Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

A JORNADA DECISIVA

Por Eduardo Louro

 

Esta era, em minha opinião, a jornada decisiva do campeonato nacional de futebol (eu sei que já não se chama assim - que é a Liga – mas isto para mim é como o acordo ortográfico: enquanto puder resisto-lhe) desta época.

Ainda faltam onze jornadas mas, esta, a quarta desta segunda volta, poderia deixar, e deixou, a questão do título fechada. Por várias razões:

  • Porque é a quarta, a mesma que na primeira volta, logo no início, com a derrota do Benfica em Guimarães na tal arbitragem do Olegário Benquerença – a terceira nos primeiros quatro jogos – permitia ao Porto a inimaginável vantagem de nove pontos;
  • Porque o Benfica tem vindo sucessivamente a crescer e exibindo um futebol de muito boa qualidade, ao nível do da época passada, vencendo e convencendo, enquanto que o Porto tem vindo em sentido contrário e a acusar a falta de dois dos seus mais determinantes jogadores (o uruguaio Álvaro Pereira e o colombiano Falcao) embora continuando a ganhar;
  • Porque nesta tal quarta jornada o Benfica recebia na Luz o Guimarães, adversário tradicionalmente difícil (ainda na época passada ali ganhara, afastando os da Luz da Taça de Portugal) enquanto o Porto se deslocava a Braga, tida como uma das mais difíceis deslocações, para defrontar uma equipa que, na primeira volta e num grande jogo de futebol, lhes havia feito a vida negra no Dragão;
  • Porque, finalmente, se o Benfica confirmasse a consolidação do seu rendimento, uma carreira totalmente vitoriosa ganharia forma de hipótese credível para o resto da prova. E, se o Porto perdesse o seu primeiro jogo do campeonato, na hipótese anterior, os dragões ficariam com uma margem muito pouco confortável – uma única derrota deixá-los-ia a ver o título desviar de rota.

O Benfica realizou mais uma exibição esplendorosa, porventura a melhor da época, e ganhou por 3-0. Mas depois de o árbitro João Ferreira ter anulado (mal) dois golos – se num, anulado por fora de jogo, se poderá ainda dar algum benefício da dúvida, no outro, o árbitro imaginou qualquer coisa (uma mão, dizem) que ninguém conseguiu descortinar – de duas bolas nos ferros, de um penalti falhado pelo Cardozo (eu bem avisara, no futebolês abaixo) e de três ou quatro defesas impossíveis do Nilson. Ganhou por 3-0 ao quarto classificado mas poderiam muito bem ter sido 8!

O Porto, não jogando bem mas também, por evidente ausência de dificuldades, não tão mal como vinha fazendo nos últimos jogos, ganhou por 2-0 a um Braga já não só longe do da época passada (à medida que a época foi avançando foi-se afastando cada vez mais do brilhante desempenho da última temporada) mas deplorável, que fez dois remates em todo o jogo. Mas, também aqui há mas: com o árbitro Duarte Gomes a perdoar-lhe um penalti a meio da primeira parte, com o primeiro golo a surgir no último minuto dessa primeira parte, de um ressalto resultante de um canto que não existira, e com o segundo, perto dos 70 minutos, marcado em fora de jogo e a resultar de mais um ressalto, desta vez em resultado de um livre contra a barreira por uma falta inexistente, inventada pelo João Moutinho (já perdi a conta aos golos do Porto nestas circunstâncias).

Daí que entenda que esta foi a jornada decisiva para a atribuição do título, como, de resto, se viu nas caras de jogadores, técnicos e dirigentes portistas. Daí as declarações de Vilas Boas no final do jogo na sequência de uma questão colocada pelo jornalista (???) da Sport TV por evidente, indisfarçada e indisfarçável encomenda!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics