Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

MAIS TEMPO? MUITO MAIS TEMPO!

Por Eduardo Louro

 

Como não poderia deixar de ser, aí está a catástrofe!

Passos Coelho ainda há dois ou três dias dizia que “não existe necessidade de alterar a trajectória”. Ainda ontem dizia que estava tudo bem, que a sétima avaliação tinha corrido bem, como hoje confirmaria em detalhe o ministro das finanças. Mas afinal os detalhes de hoje de Vítor Gaspar não confirmam nada disso. Confirmam a catástrofe que já se sabia, mas que a sociedade Passos & Gaspar ia tentando manter debaixo do tapete!

Isso mesmo: o inimputável Gaspar deixou de o ser. A partir de hoje não é mais inimputável!

O ministro das finanças só não meteu dó porque quem faz o que ele tem feito não consegue sequer despertar esse sentimento. E porque uma legião de jornalistas domesticados (uma única excepção para o jornalista da SIC) – serão os jornalistas presentes nas conferências de imprensa do salão nobre do ministério das finanças escolhidos pelo ministro? – pactua com aquele discurso opaco e misterioso, abdicando de perguntas assertivas e resignando-se às respostas manhosas e às omissões do ministro.

O défice é de 6,6% e não os 4,9% com que ainda há semanas Passos se cobria de glória, garantindo o cumprimento da meta do défice. Nem outro qualquer do cardápio que Vítor Gaspar hoje quis apresentar, pretendendo transmitir a ideia que, como os chapéus, défices há muitos. Que é só escolher e que o Eurostat escolheu aquele. Mas que ele escolhe outro. Ele escolhe o défice primário estrutural!

Que é coisa que não existe – e como é estranho que nenhum jornalista lhe tenha dito isto -, é virtual. Existe nas suas folhas de Excel, como se fosse em laboratório bacteriologicamente puro!

As previsões macroeconómicas são de novo revistas, confirmando a implosão do orçamento em curso. A recessão, que no orçamento está fixada em 1%, e que há um mês, logo em Fevereiro, foi revista para o dobro é, agora, um mês depois, estimada em 2,3%. Mas ainda não desta que acerta: está mais próxima da realidade, mas é ainda insuficiente. O PIB cairá mais que isso!

Gaspar já prevê o desemprego a crescer aos 19%, anunciando que lá para 2016, daqui a três anos, estaremos de regresso à actual taxa de desemprego. Isto porque lá para o último trimestre do ano diremos adeus à recessão, e em 2014 já cresceremos 0,6%. Quer dizer, e tendo em conta a falta de jeito para previsões, o país que Gaspar e Coelho criaram em menos de dois anos vai ficar com um desemprego estrutural acima de 20%!

Os PIB nominais que estão por trás destes números é que não se conhecem: diz Gaspar que ainda precisam de umas afinações antes de poderem ser divulgados. Bonito. E sério!

Ah! E em 2040 teremos acertado o passo com os níveis de endividamento requeridos pelas regras da moeda única, os tais 60% do PIB. Ridículo: quem não acerta uma previsão a dois meses, lança-se numa a 30 anos. E motivante: em excesso de dívida, e portanto sem autonomia para coisa nenhuma, por mais 30 anos!

Gaspar e Coelho criaram tudo isto em menos de dois anos. Começaram a cavar este buraco quando, logo que tomou posse, o governo foi buscar aos portugueses metade do subsídio de natal e aumentou indiscriminadamente o IVA, sem que tal fosse estritamente necessário para o objectivo do défice, garantido pela habilidade da transferência dos fundos de pensões da banca. Não foi só a primeira grande machadada no consumo interno, foi também desbaratar a confiança, mesmo que residual, que ainda existia e substituí-la pelo pânico. Generalizado!

Depois foi sempre a aprofundar, a cavar cada vez mais fundo, com uma espiral de fundamentalismo a alimentar outra espiral: a da recessão. De pouco vale hoje falar de mais tempo, o mesmo mais tempo que ainda hoje Vítor Gaspar, completamente perdido, continuava a negar. Como poderá negar mais tempo, se é tanto mais tempo que já nem cabe no tempo do programa?

Como poderá negar mais tempo, quando tempo é a única variável que manipula?

Uma variável ilimitada. Numa folha de Excel pode sempre acrescentar-se mais um, dois, três… dez anos. Até que o tempo permita esquecer quantos são…

O país é que não é ilimitado. Os portugueses - por muito que custe ao Ulrich - é que não aguentam. Não aguentam que tudo por que passaram não tenha servido de nada, nem aguentam que em cima da pobreza a que chegaram seja ainda posta mais pobreza. Todos os anos, mais em cada ano. Porque foi apenas este mais tempo a que Gaspar e Coelho conseguiram chegar!

Como vi hoje algures escrito pelo Pedro Marques Lopes: “ Um ministro das finanças consciente, no fim desta conferência de imprensa, dirigia-se a S. Bento e pedia a demissão. Um primeiro-ministro normal metia-se no carro e dirigia-se a Belém para anunciar a sua própria demissão ao Presidente da República”.

RATINGS & IRONIAS

Por Eduardo Louro

 

Passos Coelho - e já antes o governo, através do Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros – acaba de fazer uma festa a propósito de uma revisão do rating da dívida da República. Que é a recompensa aos portugueses. Que é a prova de que este é o caminho certo. Mas que não podemos embandeirar em arco, porque isso só tem verdadeiro significado se nos mantivermos fiéis ao caminho traçado. Ao nosso destino, acrescentaria eu!

Mas então o que é que se passou? O que é que motiva ou justifica tantos foguetes?

Já não somos lixo?

Já temos um rating de gente grande?

Já podemos ir à vontade aos mercados, como gente séria e respeitável?

Já não corremos o risco de nos chamarem caloteiros, aí numa esquina qualquer?

Nada disso!

A Standard & Poor´s manteve a classificação de lixo, a notação BB que utiliza para investimentos de alto risco. E naturalmente pouco recomendáveis. O que a Standard & Poor´s anunciou hoje foi isso mesmo, que manteve a notação absolutamente inalterada. Mas que alterou a sua perspectiva: o outlook, como eles dizem!

Passaram de um outlook negativo para um estável. Quer dizer, antes achavam que era lixo mas ainda podia piorar; agora acham que é o mesmo lixo e que por aí se vai manter. Que daí não vamos sair…

Dirão agora os mais optimistas, aqueles que vêm sempre o copo meio cheio: “Bem, pode não ser bom, mas também já não é mau que essas agências pensem agora que, para pior, isto não vai”!

Lamento desiludi-los, mas a Standard & Poor´s também explicou por que é que fez tão significativa alteração. Por que é que hoje já pode achar que o lixo é estável quando ainda ontem achava que o lixo ainda podia piorar. Uma simples justificação: porque os ministros das finanças da União decidiram apoiar o alargamento dos prazos que Portugal e a Irlanda terão para pagar os seus resgates.

Quer dizer, à Standard & Poor´s essa coisa do "mais tempo" diz alguma coisa. Não diz grande coisa, mas…

Pois é. Admito que algum dos leitores já esteja a esboçar um sorrisinho… É realmente irónico: quem sempre fez finca-pé, que "mais tempo" é que nem pensar… Ainda ontem o inimputável Vítor Gaspar (peço desculpa, mas já não consigo tratá-lo sem aquele adjectivo) fazia aquela figurinha sobre os quinze anos pedidos pela Irlanda

No meio de tanta desgraça, sem nada a que se agarrar, Passos Coelho corre atrás da primeira cana de foguete que vê. E quer que festejemos com ele… Ridículo!

O inimputável é, apesar de tudo, um bocadinho mais esperto: vejam lá se o ouviram dizer alguma coisa? 

O QUE SABEMOS...

Por Eduardo Louro

 

O Ecofin acabou de aprovar mais tempo. Quanto mais tempo e em que condições mais tempo, são coisas que não sabemos.

Mas há coisas que sabemos. Sabemos – disse-nos o inimputável Vítor Gaspar – que não será nada parecido com os quinze anos reclamados … pela Irlanda. Sabemos que Vítor Gaspar e Passos Coelho, que sempre recusaram esse cenário, como se sabe, pediram-no a medo, com vergonha e muito baixinho, a ver se por cá se não ouvia. E sabemos que quando assim é, quando o pedido tímido e envergonhado surge em lugar da convicção, da determinação e da objectividade, o resultado é frouxo. Tão ou mais frouxo que o pedido!

Sabemos que a Europa sempre fugiu das decisões frontais de combate à crise, que sempre preferiu as meias tintas e os pequenos passos à solução efectiva. Que em vez de ir directamente ao assunto, gosta de andar à volta dele. Que só em última instância, e sempre tarde, lá chega. Quando chega…

Sabemos que Vítor Gaspar diz que o mais importante é a Europa reafirmar a confiança no processo de ajustamento português. Que, para ele, não há nada mais importante que a manifestação da convicção da Europa no êxito do programa para Portugal. E sabemos o que isso significa. O que é que isso quer dizer, em que é que isso se traduz…

Sabemos bem que assim, dando agora mais tempo – nas maturidades dos empréstimos e no deferimento das metas do défice – mas deixando tudo o resto na mesma, não sobra qualquer impacto para a economia. Sem estímulos à economia e ao emprego, simplesmente mais tempo, é simplesmente mais tempo em crise. É simplesmente prolongar a crise…à espera que, daqui a uns anos, dos escombros de uma sociedade completamente destruída nasce uma coisa qualquer. O quê?

Não sei. Alguém saberá?

ENTRETANTOS

Por Eduardo Louro

 

A recuperar do isolamento imposto pelo temporal vou-me dando conta que o mundo não parou. Que entretanto Obama tomou posse para o seu segundo mandato, num imenso happening em Washinton.

Que entretanto afinal o governo pediu “mais tempo”, o tal que não seria necessário. Nem nunca pediria porque, diziam, importante era vermo-nos rapidamente livres da troika. Tretas, como se sabia! De mansinho Vítor Gaspar chama-lhe revisão de maturidades

Que entretanto Seguro continua à toa e sem rumo. Achando que isto está para brincadeiras, diz que tem surpresas para os portugueses… Assim... tipo Kinder!

Ó Tó Zé, já não há nada que nos surpreenda. Vocês são todos tão iguais e tão previsíveis… E tão irresponsáveis!

 

SALTAR FORA

 Por Eduardo Louro

 

A reunião de ontem do Eurogrupo no Luxemburgo confirmou a já conhecida decisão da troika de dar mais tempo – mais um ano – para o processo de ajustamento português. Mais tempo que o governo sempre recusou e que boa parte dos que se lhe opõem sempre reclamaram!

Estes dizem agora que esta decisão da troika lhes vem dar razão e que o governo teria poupado o país a grande parte da destruição da sua economia se, a tempo e horas, tivesse reclamado mais tempo para o ajustamento. Os que defendem o governo, por sua vez, dizem que a troika tomou agora esta iniciativa justamente porque o executivo cumpriu rigorosamente com todas as obrigações. Porque Portugal foi bom aluno é que agora foi premiado pela troika!

Se dúvidas havia foram hoje dissipadas.

O FMI veio dizer que calculou mal o impacto da austeridade, veio fazer um tardio mea culpa, e reconhecer que a receita estava errada, como há muito toda a gente excepto o governo afirmava. E veio, diria que dirigindo-se directamente ao governo, dizer que aumentar impostos põe em causa o crescimento económico a longo prazo. O FMI não só disse que se tinha enganado como disse parem com isso. Não continuem a aumentar impostos porque isso é errado!

Independentemente da lata revelada pela Senhora Lagarde – é mesmo preciso ter lata – é coisa rara que uma instituição como o FMI venha fazer um acto de contrição como este.

A Comissão Europeia, pela voz de Olli Rehn, veio pedir justiça social na aplicação do aumento de impostos, falou em esforços de consolidação mas de forma socialmente justa e no respeito pela equidade social, ao mesmo tempo que apelava ao espírito construtivo das diferentes forças políticas em Portugal.

Uma linguagem, a exemplo da do FMI, nunca antes ouvida. E que, evidentemente, tem a ver com tudo menos com a estória do bom aluno. Porque a atitude do governo nunca foi a do bom aluno mas a do cábula e do graxa. O bom aluno há muito que tinha autoridade para dizer que a coisa não iria funcionar. O cábula nunca o percebe e o graxa só serve para dizer sim…  

A troika simplesmente concluiu, depois de toda a gente mas antes de Vítor Gaspar e Passos Coelho, que o programa não funciona. Não funciona na Grécia, não funciona em Portugal e não funciona em lado nenhum.

Mas não se julgue que está empenhada noutro, numa estratégia e num programa que resolva este imbróglio em que estamos metidos. Não. Por enquanto apenas quer lavar as mãos, saltar fora … 

VERGONHA NA CARA

Por Eduardo Louro

                                                                      

Miguel Frasquilho, vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, vem agora reclamar o alargamento dos prazos do programa financeiro em dois anos. Fá-lo – diz - a título particular: tão particular que o presidente do grupo parlamentar - Luís Montenegro – e todo o partido atrás, já vieram dizer que sim senhor!

Já se está a imaginar a cara de António José Seguro: só queria mais um ano e, agora, aparecem estes a reclamar dois. Nada lhe corre bem!

A de Passos Coelho – que continua na sua “nem mais tempo nem mais dinheiro” – nem dá para imaginar. Esforçamo-nos por imaginar e não vemos nada. Não está lá nada, já não tem cara!

Vítor Gaspar, anda pela China. Agora são as olheiras em bico que já lhe tapam a cara…

Ah! A cara é aquele sítio onde as pessoas guardam a vergonha… Há gente que não tem vergonha apenas porque não têm onde guardá-la.

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics