Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Demonstração de categoria

Benfica vence Paços de Ferreira e vai em 18 vitórias seguidas fora

 

A fantástica carreira do Benfica nesta liga não lança apenas a crise sobre o seu principal opositor na disputa do título, e no seu futebol de pontapé para a frente, que os especialistas do comentário da bola douram, chamando-lhe "futebol em busca permanente da profundidade". Projecta também sobre os restantes adversários a dúvida sobre a melhor forma de o enfrentar: se recorrer a uma estratégia ultra-defensiva, posicionando os seus jogadores junto à sua grande-área, com duas linhas de cinco muito juntas; ou se discutir o jogo no campo todo, pressionando os jogadores do Benfica logo a partir da saída em construção.

Concluindo facilmente que todos os adversários do Benfica que optaram por se acantonar lá atrás acabaram sempre por perder, Pepa optou por experimentar a outra alternativa neste jogo de hoje em Paços de Ferreira. Com jogadores de alta compleição física, e rijos, o treinador do Paços entendeu que, com esses argumentos, poderia "engasgar" a máquina benfiquista, e decidiu disputar o jogo no campo todo.

E fez bem. Não ganhou, mas ficou o futebol a ganhar, transformando o jogo numa partida viva, muito disputada e bem jogada. Na primeira parte, muito bem jogada mesmo. Porque o Benfica pôde apresentar o seu bom futebol habitual, e o Paços não estragou. Pelo contrário, valorizou também a partida.

A dúvida no resultado, e em particular sobre o vencedor do jogo, não permaneceu muito tempo no estádio. Durou menos tempo que a surpresa pela postura pacence em campo. Viu-se logo no início da partida que, com surpresa, o Paços atacava e, sem surpresa, o Benfica criava oportunidades de golo. Que o Benfica anulava com facilidade todos os ataques do adversário, e concluia com finalização todos os que construía.

Foi sempre assim, e ainda mais assim durante toda a primeira parte. Quando Rafa, aos 38 minutos, concluiu no primeiro golo uma espectacular assistência de Rúben Dias, com uma grande execução - mais uma - já tinham ficado para trás cinco oprtunidades claras para marcar, entre as quais um remate à barra, logo aos 10 minutos, para além de um golo anulado pelo VAR, aos 18, com um alegado fora de jogo no iníco da jogada, que no campo e na televisão ninguém viu, mas que as linhas manhosas acabaram por apurar ser por 4 centímetros. 

 O escasso 0-1 ao intervalo não tinha nada a ver com o recital que o Benfica deixara no campo.

Na segunda parte a qualidade baixou um pouco, mas o figurino do jogo não. Logo aos dois minutos, novo passe a rasgar do central, desta vez de Ferro, e de novo para Rafa, que assistiu Vinícius para o segundo. E pouco depois mais um golo anulado pelo VAR, desta vez num fora de jogo que parecia claro mas que, afinal, pelas mesmas linhas manhosas, voltava a ser à pele. E mais umas tantas oportunidades desperdiçadas, entre as quais uma de Seferovic (que entrara para substituir Vinícius) que irá certamente para os apanhados desta Liga.

Fica um jogo difícil que o Benfica tornou fácil, com uma grande demonstração de categoria. Pela qualidade exibcional mas, a cima de tudo, pela capacidade de resposta a uma situação que não estaria certamente no plano de voo para esta partida. Basta reparar que os golos nascem nos centrais. Ou que o Paços até teve mais posse de bola durante todo o jogo! 

Nem parecia que era a começar. Mas começou bem!

Resultado de imagem para benfica paços de ferreira

 

O Benfica arrancou hoje para o campeonato 2019-2020, à procura do 38. Mas nem pareceu. Mais parecia que não tinha mudado a época, que não tinham passado quase três meses sobre o último jogo do último campeonato, de boa memória.

A mesma dinâmica de vitória, o mesma dinâmica de festa nas bancadas, a Luz cheia que nem um ovo, com mais de 60 mil - 63 mil, mais precisamente. A mesma dinâmica de jogo, e a mesma dinâmica de goleada. Já quase não nos lembramos de um jogo sem goleada. Até o relvado lembrava o da época passada, depois daquele estado deplorável em que o víramos no jogo de apresentação, com o Anderlecht, há um mês.

O Paços de Ferreira entrou na Luz como quase todos os adversários entram, com uma estratégia de contenção para reduzir os danos, e com o objectivo  de retardar o golo do Benfica. Duas linhas muito juntas, uma primeira de cinco, e outra de quatro logo atrás, com a ideia de reduzir o espaço de acesso à sua área, e tapar as linhas de passe no último terço do terreno. E a coisa funcionou durante largos minutos, basicamente durante toda a primeira metade da primeira parte.

Não se pode dizer que o Benfica não tenha criado oportunidades de finalização durante todo esse período. Não foram muitas, mas por duas ou três vezes criou situações de finalização que poderiam ter acabado em golo. Logo aos 7 minutos Seferovic falhou por pouco, logo a seguir Marco Baixinho, o defesa pacense, teve uma entrada dura, por trás, a travar Seferovic, que seguia isolado para a baliza, e deveria ter visto o cartão vermelho e, aos 19 minutos, o remate de Grimaldo na sequência de um canto, só por centímetros não acabou dentro das redes. A verdade, no entanto, é que o golo do miúdo Nuno Tavares - e que golo! - que mudou ao jogo, aos 26 minutos, surgiu no primeiro remate enquadrado com a baliza.

Já se sabe que neste tipo de jogos o mais difícil é marcar o primeiro golo. Esta noite na Luz não foi excepção, e a partir daí o Paços abriu o seu jogo. Subiu no terreno e tentou fazer pressão alta, com os jogadores mais distribuídos pelo terreno. E sabe-se também como isso favorece o desenvolvimento do futebol do Benfica, e a sua dinâmica de transição ofensiva.

O segundo golo (Pizzi, de penalti),logo a seguir, apenas acabou o que o primeiro tinha feito, quando ainda faltava mais de um quarto de hora para o intervalo.

Na segunda parte o Benfica refinou ainda mais a exibição, e as oportunidades de golo iam-se sucedendo. A partir do minuto 65, quando o pacense Bernardo Martins foi expulso, num segunda amarelo por carga dura sobre Nuno Tavares (mais uma grande exibição, com um golo e duas assistências), a travar mais uma saída rápida para o ataque, a resistência do Paços terminou. E os três golos que se seguiram (Pizzi - quatro golos em dois jogos -, Seferovic e Carlos Vinícius, na estreia) acabaram por ser fraco pecúlio para tanto domínio.

Não se pode dizer que tenha sido mais uma excelente exibição do Benfica, mas foi claramente mais um bom jogo, numa linha exibicional que é já uma marca da equipa. Que, acima de tudo, confirma e consolida o futebol que Bruno Lage trouxe ao Benfica.

E confirmou que Raúl de Tomás, mesmo sem marcar, é jogador a pegar de estaca na equipa (excepcional o seu trabalho no campo todo), que Florentino é um craque e que o Nuno Tavares, que na esquerda é simplesmente soberbo, já faz o corredor direito como se sempre ali tivesse jogado. Só de Pizzi não confirmou nada, por que esse já não tem nada pra confirmar. Está mais que confirmado que é um extraordinário jogador.

Começou bem, muito bem mesmo, esta Liga 2019/20. Que assim continue!

 

Alternativa à direita

 

Muito difícil, como é habitual, esta deslocação a Paços de Ferreira. Deixando-se trair pela esquerda - não, não é de política  que se está a falar - o Benfica somou dificuldades às dificuldades naturais que o Paços sempre lhe coloca.

Foi pela famosa e endiabrada ala esquerda que o Benfica se deixou apanhar. O Paços tinha a lição bem estudada (percebeu-se também pela forma como defendeu os cantos), e tratou de engasgar a máquina de futebol do Benfica secando aquela asa esquerda. Com muita gente e muita pressão.

Se a ideia era cortar o abastecimento à sua grande área e evitar o golo, a coisa correria ainda melhor rendendendo-lhe mesmo um golo. Logo no início, em resultado directo dessa estratégia, e na única vez em que chegaria à baliza do Benfica. Com a pressão, Grimaldo perdeu a bola. Depois só conseguiu correr atrás dela, até a ver entrar na baliza de Varela, também ele surpreendido.

O Benfica tardou a perceber que, se não tinha esquerda, teria que ter direita. Metade da primeira parte foi assim, e assim, os jogadores do Paços estavam confortáveis no jogo. Corriam, impunham o físico, discutiam as bolas todas e ganhavam a maior parte delas. Devo desde já dizer que gosto de jogadores assim, não gosto nada é de jogadores como foram os do Estoril na passada quarta-feria (nem eu nem o próprio treinador do Estoril, ao que disse). Mesmo que, com 10 guerrilheiros e um terrorista - o Rúben Micael é mais do género terrorista -, tenham obrigatoriamente que ultrapassar os limites da agressividade.

Quando percebeu que havia alternativa à direita o Benfica descobriu ... Rafa. Estava lá, e estava lá para dizer que estava grato por não terem desistido dele. E então sim, o futebol do Benfica foi crescendo até chegar ao patamar a que nos tem habituado, e recuperar Cervi. Os últimos cinco minutos da primeira parte foram de um sufoco terrivel mas, por maiores que fossem as oportunidades, a bola não entrava. Havia sempre mais uma perna, mais um milagre, e o intervalo soou a um gong que salvou um Paços agarrado às cordas.

A segunda parte arrancou logo com mais uma grande oportunidade, a prometer que o sufoco era para continuar. E assim foi, com um jogo de sentido único. O Paços fizera o golo e rigorosamente mais nada que defender. Defender de toda a maneira e feitio. E resistia, resistia tanto como a bola a entrar na baliza. Ou como o árbitro a marcar um penalti...

Rui Vitória ia metendo mais gente na frente. Meteu-os todos. Primeiro, ainda bem cedo, o Raul, tirando Zivkovic, provavelmente condicionado por um inacreditável amarelo, logo no início do jogo (Pizzi seria mais tarde brindado com outro, não menos inacreditável). Finalmente o golo. De Jonas, assistido pelo Raul, a cruzamento de Rafa. Faltavam 20 minutos para o fim, e Jonas correu com a bola para o centro. Em vão, porque não bastava que o treinador adversário fizesse uma substituição para retardar o recomeço. Os imbecis das tochas também trataram de fazer o mesmo!

Com isso o tempo foi passando, e o ímpeto do golo quase que também. E chegou a vez de Seferovic, quer dizer, do desespero. Que daria de pronto e finalmente no segundo, a dois minutos dos 90, embrulhado numa tabela Jonas-Raul-Seferovic-Jonas. A marcar, como só ele sabe. A festa, finalmente!

O terceiro, já dentro dos 7 minutos de compensação (deve ser por causa das coisas), não veio pôr justiça no resultado, porque para isso eram precisos mais três ou quatro. Veio pôr justiça na exibição do Rafa, com mais uma assistência do Raul. Para acabar em beleza, com o golo que tanto teimava em fugir!

Sem ganhar nada, o Benfica hoje ganhou muito. E ganhou o Rafa!

 

 

 

O copo, o cântaro e a asa

O Benfica não conseguiu marcar um golo na Mata Real e perdeu dois pontos antes de receber o FC Porto

 

Podemos sempre dizer que o copo está meio cheio. Que o Benfica saiu hoje de Paços de Ferreira com mais um ponto, e que aumentou para dois a vantagem sobre o seu perseguidor. Mas o mais provável é que o copo esteja vazio, nem sequer meio vazio!

O mais provável é que ao fim de 7 meses, e 21 jornadas depois, o Benfica ceda a liderança. O que acontece precisamente na pior altura em que podia acontecer: na jornada que antecede o clássico mais aguardado dos últimos anos, mas a duas semanas desse clássico. É que se fosse logo a seguir... Assim, se o Porto amanhã passar para a frente, chega à Luz depois de duas semanas na liderança. E sabe-se como isso pode criar habituação... quando há um tetra para conquistar...

A verdade é que o empate desta noite na Capital do Móvell nos deixa aquela ideia do cântaro, que tanta vez vai à fonte que um dia terá mesmo de lá deixar a asa. O Benfica estava a ir muitas vezes à fonte, e aconteceu ser hoje o dia de lá deixar a asa.

Quer dizer, os jogos estavam todos a suceder-se igualzinhos, com os adversários sempre a jogar da mesma maneira, lá atrás, muitos fechados, com duas linhas defensivas muito baixas e muito juntas e a disputarem cada bola como se fosse a última, Perante isso, e com o Benfica sempre com a mesma receita, cada adversário tinha sempre uma percentagenzinha de êxito maior que o anterior. Daí que num dia destes a asa lá tivesse de ficar!

Hoje o Benfica asfixiou o adversário, durante toda a primeira parte. O Paços não saiu lá de trás, e nem precisava de saber o que havia de fazer á bola, porque simplesmente nunca a tinha. Nenhuma novidade: tem sido assim contra todos os últimos adversários. Só que, desta vez, nada de golos. Pior, oportunidades de golo, apenas duas, uma delas num remate espectacular ao poste do mais inconformado dos jogadores do Benfica - Eliseu.

Pois é, tanto domínio, tanta asfixia e tanta bola - mais de 75% - não deu para mais que duas oportunidades de golo. E falhar duas oportunidades de golo, acontece. É normal. O que não é normal, nem pode acontecer a quem quer ganhar o campeonato, é desperdiçar todas as oportunidades de golo construídas. 

Na segunda parte o jogo nem pareceu muito diferente. Mas foi. Durante os 10 minutos que mediaram entre os cinco e os quinze o Paços não se remeteu apenas à defesa, e obrigou o Ederson a três defesas - se não estou em erro mais que todas as que o seu colega do outro lado teve de efectuar em todo o jogo -, uma delas enorme e outra enormíssima. E depois disso o Benfica chegou mesmo a jogar mal. Por isso a segunda parte não deu mais que uma clara oportunidade de golo, precisamente no último lance do jogo. Por acaso na única bola parada cobrada com algum jeito!

Aí está. No meio de tanta falta de estrela e de estrelas, com tantos jogadores em baixo de forma - Salvio não é apenas um caso gritante, é também um caso intrigante - tem que se ir buscar aos lances de bola parada as oportunidades que, de outra forma, se não conseguem criar. É verdadeiramente confrangedor o desprezo que a equipa técnica do Benfica revela por estes lances. 

Entre cantos e livres, laterais e frontais - não me lembro de um jogo com tantos livres em zonas com tanto potencial - o Benfica dispôs para aí de vinte lances de bola parada. Todos cobrados por Pizzi. Todos marcados da forma mais óbvia, sempre com o adversário confortável. A excepção foi o útimo lance do jogo, para que esta inexplicável falha ficasse mais fresca na memória do jogo. O segundo - depois de Setúbal, com este mesmo árbitro, a quem desta vez não há nada a apontar - em que o Benfica não marcou!   

 

PS: Só bem mais tarde me apercebi que, no último lance do desafio, o Jonas foi empurrado. O empurrão não o impediu de fazer quase tudo bem - tudo bem seria se a bola tivesse entrado, em vez de subir um tudo nada - mas que não deixou de ser penalti. Na última jogada, como em Setúbal... Há por isso muita coisa a apontar. Ao àrbitro e à Sport TV, como é habitual!

   

   

Festa na Luz

 

O Benfica abriu a nona jornada desta Liga com mais uma grande exibição. No 13º aniversário da nova Catedral, e depois da reeleição de Luís Filipe Vieira, acontecimentos quase indissociáveis, o jogo só podia ser como o próprio dia: de festa!

E foi. Foi um grande jogo de futebol, para o que contribuiu a grande exibição do Benfica, é certo, mas também a boa organização e o bom futebol do Paços de Ferreira. Que entrou muito bem, ocupando os espaços com mestria, com uma ideia de jogo positivo; o jogo é para se jogar no campo todo, e a bola é para ser disputada onde quer que esteja.

Foi isto que o Paços disse, na Luz.

Depois, claro... O Benfica é o Benfica, e este Benfica é muito Benfica. O seu futebol de primeira água começou a vir ao de cima e o Paços teve de se conformar com o que os jogadores de encarnado lhes permitiam. Que então não era muito!

Toda aquela torrente de futebol que saía dos pés de do Nelson, do Feija, do Pizzi, do Salvio e do Gonçalo acabou por dar apenas um golo: mas que golo, o do Gonçalo Guedes. O guarda redes, Difendi, estava lá para isso - para difender.

O reinício, na segunda parte, foi uma cópia do início do jogo, com o Paços a entrar de novo muito bem. E de novo, passados esses primeiros minutos, lá voltou o futebol de alta voltagem do Benfica. Que renderia mais dois golos, bonitos como o primeiro. Salvio faria o segundo, e Pizzi o terceiro.

Coisa rara: os três melhores em campo, cada um com o seu golo. Até isso foi bonito!

E até o Carrillo - de quem, e muito bem, Rui Vitória não desiste - desta vez aproveitou bem a oportunidade...

 

Concentração competitiva: cuidado!

 

 

O Benfica regressou ao campeonato... e ás vitórias no campeonato, num daqueles jogos em que só podia ganhar. Porque tinha de ganhar, se quer ganhar o campeonato nao pode perder mais pontos - pelo menos até ao jogo com o Sporting, depois logo se vê -, e porque foi a única equipa a fazer o que tinha de fazer para ganhar. Mas sabemos que às vezes não se ganham jogos desses...

Em Paços de Ferreira, com os benfiquistas mais uma vez em maioria nas bancadas, e mesmo sem fazer uma exibição de encher o olho, o Benfica voltou a criar muitas oportunidades de golo. Aproveitou apenas três, mas criou muitas mais, num jogo em que o adversário fez três remates à baliza e um golo, por um jóvem (Diogo Jota) que - diz-se - já é jogador do Benfica . Por sinal o melhor do jogo, mas nem por isso menos consentido... 

Com esse golo o Paços chegou ao empate - o Benfica marcara logo aos 13 minutos, por Mitroglou, depois de mais um toque de classe de Jonas - que durou pouco mais que um quarto de hora. Em cima do intervalo o Benfica fez o segundo golo. De penalti. Que não foi na altura contestado, mas que, como sempre, não deixará de o ser por estes dias. Semanas ou até meses, como esperamos... Nas repetições fica a ideia que o Jonas - que foge do contacto físico como o diabo da cruz - evitou o derrube saltando por cima das pernas dos adversários que o tentavam rasteirar. A intenção esteve toda lá, o facto acabou por não acontecer...

Na segunda parte o Benfica geriu o jogo. E a fadiga. E a descompressão, depois de uma série de dois jogos muito exigentes. E os amarelos. E os regressos dos lesionados. E deu para criar mais três ou quatro oportunidades e para a estreia de Lindelof a marcar, na réplica a uma jogada já vista no jogo com o Zenite, então com o Jardel a rematar. Mas ao lado.

No fim fica a ideia de alguma displicência do Benfica, particularmente perceptível logo a seguir ao primeiro golo. Pode ter sido apenas decompressão, mas é bom avisar que facilitar na concentração competitiva é abrir a porta às surpresas...

 

Golos com história

Por Eduardo Louro

 Imagem relacionada

Sabendo, pela experiência dos jogos que tem feito em casa neste início de época, que o primeiro golo é a chave do sucesso, o Benfica entrou a todo o gás no jogo de hoje com o Paços, com o objectivo bem nítido de encontrar essa chave bem cedo.

Só que foi sol de pouca dura. À passagem do primeiro quarto de hora já parecia que tinha desistido… Não terá sido por opção própria que abandonou aquele ritmo asfixiante dos primeiros quinzes minutos de jogo, até porque – bem o sabemos – não é fácil manter estes ritmos diabólicos por muito tempo. Mas não foi só isso!

O Paços teve culpas. E grandes… Resistiu como pôde a esses 15 minutos avassaladores, com faltas de toda a maneira e feitio, e algumas bem feinhas, chutando para onde estavam virados e cedendo cantos uns atrás dos outros. Mas depois conseguiu começar a respirar, organizou-se e começou a subir no terreno. A subir muito, a pressionar a saída da bola do Benfica, onde quer que fosse, e a complicar o jogo ao Benfica.

O antídoto para o tipo de jogo que o Paços impunha em campo passa por aquilo que tinha sido a imagem de marca do futebol do Benfica nos últimos anos, aquilo que em futebolês se chamam transições rápidas. E que se percebe que perdeu. Não sei se é uma ideia abandonada, assim como quem atira fora uma ferramenta que acha que já não precisa. Mas sei, porque se vê, que falta a muitos jogadores a velocidade de execução e a qualidade do passe e de recepção, que são o factor crítico de sucesso das transições rápidas.

Sem este antídoto – em todo o jogo o Benfica conseguiu por uma única vez uma transição ofensiva capaz de fazer lembrar o ano passado, e foi desperdiçada por Mitroglou, que ao contornar o guarda-redes permitiu-lhe desviar a bola do golo – valeu mais uma vez a classe dos dois mais categorizados jogadores da equipa. Primeiro, Jonas, a fazer do golo uma obra de arte. Sublime, pouco passava da meia hora de jogo, a fazer o resultado ao intervalo. Porque, pouco depois num remate com a mesma espantosa execução, a bola não quis voltar a entrar.

A segunda parte - pese sempre o grande desequilíbrio na posse de bola (75% para o Benfica na primeira parte) -  não foi muito diferente. Até ao segundo golo, o primeiro de Gonçalo Guedes na equipa principal do Benfica, a meio da segunda parte.

Um golo que matou de facto o jogo e que tem história: porque resulta de uma nouance táctica (Gonçalo Guedes a jogar mais por dentro, com a ala toda entregue ao outro miúdo, Nelson Semedo) e porque surge em circunstâncias anteriormente ensaiadas, sempre com o remate do miúdo a bater numa das muitas pernas que ocupavam aquela zona central da entrada da área. Voltou a bater numa dessas pernas, só que desta vez, ao contrário de todas as outras, seguiu o caminho da baliza.

Curiosamente também o terceiro golo, de novo de Jonas, sete minutos depois, foi uma jogada (Gaitan-Guedes-Jonas) a papel químico de uma outra poucos minutos antes.

No fim ficou um jogo que, apesar da boa imagem que o futebol do Paços deixou, bem poderia ter registado mais uma das goleadas da Catedral. Oportunidades não faltaram!

Diz que os outros dois empataram… Fizeram eles bem!

Adormecer dá nisto. Já deviam saber!

Por Eduardo Louro

 

 

O Benfica perdeu. Três meses depois, em condições bastante diferentes.

Perdeu, interrompeu uma longuíssima série de 9 jogos sem sofrer golos e perdeu a oportunidade de dar a machadada final no campeonato, com consequências que estão para ver. Perdeu muito, como se vê. Perdeu mais que um jogo!

Não importa que a derrota se tenha revestido de uma injustiça tremenda, até porque isso é normal. Raramente as melhores equipas portuguesas perdem com as pequenas por serem inferiores no jogo jogado, como se diz. Não importam as três bolas nos ferros, até porque também isso é habitual no Benfica. Jogo com menos de três no ferro não é jogo para o Benfica!

O que importa é saber por que é que, tendo entrado bem no jogo e encostado a equipa do Paços de Ferreira lá atrás, com duas bolas nos ferros, uma delas no penalti falhado de Lima, a partir de meados da primeira parte, o Benfica deixou que o adversário adormecesse o jogo. Adormecido o jogo, adormeceram os jogadores, adormeceram os adeptos… Com tudo a dormir, o Paços foi deixando o tempo passar, queimando-o a torto e a direito, para agarrar o pontinho… No fim saiu-lhe a taluda, num penalti caído não se sabe de onde, mesmo que o Eliseu seja useiro e vezeiro em disparates.

Saber por que é que o miúdo Gonçalo Guedes entrou a meio do tempo de compensação, não importa nada. É simples curiosidade!

Não tenho dúvida nenhuma que, sem se deixar adormecer, o Benfica teria ganho, e mais uma vez por muitos, este jogo de hoje. Mas tenho uma dúvida. A minha dúvida é se o Benfica se deixou adormecer pelo Paços ou se se terá deixado adormecer por outras coisas. Perigoso é que tenha sido por outras coisas...

 

 

 

COM TRANQUILIDADE...

Por Eduardo Louro

 

Jogo tranquilo como se pretendia - nesta altura não se pode pedir mais – com uma vitória clara sobre aqueles que são, também nesta altura, os melhores dos outros. E que sabem jogar à bola!

No ombro a ombro com o Porto, nesta jornada à esquina da semana europeia, o Benfica, com muito menos tempo de recuperação (menos dois dias), até se saiu melhor: com um jogo mais conseguido, com uma exibição bem mais tranquila - deu até para rodar alguns jogadores -, com melhor qualidade de jogo e com um resultado, também ele, melhor.

Nesta ronda o Benfica sai por cima. Não conta para nada mas, quando todos os pormenores contam, também não é negligenciável!

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics