Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Ganham todos!

Por Eduardo Louro

 

Assim é que é: ganharam todos!

Os sindicatos ganharam, evidentemente: 93% de adesão à greve é, na lógica sindical, uma vitória. O governo não vem com os números ridículos do costume. Nem sequer os contesta, porque esses não são os números por que corria. Não era por ali, o que importava mesmo era os exames!

E pronto, mais de 60% de exames cumpridos também não é um mau número. Não é tão retumbante, mas é uma vitória!

Mas eu desconfio sempre de uma guerra em que todos ganham... É que, ainda por cima, fico com a ideia que muitos dos que fizeram exames, naquela confusão, também ganharam alguma coisa. Mesmo numa guera que não era deles...

A greve, pois claro...

Por Eduardo Louro

 

A greve dos professores aí está, certamente com os números díspares de sempre, com os sindicatos a puxá-los para cima e o governo para baixo, como sempre acontece. Mas desta vez há outros números, esses sim objectivos, inquestionáveis, que ultrapassam os dois lados da barricada. Desta vez haverá um número: o das vítimas, a parte dos 75 mil alunos que hoje não fará exames. Será esse que se sobreporá a qualquer outro porque, mais que greve de professores, esta é a greve aos exames!

Todas as greves provocam instabilidade. Introduzem perturbação, porque é essa a sua natureza. Nesta, a perturbação foi introduzida ainda bem antes de ser produzida. Antes de perturbar os exames, e com eles os alunos, esta greve perturbou o governo, o ministro e todo o ministério.

Por isso ministros se expuseram, dizendo o que não sabiam e acabaram desmentidos. Por isso o ministro subverteu a negociação, e em vez de negociar sobre as causas, quis negociar a própria greve. Crato não se preocupou em negociar sobre a matéria reivindicada, para impedir a greve.  Nem, ao que parece, sequer em negociar. Preocupou-se apenas em alterar a data da greve, para não ceder na data dos exames: tudo estaria bem se a greve passasse para Julho ou Agosto. De preferência entre a meia-noite e as cinco da manhã!

 

Pimenta e refresco

Por Eduardo Louro

 

É o subsídio de férias, que o governo não paga. E que não deixou de aproveitar para mais confusão e mais trapalhada… Mais uma oportunidade para malhar nos funcionários públicos, e mais uma oportunidade para provar que é o espírito punitivo e não o reformista que o move.

Depois do chumbo, pelo Tribunal Constitucional, do corte do subsídio de férias o governo nem hesitou em trocar o subsídio de férias pelo de Natal, que estava a ser pago em duodécimos. Em vez de repor o pagamento do subsídio de férias, em Junho como a lei estabelece, resolveu meter os pés pelas mãos. Poderia ter dito que não pagava porque não há dinheiro, mas não. Porque logo grande parte da administração pública – quase toda a administração local e ainda o governo regional dos Açores – garantiu ter liquidez e, por isso, a intenção de o pagar, Passos Coelho fez questão de dizer que não era problema de dinheiro. Que era, agora, um problema de lei: não há lei que permita fazer o pagamento. Não há nem é preciso que haja porque, como logo adiantou, não há problema nenhum: o subsídio de férias está a ser pago em duodécimos e o de Natal será pago em Novembro. Como habitual, como sempre…

Curioso é que no mesmo dia em que garante não pagar o subsídio de férias – porque não há lei – garanta ir já a correr fazer uma lei - que não há – para lhe permitir a requisição civil dos professores.

Depois de tudo o que tem feito aos professores o governo admirou-se e achou inaceitável que tivessem marcado a greve para os dias dos exames. Apetece perguntar: estavam à espera de quê?

Depois, não teve a mínima preocupação em gerir o assunto. Preferiu partir para o braço de ferro, sem sequer tentar qualquer alternativa. Nem a última, que seria o adiamento dos exames. Depois de tudo o que tem feito aos professores, o braço de ferro é, certamente, a saída menos aconselhada. Vai correr mal, nem pode ser de outra forma!

Curioso é também que tudo isto se passa no mesmo dia em que o governo declara que o problema dos swaps com o JP Morgan está ultrapassado. O banco americano que se havia recusado a renegociar os famosos swaps, e que tinha mesmo decidido avançar com o assunto para tribunal, mas que, estranhissimamente, tinha sido escolhido pelo governo para consultor da privatização dos CTT.

Um governo de rins flexíveis para a banca – nacional e internacional – mas duríssimo de rins para os portugueses.

Forte com os fracos e fraco com os fortes?

Sim, mas mais do que isso: um governo para quem a pimenta no rabinho dos portugueses é refresco!

Depois admiram-se de não poderem sair à rua…

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics