Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

IR MAIS LONGE QUE A TROIKA

Por Eduardo Louro 

 

Ir mais longe que a troika é uma expressão que entrou no nosso quotidiano, passamos a ouvi-la com tanta frequência que é como que já faça parte da família. Foi entrando gradualmente nas nossas vidas e temos agora a obrigação de a conhecer em toda a sua profundidade.

Foi o governo quem tratou de a fazer chegar até nós quando, pouco de pois de tomar posse, começou a dizer-nos que teríamos de ir mais longe que a troika. Começamos logo a perceber que isso era o eufemismo de vamos ser mais duros, vamos exigir-vos mais sacrifícios do que aqueles de que estão á espera. Não foi preciso nada para percebermos de imediato a coisa: veio logo a metade do subsídio de Natal e ficamos esclarecidos!

Nem tanto. Se percebemos que era irem-nos mais fundo aos bolsos, ficava ainda muito por perceber, até porque, de seguida, surgiu a tal do desvio colossal que ninguém entendeu. Nem mesmo depois daquela explicação do ministro Gaspar, a mudar a posição do colossal como se fosse uma peça de um puzzle.

Depois, bem depois, quando ressuscitou e começou a falar, seria o PS a dizer que não contassem com eles para ir mais longe que a troika. Tudo até à troika, nada para além da troika!

Os mais bem-intencionados de nós começamos a pensar que talvez fizesse algum sentido. Os governos gostam de fazer o mal todo logo no início dos mandatos, para deixar para o fim alguns doces que lhes garantam a reeleição. Talvez o governo queira entrar já a matar para encurtar caminhos e, em vez de levarem três anos a resolver esta coisa, a queiram resolver em dois, ficando a restante metade do mandato para levantar a moral e alargar um pouco a silhueta do pagode. Coisa que ao PS não poderia agradar, preferiria evidentemente que o governo levasse todo o mandato a aperrear-nos a barriga para que as eleições lhe pudessem correr bem.

Não tivemos muito tempo para validar esta tese estratégica de médio/longo prazo de uns e de outros. Também já deveríamos saber bem que nisto de pensar à distância eles nunca deram grandes provas. Nem mesmo quando o tema é eleições!

Começaram a sair os esqueletos dos armários – sector público empresarial, mais BPN, mais umas facturas escondidas numas gavetas de um instituto qualquer e … Madeira, e depois, ainda mais Madeira e ainda a Madeira que há-de estar para vir – e percebemos, finalmente, o que era ir mais longe que a troika.

Temos que ir mais longe que a troika porque, provavelmente num dia de forte nevoeiro – à espera do D. Sebastião – alguém lhe disse que o caminho terminava ali, que para a frente não havia mais nada. Mas D. Sebastião não regressou – se anda há quatrocentos e tal anos para regressar por que raio haveria de escolher precisamente esta altura – e, porque Portugal é um país de sol, o nevoeiro foi levantando e deixando à vista o resto do caminho: mais longe que a troika!

Mas a história não acaba aqui. Não acaba quando desvendamos o mistério e percebemos que ir mais longe que a troika é uma história de esqueletos. A parte de verdadeiro terror da história, mais do que esqueletos, caveiras e lençóis brancos, mete gente exausta, sem ãnimo e sem qualquer reserva energética para prosseguir. Que não consegue ir mais longe e começa a mandar uns papéis – talvez dobrados em forma de aviõezinhos – para fazer o resto do caminho.

Pois é, sãos os fundos de pensões dos bancos – já nada mais resta para a maquilhagem, Bagão Felix, Manuela Ferreira Leite e Teixeira dos Santos já gastaram tudo o que havia no camarim - a fazer o resto do caminho. Porque a meta – o fim do caminho – é para cumprir, garante o governo. Não diz é que é desta maneira!

 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics