Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

FUTEBOLÊS #76 ALARGAR A BALIZA

Eduardo Louro

 

 

As balizas, no futebol, são constituídas por três tubos metálicos, redondos e pintados de branco: dois na vertical - os chamados postes – e um na horizontal, a chamada barra, também conhecida, para os mais velhos, por trave - um nome herdado dos tempos em que as balizas eram de madeira. E facetadas, em vez de redondas.

As medidas da baliza estão oficialmente definidas – 7,32 metros de comprimento (ou será largura?) por 2,44 metros de altura – e, por muito jeito que dê ao guarda-redes encurtá-las, ou aos avançados alargá-las, não há nada a fazer: têm que ser rigorosamente respeitadas!

E no entanto, graças ao futebolês, é possível ao avançado alargá-la e ao guarda-redes encurtá-la. Isso mesmo: o que o futebol faz, o futebolês desfaz! Mas o futebolês consegue mais: consegue ainda que sejam os próprios avançados a, contra todas as expectativas, encurtá-la. E se não consegue o mesmo com os guarda-redes – que sejam eles a aumentá-las – consegue pelo menos que eles as abram!

Um avançado alarga a baliza sempre que se coloca em posição central em relação à mesma, sempre que se encontra bem enquadrado com a baliza, como se diz em futebolês. O guarda-redes encurta-a se, por sua vez, naquela posição conseguir reduzir a distância que o separa do avançado. Sempre que, por força dos seus movimentos ou dos que a defesa adversária lhe impõe, o avançado se vê obrigado a descair para um dos lados, perde centralidade em relação à baliza. Fica desenquadrado com a baliza e é então ele próprio a encurtá-la! Fica mais fácil para o guarda-redes fechar o ângulo e tapar por completo a sua baliza! O que nem sempre acontece: circunstâncias há em que o guarda-redes, por deficiente posicionamento na baliza, em vez de a fechar, abre-a…

Como se vê mesmo as medidas rigorosas permitem alteração. Até parece política!

É o que o Benfica tem que perceber!

O Benfica passou toda esta época a encurtar as balizas adversárias. Ao mesmo tempo tinha na sua própria baliza alguém que, em vez de a encurtar, a alargava. Que, sempre mal posicionado na baliza, a deixava bem aberta e bem larga para os adversários.

Não sei se será possível uma mudança tão radical na gestão do Benfica que permita aspirar, já para a próxima época, ao alargamento das balizas adversárias e ao encurtamento simultâneo da sua própria baliza. Na eventual impossibilidade de juntar e acumular ambos os objectivos há que tomar opões e, como na construção da própria equipa, deve começar-se de trás: pela nossa própria baliza, tornando-a mais pequena para os adversários.

Parece-me que foi isso que Luís Filipe Vieira quis dizer no início da semana. Não foi ousado ao ponto de nos deixar perceber a ambição de conjugar os dois objectivos: puxou claramente as orelhas a Jorge Jesus, mas deixou-o continuar. E, deixando-o continuar, deixará continuar muitos dos erros que limitarão ambições. Mas puxando-lhe as orelhas puxou-o à realidade, deixou o aviso, esvaziou-lhe alguma parte do ego e, esperam os benfiquistas, limitou-lhe os poderes e circunscreveu-o à sua (reduzida, a meu ver) esfera de competências, lembrando-lhe o princípio de Peter.

Declarou a sua intenção de passar a delegar menos, o que, não sendo exactamente uma boa notícia – porque não se lhe reconhecem grandes competências no futebol – é outro puxão de orelhas: desta vez a Rui Costa! Que deverá passar a próxima época numa coisa tipo unidade de prematuros, a ver se cresce em laboratório

Pode ser que na próxima época consiga encurtar a sua baliza. Vamos a ver! E esperemos que na outra seguinte chegue então a altura de alargar balizas…

Entretanto cai hoje o pano sobre o campeonato desta época: com um campeão claro e indiscutível. Ver-se-á lá mais para a noite se sem derrotas… Um campeão que não deixou que o rival Benfica esboçasse sequer uma ameaça de ciclo e que se mostra capaz de ser ele a lançar mais um dos seus muitos ciclos de domínio das últimas décadas. Que, como mais ninguém, sabe alargar as balizas dos adversários e encurtar as suas. De vez em quando, vai mesmo lá alterar as medidas…mas ninguém vê. E quando alguém vê é como se não visse… E quando alguém fala é como se não falasse, como se vê com um tal Jacinto Paixão!

 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics