Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Jornalismo desportivo

Por Eduardo Louro

 

Um jornalista (?) questionou ontem Paulo Bento, em Estocolmo, na conferência de imprensa que antecedeu o jogo de hoje, sobre o estado de saúde de Pinto da Costa. Não sei quem é o jornalista - já só apanhei a resposta do seleccionador nacional - mas seja lá quem for, de jornalista terá certamente muito pouco. Nada que nos surpreenda no panorama da imprensa desportiva do país, onde vemos de tudo menos qualquer coisa a que se possa chamar jornalismo.

Por muito que o estado de saúde de Pinto da Costa o possa preocupar, a preocupação do tal jornalista naquele momento não era essa. Era simplesmente - ali, na véspera do mais decisivo dos jogos da selecção nacional, onde o tema não poderia ser outro que a selecção - introduzir um objecto cortante com grande capacidade de fazer sangue

Se a sua preocupação fosse com o estado de saúde de Pinto da Costa não era aquele o local adequado para disso indagar. Era o hospital. Ou a estrutura de comunicação da SAD portista. Mas, acima de tudo, não poderia ter Paulo Bento como destinatário da pergunta!

É infelizmente com gente desta que se faz jornalismo desportivo em Portugal. Gente que não sabe nem o que é ética nem o que é vergonha, mas que sabe que tem a protecção que lhe garante a impunidade!

Não honram, antes conspurcam,  a memória dos grandes jornalistas do passado. É por isso que, tendo aprendido a ler - e a escrever - com esses grandes monstros do passado, há muito que deixei de ler jornais desportivos. 

Duelos do play-off

Por Eduardo Louro

 

No anunciado e badalado duelo, Cristiano Ronaldo esmagou Ibrahimovic. E no ar ficou a ideia que não tem rival à altura, nem com a ajuda do frio sueco...

Já Ribery não fora desafiado para qualquer duelo, não tinha do outro lado estrela à sua altura, mas ficou a ver o Brasil mais longe. A não ser que se repitam as coisas esquisitas que nestas ocasiões sucedem em Paris... 

Com Messi fora de jogo - dizem as más línguas que estas lesões do argentino têm origem em Neymar - sobe a expectativa na escolha do Bola d`Ouro deste ano.

Já mexe, o play-off...

Por Eduardo Louro

 

 

Paulo Bento acabou de divulgar a lista de convocados para o jogo entre as selecções de Portugal e da Suécia, de hoje a uma semana no Estádio da Luz, o primeiro do play-off que nos poderá dar os bilhetes para o mundial de 2014 no Brasil.

A convocatória de Paulo Bento para esta decisiva dupla jornada tem algumas curiosidades. A primeira é que se conheceram os árbitros antes de serem conhecidos os jogadores convocados. Não é muito comum, mas a verdade é que já há um ou dois a UEFA divulgara os árbitros para este play–off: de top, o italiano Nicola Rizzoli, para o jogo de Lisboa, e o inglês Howard Webb, para o jogo da segunda mão, na Suécia.

Depois há a curiosidade da convocação de Wiliam Carvalho, o médio defensivo do Sporting que tem sido a revelação deste campeonato. Uma novidade, uma boa novidade, que o miúdo justifica em absoluto, porque é bem melhor que o titular, Miguel Veloso - ou só Miguel, como ele gosta – que dará certamente nova estreia na selecção. Estreia que poderá também passar por Bruma, que repete a convocatória que certamente manterá por muitos e bons anos.

E o regresso dos laterais João Pereira e Fábio Coentrão, há algum tempo afastados por lesão.

E que ainda não regressaram nos seus clubes… Mas também há curiosidades nas ausências. É curioso que Ruben Amorim, a atravessar o seu melhor momento de forma, tenha ficado de fora. E que também Adrien não tenha cabido nas escolhas de Paulo Bento que, incompreensivelmente, não abre mão de Ruben Micael…

Mas é com os 24 que Paulo Bento escolheu – não, não é um duelo entre Cristiano Ronaldo e Obrahimovic, por muito que qualquer deles possa ser decisivo - que vamos esperar que a selecção nacional afaste ainda mais a Suécia do Brasil. Para isso é certamente importante encher o Estádio da Luz, de hoje a oito dias. Que comece a corrida aos bilhetes para o Portugal – Suécia!

 

 

 

Saiu a fava!

Por Eduardo Louro

 

 

Enquanto a selecção nacional devia procurar alcançar a qualificação directa para o Brasil, a mensagem era que não havia problema nenhum, que o segundo lugar também dava… Keep calm, no pasa nada...

Lá chegados, começaram os problemas. Começou afinal a perceber-se que não era bem assim, que chegar ao play-off não significava mais que disputar com um adversário o direito a chegar ao Brasil. E foi essa ideia – disputar com um adversário – que levou a consciencializar que já não havia Bósnias, o sparring partner das últimas qualificações. E mais: que não havia Bósnia porque já lá estava, no Brasil. Porque, depois de anos a ficar de fora, percebeu que chegar ao play-off não era chegar aos palcos das fases finais. E por isso tratou de ganhar o seu grupo, deixando à selecção da Grécia – de Fernando Santos – as preocupações com o apuramento fora de horas.

A França é que não – dizia Cristiano Ronaldo e diziam todos. Portugal, não – diziam alguns dos franceses, que não Ribery. Depois de três vezes despachada – uma por Platini e duas por Zidane - achava-se que a selecção portuguesa evitaria por isso mesmo a equipa francesa, graças ao mesmo mas agora outro Platini.

A Islândia é que dava jeito, dizia-se. Era a prenda no bolo onde a fava, contando com a mãozinha do francês que manda na UEFA e quer mandar na FIFA, era agora a Suécia. De Ibrahimovich, o cada vez mais especialista em golos incrivelmente espectaculares!

E foi mesmo, para que ninguém mais se esqueça que o play-off é um caminho suplementar para o Brasil e não um simples carimbo para retardatários.

Ah… o brinde – a Islândia – saiu à Croácia. A França também se não pode queixar – calhou-lhe em sorte a Ucrânia. O resto fica por conta da Grécia e da Roménia! 

Quem não ganha a Israel...

Por Eduardo Louro

 

 

No primeiro dos dois jogos desta dupla jornada que encerra a fase de apuramento para a fase final do Mundial no Brasil, a selecção nacional voltou a falhar, repetindo em Alvalade o empate de Israel. Um resultado que pode parecer injusto, mesmo cruel, mas que se adivinhou durante grande parte de um jogo aborrecido e sonolento, impróprio para uma equipa com o prestígio da selecção nacional. Que assim se arrisca a que rapidamente o faça convergir com a sua qualidade de jogo!

Faltam jogadores de qualidade? Claro que sim, mas isso não está nas mãos do grupo de trabalho – como eles gostam de chamar. O seleccionador não pode inventar jogadores, embora possa escolher os melhores, o que nem sempre faz. E os jogadores não podem ir comprar mais qualidade e talento à loja da esquina. Mas todos, seleccionador (que dá sérios sinais de desorientação) e jogadores, têm a obrigação de dar sempre o máximo, sem cedências na concentração.

Um exemplo: quando nos últimos dez minutos - e já que não tinha conseguido chegar ao segundo golo - a equipa tinha de reforçar a concentração, para não deixar escapar o controlo do jogo, o que se viu foi os jogadores que estavam tapados com amarelos à procura de quezílias que lhe garantissem o cartãozinho que antecipasse a desqualificação já para a próxima terça-feira, no jogo com o Luxemburgo. Quando os jogadores tinham que estar empenhados no pleno de vitórias que mantivesse aberta a hipótese da qualificação directa, preferiram pensar nos play-offs, de Novembro. Que, não se percebe bem por quê, toda a gente sempre deu - e dá - como garantia de apuramento. Foi assim no passado, é essa a história, mas nem sempre há Bósnias

É um crime lesa futebol se o CR 7 não estiver em Junho no Brasil. Mas isso pode acontecer. E não é por culpa dele – às vezes dá ideia que se espera que ele cruze e, depois, corra para a área ainda a tempo de ainda concluir - por muito que hoje também ele não tivesse escapado aos pecados da equipa. Também ele passou o jogo à procura do cartão amarelo. E como só chegou mesmo no fim…

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics