Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

2011 A CAMINHADA DO MEDO

Convidado: Luís Fialho de Almeida

 Graça Morais_Série 2011_A Caminhada do Medo, 201

Depois de outras abordagens à estética da paisagem e à estética das coisas, a estética dos sentimentos é um domínio vasto para os artistas que tem a sensibilidade de lhe dar expressão.

 “A Caminhada do Medo” é o título da obra mais recente da artista plástica Graça Morais, distinguida no passado sábado com o prémio das Artes Casino da Póvoa 2011.

É um conjunto de desenhos e pinturas que reflectem os sentimentos de angústia e preocupação da autora em relação ao presente e ao futuro do país e do mundo, inspirada na reflexão sobre as notícias e imagens transmitidas diariamente pelos órgãos de comunicação social.

Retrata a sensação de medo perante o desconhecido e um futuro cada vez mais incerto - as cenas do quotidiano, os tumultos recentes, os deserdados da sorte, os milhões de pessoas que se deslocam no mundo fugindo das guerras, dos massacres, da fome e da pobreza, procurando um mundo melhor. A temática é de extrema actualidade perante um governo que nos incentiva a emigrar e, simultaneamente, retira os apoios ao ensino de português junto das comunidades de emigrantes. Um governo cujo único programa de governação é a austeridade.

É uma pintura de intervenção política, transformando em arte o grito, a indignação e o repúdio, ao jeito dos massacres de Goya ou da Guernica de Picasso, obras às quais a autora, humildemente, diz não se comparar. Pintar assim, é um acto de cidadania como é também, entre outros, o movimento de cidadãos que exige auditoria às contas públicas.

Já em colecções anteriores - a mesma visão com alma e sentido social – se destacam os traços que a ligam à terra, à natureza, às suas origens e suas gentes. Que Graça Morais leva a tela na forma de rostos marcados pela dureza da vida nas terras do interior transmontano.

Interessante a ligação matrimonial a Pedro Caldeira Cabral, outro expoente da expressão estética, através da interpretação da música medieval e renascentista em instrumentos da época, mas também do barroco, clássico, música ibérica e da guitarra portuguesa.  

Parabéns Graça Morais!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics