Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Tema da semana*

           Imagem relacionadaImagem relacionada

 

Em tempos de silly season, mais que os 60 anos da Madona – mas não parece; de todo, está muito bem conservada – notícia foi o convite a Marine Le Pen para a próxima edição da Web Summit.

Não se percebe qual seria o inovador contributo do discurso da senhora para esta feira de vaidades – perdão: de tecnologias e empreendedorismo – mas algum apport traria certamente. Desconfio bem que acabou por trazer, à mesma…

O anúncio da presença de Marine Le Pen na lista de oradores do evento, como não podia deixar de ser, provocou de imediato as mais diversas reacções. Nem sei mesmo se, no Panteão, não houve, desta vez, gente às voltas no túmulo.

O Sr Paddy Cosgrave, fundador e presidente executivo da Web Summit, não explicou a razão do interesse nos contributos da senhora da extrema-direita francesa mas, afável e muito respeitador dos sentimentos portugueses, como sempre, apressou-se de imediato a mostrar a sua disponibilidade para apagar o nome da senhora. Bastaria que o governo português lho solicitasse.

Não foi preciso. O governo português não escorregou na casca da banana – recusou de imediato, precisando que não intervém na selecção dos oradores – e o Sr Cosgrave, que desde a polémica do jantar no Panteão sabemos que não quer polémicas, tomou ele próprio a iniciativa de cancelar o convite.

E tudo acabou em bem, como sempre nestas histórias. O governo não fez figura de urso, e Cosgrave continua um gentleman. Não quer que nada nos falte. Nem a ele!

E durante uns dias não se falou de outra coisa. Afinal, o que mais importava…

 

* Da minha crónica de hoje na Cister FM

Desta vez, já passou...*

Resultado de imagem para macron e le pen

 

Regresso hoje às eleições presidenciais francesas, a dois dias da decisão final. Na primeira volta tudo aconteceu como previsto… pelas sondagens. Já não era sem tempo…

E os franceses vão agora decidir entre Macron e Marine Le Pen.

Parecia uma escolha fácil, como já fora no passado. Saindo da primeira volta à frente da candidata da extrema-direita racista e xenófoba, Macron terá também pensado assim. Que seria fácil ir buscar os votos que lhe faltavam para chegar à maioria.Talvez por isso tenha negligenciado os primeiros dias que se seguiram à votação de há duas semanas. Primeiro festejou - inapropriadamente, no tempo e no espaço  - e, depois, meteu férias...

Le Pen, experiente e sabida, não perdeu um segundo. Não só não abandonou o terreno, como pegou em tudo o que mexesse, desmultiplicando-se em acções e em espectacularidade.

Manteve o discurso simples, populista e binário, sem se preocupar em articular uma só ideia. Sem substância e sem conseguir sequer sustentar os factores críticos das palavras-chave do seu discurso. Usou de plágio, para captar os votos de François Fillon. E dos piores truques e manhas da política, como se viu no único, mas longo, debate televisivo desta segunda fase da campanha, há dois dias atrás. Onde Macron, goste-se ou não das ideias que defende, fez toda a diferença: na seriedade, na capacidade intelectual, e na competência política.

Marine Le Pen, mesmo beneficiando do debate da primeira volta, quando - estranhamente - dando por assegurada a sua passagem à segunda volta, todos os candidatos fizeram de Macron o adversário principal, aumentado o grau de dificuldade das piruetas que agora se exigem para o apoio que obrigatoriamente lhe terão de dar, não será eleita.

Desta vez, já passou. Esperemos que não volte a estar lá tão perto!           

 

* Da minha crónica de hoje na Cister FM

Até "plágio" é eufemismo

 

 

 

Resultado de imagem para plágio marine le pen

 

Marine Le Pen plagiou um discurso de Fillon, de há duas semanas apenas. Plágio é plágio. Não é copiar, é roubar. Copiar é "citar", é subscrever.

A candiata da extrema direita racista, para conquistar os votos da direita ali ao lado, os 20% de Fillon da primeira volta, tem todo o direito de repescar ideias do derrotado candidato da direita francesa (e da portuguesa, como por aqui se tem visto). Não pode é pegar no seu discurso e repeti-lo, palavra por palavra, como sendo seu. Quentinho, acabadinho de sair.

Plágio é isso, é roubar para enganar. É dois em um. Depois ... sorrir e dizer que é apenas um piscar de olho é ... não ter vergonha na cara.

Não é a primeira vez que a extrema direita é apanhada com a boca n(est)a botija. Ainda temos bem fresca na memória a imagem da Srª Trump, durante a campanha paras as últimas presidenciais americanas, a repetir um discurso de Michelle Obama, palavra por palavra.

A extrema direita é mesmo muito pobre: sem ideias e sem criatividade. E muito reles: sem vegonha!

Aqui, até "plágio" é eufemismo.

Tiros no pé

 

Imagem relacionada

 

Com a esquerda francesa no estado comatoso em que Hollande a deixou, já se via François Fillon no papel de Chirac, em 2002: a congregar a resistência à extrema direita lepeniana, e a salvar uma vez mais o regime. Incapaz de se salvar por si mesmo, como se está a ver...

Fillon está a ser investigado por ter contratado a mulher e os filhos para seus assistentes pessoais no Parlamento francês, quando deputado, e já disse que retirará a sua candidatura se vier a ser acusado pela Justiça. Não percebeu que já não tem condições de se opôr a Marine Le Pen. Que, acusado ou não, já não descola da imagem do establishment que manda a ética às ortigas sempre que em causa estão os seus interesses pessoais. E os dos seus. E que é isso justamente o maior trunfo do populismo!

Ao candidatar-se sem dar uma vista de olhos à sua folha de serviço, François Fillon não fez mais que dar mais um valente empurrão a Le Pen. Que já não lhe fazia grande falta...

 

 

 

 

Até quando?

 

Mais que o copo meio cheio - a Frente Nacional de Marine Le Pen não ganhou em nenhuma da 13 regiões -, ou o copo meio vazio - acabou com o bipartidarismo do sistema político em França, e tem já a expressão eleitoral do PS (28-29%) -, a segunda volta das eleições regionais francesas colocam-nos perante uma dramática interrogação: até quando?

Até quando,  continuará a ser possível mobilizar frentes comuns para barrar a extrema-direita?

Até quando resistirá o dique de protecção eleitoral criado para impedir expressões maioritárias fora do sistema?

Até quando a própria radicalização da direita francesa - bem evidente em Sarkozy por estes dias - resiste a não se confundir com o extremismo xenófobo, e a acabar integrada? 

Até quando será possível evitar que Marine Le Pen chegue à presidência da França?

 

 

Marine Le Pen, sem surpresa...

Imagem relacionada

 

Marine Le Pen - diria que sem surpresa - ganhou a primeira volta das regionais francesas. Para agora evitar a tomada do poder pela extrema direita francesa é necessário repetir o que aconteceu há anos, quando o pai ganhou também a primeira volta das presidenciais, obrigando à união da esquerda e da direita na segunda volta.

Dessa vez ganhou Nicolas Sarkozy. Desta vez ... também, ao que parece.

A Frente Nacional da extrema direita xenófoba ganhou agora com 30% dos votos, que na região norte, de Calais, passou dos 40%. Resta saber se por ser a região de origem dos Le Pen, se por ser onde estão instalados os desumanos campos de refugiados...

 

PS: Depois da chamada de atenção num comentário abaixo venho corrigir e apresentar as minhas desculpas: Sarkozy ganhou em 2007, à socialista Ségolène Royal. O episódio referido ocorreu nas eleições anteriores, em 2002 com Chirac. 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics