Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Fatalidade histórica

Resultado de imagem para batalha de la liz

 

Nem só de cinquentenários vive este ano. Também se comemoram centenários, e hoje passam 100 anos sobre a batalha de La Lys, na Flandres francesa, quando a I Guerra Mundial. já dava as últimas É habitualmente apresentada como uma página épica da nossa História, mas não foi bem assim. Seria mais ajustado chamar-lhe a Alcácer Quibir dos tempos modernos, tantas são as semelhanças...

À beira da derrota, que se consumaria poucos meses depois, e já em desepero, o exército alemão lançou um contra-ataque violento que apanhou pela frente, e destroçou por completo, o inexperiente e mal preparado corpo militar português, que não sabia o que era combater na Europa desde as invasões francesas. Não sabia o que era o combate de trincheiras e, africanizado, nem sequer de fardamento adequado dispunha.

O que hoje se comemora, com o Presidente da República e o Primeiro-Ministro por terras gaulesas, não é uma página gloriosa da História de Portugal. O que na realidade aconteceu naquela madrugada de 9 de Abril, há 100 anos, é mais uma inevitável fatalidade histórica tantas vezes repetida nas mais diversas circunstâncias da nossa História!

 

O DESTINO... SEMPRE ELE!

Por Eduardo Louro

 Espanha estraga a festa a Portugal

Quando o país mostrava ao país que é possível enfrentar a fatalidade e mudar o destino, quando provavelmente alguns dos que durante a tarde tinham cantado a Portuguesa por essa rua fora, a cantavam dentro de um pavilhão, em Paredes, onde se discutia o título europeu de hóquei em patins, alguma coisa de sobrenatural se encarrega de nos trazer de volta ao nosso fado.

Ontem, Portugal não repetiu o que se repete há catorze anos. Ontem, não viu a Espanha tornar-se mais uma vez campeã da Europa – a sétima consecutiva. Ontem Portugal perdeu o campeonato da Europa. Ontem Portugal não perdeu o campeonato para a Espanha: perdeu-o para o destino!

Perdeu mais que mais um campeonato da Europa de hóquei em patins, que até há vinte anos atrás dominava de forma esmagadora. Perdeu alma e foi esmagado pela fatalidade traiçoeira!

A selecção nacional tinha e teve sempre todas as vantagens. Chegara ao jogo final e decisivo com o rival de sempre em vantagem no coeficiente de golos, situação que tornava um empate suficiente para recuperar, catorze anos depois – então também em Portugal, e também nesta região capital do móvel (Paços de Ferreira) -, um título por que todos esperavam.

Durante o jogo esteve sempre em vantagem. Ao intervalo ganhava por 2-1. No início da segunda parte os espanhóis empataram mas, logo de imediato, na saída de bola, a selecção nacional voltou para a frente do marcador, onde se manteve por largos minutos.

Os espanhóis atingiram a décima falta quando o registo da equipa nacional se ficava ainda pela sexta. Ao desperdiçar o respectivo livre directo, desperdiçou essa vantagem, deixando-os a quatro faltas e ficando a cinco de nova oportunidade. Estas coisas fazem o destino, e os espanhóis empataram: nada de grave, o empate serve-nos…

A equipa espanhola atinge a décima quinta falta ainda antes de a nossa chegar à décima: vantagem reforçada! Voltamos a falhar o livre directo, como havíamos falhado o primeiro e como havíamos entretanto já falhado outro, noutra situação de jogo. Logo a seguir a equipa atinge a décima falta: os espanhóis não desperdiçam e, pela primeira vez, passam para a frente do marcador. Faltam pouco mais de dois minutos, o pavilhão gelou, as gargantas, secas, calaram-se. As caras dos jogadores são rostos de quem acaba de se encontrar com o diabo, ou mesmo algo ainda mais aterrador …

O medo é capaz do impossível, e o impossível aconteceu com um penalti - de novo na bola de saída – convertido no 4-4 da nossa felicidade. Faltavam ainda cerca de dois minutos – uma eternidade em hóquei – mas já ninguém nos roubaria a festa que tão bem enfeitava este sábado de mudança…

A equipa ia segurando a bola, escondendo-a dos espanhóis, que a perseguiam (à bola e aos jogadores portugueses) que nem loucos. E o tempo a passar… Dez… nove… oito… sete – contava-se e cantava-se no pavilhão – seis… Portugal tem a bola junto à baliza espanhola. Perde-a… O destino, outra vez!

FATAL(IDADE)

 

Por Eduardo Louro

 

Fiquei com a sensação que debate de hoje foi fatal para Passos Coelho: Portas ganhou claramente o debate e deixou a ideia que foi clemente para o seu adversário. Ficou a ideia que Portas, quando viu o seu adversário no tapete, quis poupá-lo. Não certamente por misericórdia ou por clemência mas por interesse estratégico!

Receava-se este desfecho a partir do primeiro debate – com Jerónimo de Sousa – na altura aqui identificado como o mais fácil de todos para Passos Coelho. Confirmado este receio começa a perspectivar-se uma jornada de autêntico pânico para o decisivo debate com Sócrates!

E com a sondagem hoje divulgada (PS 36,8%, PSD 33,9% e CDS 13,4%) as nuvens negras adensam-se! Há 40% de indecisos para resolver isto. Espero que sejam dos que não vêem debates!

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics