer este atentado? Não. Mas é o Estado que o promove!

Porque não contrata os quadros de que necessita, e prefere, perversamente, contratar serviços. Empreendedores dos sete costados apressam-se a concorrer, recrutando enfermeiros que não têm outra alternativa de mercado de trabalho, ao preço e como se tratasse de serviços de limpeza. Um “rentável proxenetismo de enfermagem”, como dizia Ricardo Araújo Pereira, na Visão.

É deste empreendedorismo que provavelmente se fala: sem risco e cheio de oportunidades. Do proxenetismo, que bem sabemos como lida com a dignidade!

 

 

* Publicado hoje no Jornal de Leiria

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics