Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Pedrógão Grande

Pedrógão, uma tragédia portuguesa - Portugal - SÁBADO

 

Pedrógão foi há três anos. De repente, o país eufórico, aos pulos e meio embriagado de tanto sucesso, foi surpreendido por uma das maiores tragédias de sempre. 

Foi o regresso à realidade de um país que andava nas nuvens. Que já achava que era sempre a ganhar... No futebol, nas cantigas, no défice, nas agências de rating, nos mercados, em Bruxelas...

Mas o país do sucesso, na moda e a abarrotar de turistas, era afinal o país que desertificou o seu interior. Que virou costas ao campo e fugiu para as cidades, e para o mar. Que se urbanizou e esqueceu as origens. Que se deixou seduzir pelo eucalipto. Que vê passar anos e governos que deixam tudo na mesma, quando tudo na mesma é cada vez pior. Um país que não cumpre as leis que cria. Um país que deixa morrer pessoas que não tinham que morrer. Um país sempre de dedo espetado, mas nunca apontado para o futuro…

Não vai muito diferente hoje, três anos depois. Soma pouco mais que mais promessas por cumprir e responsabilidades por apurar.

E vem-nos à memória...

Imagem relacionada

(Imagem daqui)

 

Está a decorrer no Tribunal de Leiria a fase de instrução do processo dos incêndios de Pedrogão Grande, em Junho de 2017, com treze os arguidos, entre os quais os presidentes, então em funções, dos três municípios abrangidos: Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande. 

Na última sessão, um então administrador (José Revès, assim se chama) da empresa (Ascendi Pinhal Interior) concessionária da manutenção da "estrada da morte", explicou ao juiz de instrução  que "aquando da intervenção da troika no nosso país houve uma renegociação do contrato de concessão com o Estado, em Maio de 2013, o que obrigou a diminuir os serviços. Por isso, a faixa de gestão de combustível passou para exclusivamente três metros".

Puxamos um bocadinho pela memória e lembramo-nos todos das apregoadas renegociações das PPP rodoviárias do governo de Passos Coelho. E dos anunciados ganhos para o Estado que se festejaram. Mas já não precisamos de puxar tanto pela memória para nos lembramos das responsabilidades de António Costa, e de todos os seus ministros, nas trágicas mortes naquela estrada...

Pois é ... e o Estado falhou.

E vem-nos à memória, não uma frase batida, como canta o Sérgio, mas o que se está a passar na Saúde...

O dedo

Resultado de imagem para o dedo na ferida

 

Os incêndios do ano passado continuam a chamuscar António Costa. Ele bem se esforça por se desviar, passar ao lado, não olhar para não ser visto. Mas ninguém o deixa, e ninguém baixa o dedo sempre espetado na sua direcção. 

O primeiro aniversário da primeira série dos trágicos incêndios de 2017 deixou isso bem claro. Marcelo, Associação das Vítimas e imprensa não esquecem, nem permitem que se esqueça, que é ali que mais tem de doer a António Costa. E não se limitam a usar o dedo apenas para a pontar, pôem-no na ferida, espetam-no lá bem dentro...

Por muito especialista que seja - e é -  a fazer-se desentendido, a assobiar para o lado, desta, nunca António Costa se irá ver livre.

 

Mais do mesmo, mesmo que insustentável...

 

Resultado de imagem para público relatorio protecção civil

 

Era difícil de imaginar que, depois de tudo o que se soube sobre o que se não fez e o que se escondeu nos incêndios do início e no fim do Verão passado, ainda houvesse mais, do mesmo, para se saber. O que, trazido pelo "Público", ontem encheu o dia noticioso foi mais, do mesmo!

Mais improviso, mais negligência, mais incapacidade. Mais truques e faltas de escrúpulo. E mais um relatório escondido. Bem... não estava escondido; apenas estava a "cumprir o segredo de justiça". Francamente, pior era difícil!

Ilegitimidades*

 

Resultado de imagem para fundos da solidariedade pedrogão

 

A gestão dos donativos dos portugueses para as vítimas dos incêndios do Pedrógão Grande dominou o espaço mediático da semana.

Foi trazido para a actualidade com o óbvio e mal disfarçado objectivo de dele tirar dividendos políticos. Não é novidade, por evidente limitação de capacidade política, agravada por gritante falta de imaginação, são recorrentes as tentativas de aproveitamento político da tragédia.

Desta vez o fito era lançar na opinião pública a ideia que o Estado – o governo – simplesmente dera sumiço aos largos milhões de euros brotados da generosidade dos portugueses, na extraordinária onda de solidariedade que a sociedade civil prontamente montou para responder às necessidades das vítimas da tragédia.

E correu mal. É normalmente assim, e apetece dizer que ainda bem que é assim. O chico-espertismo politiqueiro, como a mentira, tem perna curta. O governo explicou rápida e claramente a situação do fundo que tinha sob a sua gestão, e logo deixou à vista de quem quer ver – há sempre quem não quer ver – que por ali a coisa era transparente.

Não foi essa, no entanto, a sensação que, chamadas naturalmente a terreiro, nos deixaram as instituições privadas que ficaram com a guarda da esmagadora maioria dos valores arrecadados. O que começamos logo por ouvir, quer da parte da Caritas quer da União das Misericórdias, foi que as nozes seriam menos que as vozes. Que não senhor, não tinham nada ficado com a maior fatia.

No fim, a opinião pública ficou esclarecida acerca dos 1,9 milhões de euros do fundo gerido pelo governo, mas não ficou esclarecida com nada mais. E percebeu que, com as nozes da Caritas e da União das Misericórdias, começava a não ser fácil chegar às vozes que todos tínhamos ouvido nas televisões, e em particular naquele espectáculo de solidariedade, transmitido em conjunto pelos três operadores de televisão.

No fim, a opinião pública ficou – ou deveria ter ficado - sem grandes dúvidas que tem de caber ao Estado a responsabilidade por toda a logística de fazer chegar a uns portugueses aquilo que outros portugueses doam. Cêntimo por cêntimo, sem nada ficar pelo caminho em bolsos indevidos. Sem que um cêntimo seja desviado para os custos da operação, pela simples razão que, o que o Estado arrecada em impostos na solidariedade dos cidadãos, é mais que suficiente para financiar toda a operação.

No fim, a opinião pública ficou – ou deveria ter ficado – com a certeza certa que não é legítimo haver quem faça negócio com a solidariedade com que uns ajudam suavizar a desgraça de outros.

No fim, ficou mais um tiro no pé desta gente que vê sempre Estado a mais em tudo o que não seja o Estado que olhe apenas pelo seu estado.

No fim, ficou a faltar que os chicos espertos da politiquice corassem de vergonha. Mas era necessário que soubessem o que é isso. E sabemos que não sabem!

 

* Da minha crónica de hoje na Cister FM

Tema do dia

Imagem relacionada

 

Na ordem do dia esteve a gestão e a distribuição dos fundos angariados pela solidariedade nacional destinados à ajuda às vítimas dos incêndios.

Há razões de preocupação com o tema. É monstruoso que a generosidade e a solidariedade dos portugueses acabe por não chegar ao seu destino, quando tanta falta fazem. E é inaceitável que tão volumosos fundos, que os portugueses tão prontamente mobilizaram, tão propagandeados no acto de recolha, desapareçam depois do seu escrutínio.

Não foi disto no entanto que se tratou quando o assunto foi hoje trazido para a ordem dia. O que a direita, e a equipa de Passos em particular, quiseram projectar foi outra coisa. Foi simplesmente continuar a cavalgar a onda do Pedrogão, foi prosseguir a lamentável exploração da desgraça, iniciada, como se sabe, com os suicídios que não aconteceram, e prosseguida com a lista dos mortos.

É fácil de perceber que assim é.

Os fundos angariados com a extraordinária mobilização da sociedade civil foram objecto de recolha e administração por parte de diferentes entidades. Foram, tanto quanto se sabe, entregues à União das Mesericórdias e à Caritas, instituições, como também se sabe, especialmente admiradas e apreciadas pela direita. São instituições charneira da sua visão da política social, cuja margem de intervenção se preocupam sempre em alargar como solução para todos os problemas.

O governo criou também um fundo para gerir os recursos doados pelos portugueses. Chamou-lhe Revita e conta com um saldo de 1,9 milhões de euros. O que a direita fez foi pegar neste número para, na opinião pública, fazer dele o resultado público daquela gigantesca onda solidária. O que pretendeu foi confrontar este número, estes 1,9 milhões de euros, com os números percepcionados pelos portugueses, especialmente através das televisões. 

Foi isto que esta direita pretendeu, continuando nada incomodada em chocar violentamente contra os princípios que seria suposto defender. 

Sem pingo de vergonha*

Resultado de imagem para abutres

 

Bem cedo se percebeu que a tragédia iria ser objecto de aproveitamento político. Que o diabo anunciado para o Verão passado estaria para chegar, com um ano de atraso, e agora no seu habitat natural, nas chamas do inferno em que o país se tornou.

Tudo começou, se bem se lembram, com a notícia da queda do avião que não caiu, ainda em pleno combate ao incêndio do Pedrogão Grande. Logo a seguir surgiu a notícia dos suicídios, dada pelo próprio profecta do diabo, a que se sucedeu a inacreditável série de artigos publicados no El Mundo, assinados por um jornalista virtual, o tal Sebastião Pereira, que continua a monte. Sem que ninguém se preocupe muito em encontra-lo.  

Num país onde coubesse um só bocadinho de vergonha, esta sucessão de episódios, inspirados nas fake news, que Trump passou a exportar para todo o mundo, teria ficado por aqui.

Não ficou. Neste país já não há lugar para um pingo de vergonha. Não admira que, por isso, tenha sido um jornal dito de referência, o maior e mais influente semanário do país, a não ter vergonha de usar a primeira página para lançar o boato sobre o número de mortes anunciadas. Vergonha ainda mais indesculpável quando, depois, o corpo do texto não tem nada a ver com o título puxado para manchete.

Muita gente se indignou com a chegada de Trump à presidência da América. Mas nem todos perceberam o que isso poderia vir a significar. Muitos percebemos que Trump era um grande mal para a América, poucos perceberam que seria um mal muito maior para outras partes do mundo. É que, por lá, continua a haver jornalistas capazes de o desmascarar, e de denunciar as suas fake news. Por cá, não!

Não houve – não há – jornalista que escrutine e valide a notícia antes de a dar, como mandam a ética e a deontologia. Uma lista de uma senhora, ao que se diz empresária, e ao que se conhece de currículo pouco respeitável, foi quanto baste para suportar um boato macabro. Ninguém se preocupou em compará-la com o que quer que fosse. Ninguém se interessou sequer em ver que lá havia nomes repetidos…

Não. Era preciso lançar a bola de neve. Um número interminável de abutres, maior que o da lista que apregoavam, estava à espera. E este jornalismo não gosta de os fazer esperar!

 

* Da minha crónica de hoje na Cister FM

Ezquizofrenia

 

A ezquizofrenia tomou conta do país, tão avassaladoramente quanto as chamas que o consomem. Há um mês, com a catástrofe do Pedrogão Grande no auge da discussão pública, Mação era o modelo, o mais acabado exemplo de sucesso para enfrentar esta calamidade. De capital dos fogos, Mação passara a capital da prevenção e combate a incêndios.

Um mês depois, Mação arde tão dramaticamente, se não mais ainda, quanto tantas vezes ardeu no passado. Ameaçando povoações, e desalojando ainda mais pessoas.

Nada que preocupe a ezquizofrenia instalada, agora que a grande prioridade nacional foi cumprida, com a publicação da lista dos mortos do Pedrogão, nome por nome. Provavelmente ainda dentro das 24 horas do ultimato do outro...

O ultimato

 Resultado de imagem para ultimato de hugo soares

 

Nunca foi tão forte a sintonia entre a direita em geral, e o PSD em particular, e a comunicação social.

Não. Não é no que respeita a ideologia, é na imbecilidade!

E quanto mais fundo cai o nível da qualidade dos seus dirigentes políticos mais se reforça essa sintonia, que terá certamente o seu ponto mais alto no ultimato desse grande vulto político que acaba de chegar à liderança parlamentar, que se dá pelo nome de Hugo Soares.

Já não há paciência...

Capa do Expresso

 

O Expresso - já é costume -  lançou a confusão. Uma vez lançada meteu-se a caminho, que palmilha a passo acelerado sem saber nem onde nem quando vai parar. 

Os mortos do Pedrogão eram mais, muitos mais que os 64 divulgados, começava o Expresso por adiantar. A direita entrou em êxtase. Passos nem cabia em si, profundamente convencido que é na desgraça que encontra a salvação. O governo escondia a lista oficial dos mortes porque, claro, numa lista é fácil contar.

Com a lista que o governo não quer divulgar, era canja: chegava-se aos 64 nomes e e a lista continuaria por ali baixo, alegre e contente, como se em vez de mortos estivéssemos a consultar uma lista de premiados da Santa Casa.

Então o Expresso tem  acesso à lista e conta, um a um. Dá 64. Não, esperem: dá 64 por causa dos critérios, que excluem as mortes indirectas. Fossem outros os critérios de lá teríamos de certeza muitos mais que os 64. Fossem outros os critérios e teriam contado com aquela mulher atropelada, a fugir do fogo. Fossem outros os critérios e, contando esta mulher, seriam 65. Muito mais que 64!

Acredito que haja quem ache isto interessante. Mas serão certamente (também) muitos mais os que já não têm paciência para isto...

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics